Dobraduras e colagens no ensino de geometria para estudantes cegos do ensino fundamental no período de contra turno

Neuza Rejane Wille Lima, Tânia Maria Moratelli Pinto

Resumo


A aceitação, a compreensão e a eficácia do ensino em tempo integral, envolvendo o contra turno têm sido amplamente discutidas por pesquisas e políticas educacionais no Brasil. Na maioria das vezes o ensino realizado no contra turno representa um mero reforço da classe regular. Entretanto, atividades lúdicas envolvendo os conteúdos programáticos podem tornar o contra turno mais proveitoso. O objetivo do estudo foi realizar e avaliar a eficácia de seis oficinas envolvendo atividades lúdicas com utilização de materiais reaproveitáveis ou de baixo custo para construir objetos e abordar os elementos geométricos do triangulo retângulo, figuras plana e não plana e do círculo, visando promover a construção de conhecimentos sobre conteúdos de matemática em 14 estudantes cegos do 6º. ao 9º. ano do ensino fundamental no período de contra turno. Os estudantes não tiveram dificuldade em seguir as instruções fornecidas pela professora e souberam cada um ao seu tempo, responder corretamente, na maioria das vezes, sobre os nomes que recebem os lados de um triângulo retângulo a partir da dobradura de uma sacola plástica, sobre as linhas paralelas e perpendiculares que formavam a sacolinha de papel e sobre os elementos geométricos dos círculos utilizados para realizar a colagem de uma flor em um jardim. A partir dessas atividades lúdicas foi possível vislumbrar as potencialidades dos estudantes em questão, considerando as suas necessidades e especificidades, pois, mesmo sem enxergar, eles conseguiram realizar as tarefas propostas e tiraram proveito dos conteúdos possíveis de serem trabalhados. O estudo realizado envolveu o planejamento, a execução e a testagem da produção de materiais e práticas pedagógicas podem servir na aprendizagem de matemática por estudantes cegos, sendo mais um suporte para a prática da educação inclusiva que também podem ser aplicada tanto para estudantes de baixa visão como para estudantes videntes. 


Texto completo:

237-253

Referências


ALVARENGA, G. E, ANDRADE L. A. B. Cognição e Aprendizagem na Cegueira Congênita: as novas tecnologias não dispensam o afeto. In: LIMA, N. R. W.; DELOU, C. M. C. (Orgs.) Ponto de vista em diversidade e inclusão. Cap. 3. Associação Brasileira de Diversidade e Inclusão (ABDIn)/Perse, Niterói, RJ, 2016., p. 20-26.

BACCI, D. C.; SILVA, D. B.; SILVA, D. G., SILVA, K. B.V.Ensino de Geociências no contra turno escolar. In: Atas do IX Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências - Águas de Lindóia, SP, Brasil. 2013. p. 20-26.

BARTH, A.; NIEDZIELSKI, D.; STACHNIAK, E.; EMPINOTTI, A.; ARAÚJO, E. T.KUTPEK, R. A.Aulas em contra turno, é possível? um exemplo prático na área de botânica para o ensino fundamental. In: Revista Ensino & Pesquisa, v. 14, n. 1, 2016, p.96-105.

DIAS, A., A.; FRANÇA, J.; BORGES, A.; BORGES, M. 2014. JOGAVOX: uma abordagem de aprendizagem colaborativa com pessoas deficientes visuais. In: Nuevas Ideas en Informática Educativa TISE, 2014, p. 358-366.

GIANNINI, L. R.; DELOU, C. M. C. Visão da família sobre a diversidade e a inclusão. In: LIMA, N. R. W.; DELOU, C. M. C. (Orgs.) Ponto de vista em diversidade e inclusão. Cap. 18, Associação Brasileira de Diversidade e Inclusão (ABDIn)/Perse, Niterói, RJ, 2016, p. 136-139.

JACOMELLI C. V.; SOUSA, M. C. Manifestações orais de crianças de cinco anos em práticas de contagem. In: Revista de. Educação Pública, v. 25, n. 60, 2016, p. 819-837.

JESUS, A. C. A. Como aplicar jogos e brincadeiras na educação infantil. Rio de Janeiro, Bransport. 2010.

KROLOW, A. C. M.; CASTELEINS, V. L. Contraturno: um espaço de desafio para a educação do futuro. In: Anais do IX Congresso Nacional de Educação. Curitiba, PR, Brasil. 2009, p. 3857-3871.

NATALI, P. M.; PAULA, E. M. A. T. Programas de Contra Turno Social para crianças e adolescentes na cidade de Maringá/PR: características e funções. In: Revista Emancipação, v. 8, n. 1, 2008, p. 95-103.

ORTIZ, E.; ARRUDA, S. M.; PASSOS, M. M. & SILVA, M. R. Os focos da aprendizagem para a pesquisa e a escolha pela pós-graduação em ensino de ciências e Matemática. In:Ensino & Pesquisa, v. 14, n. 1, p. 55-70. 2016.

PINHO, T. M. M. Adaptação de materiais pedagógicos para o ensino de Matemática para alunos com deficiência visual do ensino fundamental (6º ao 9º ano). Dissertação (Mestrado em Diversidade e Inclusão). Universidade Federal Fluminense, Niterói, RJ, 2016. 180f.

PINHO, T. M. M.; LIMA, N. R. W. O desafio de ensinar Matemática às escuras. In: LIMA, N. R. W.; DELOU, C. M. C. (Orgs.) Ponto de vista em diversidade e inclusão. Cap. 10, Associação Brasileira de Diversidade e Inclusão (ABDIn), Niterói, RJ. 2016, p. 69-84.

PINHO, T. M. M.; DELOU, C. M. C.; Lima, N. R. W. Origami as a Toll to Teach Geometry for Blind Students.In: Creative Education, v. 7, 2016a, p. 2652-2665.

PINHO, T. M. M.; CASTRO, H. C.; ALVES, L.; LIMA N. R. W.Mathematics and blindness: let's try to solve this problem? Scholedge International Journal of Multidisciplinary & Allied Studies, 3, 2016b, p. 215-225.

PLATAFORMA BRASIL. 2016. Disponível em: http://www.saude.sp.gov.br/centro-de-referencia-e-treinamento-dstaids-sp/pesquisa/comite-de-etica-em-pesquisa/projetos-de-pesquisa-plataforma-brasil). Acessado emmaio de 2015.

PONTES, A. S. Origami modular, geometria espacial e deficiência visual. Monografia de Licenciatura em Matemática, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Fluminense, Campus dos Goytacazes. RJ, 2010, p. 71, 2010.

SANTAROSA, M. C. P. Os lugares da Matemática na física e suas dificuldades contextuais: implicações para um sistema de ensino integrado. In: Investigações em Ensino de Ciências, v.18, n. 1, 2013, p. 215-235.

SILVA, M. D.; GONÇALVES, F. P. Práticas pedagógicas em Ciências da Natureza nos anos iniciais do ensino fundamental com estudantes cegos. In: Revista Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, v. 15, n. 3, 2015, p. 497-518.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.