Artes Visuais e Conservação no Campo Remoto: Uma Experiência Interdisciplinar no Ensino Remoto

Autores

Palavras-chave:

Artes visuais, conservação, auto retrato, campo remoto, ensino remoto.

Resumo

Campo Remoto, que ocorreu durante o ano de 2020, foi uma proposta de ações artí­stico-educativas para os cursos de bacharelado em Artes Visuais da UNESPAR – Campus I – Escola de Música e Belas Artes do Paraná para o perí­odo de isolamento social e suspensão das atividades presenciais durante a pandemia da Covid-19. Caracteriza-se por um conjunto de atividades remotas emergenciais que tiveram como objetivo restabelecer o contato entre estudantes e professores, proporcionando o diálogo e a produção artí­stica e teórica. Os encontros foram divididos em quatro temporadas e no presente artigo é apresentada e discutida a temporada denominada AVC - Artes visuais e conservação, pensada por professores das disciplinas eminentemente práticas. Apresenta-se ainda, uma experiência vivenciada por um dos professores participantes a fim de evidenciar o modo como os temas discutidos reverberaram em seu processo criativo. Como principais resultados dessa experiência, destacam-se os processos coletivos e colaborativos entre professores, a alternância de protagonismo entre discentes e docentes e a construção de um conhecimento em artes visuais reflexivo e articulado com o contexto hostil vivenciado contemporaneamente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Emerson Persona, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Doutorando -UTFPR - PPGTE- Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Sociedade. Tecnologia e Sociedade (2021). Mestre UTFPR - PPGTE- Programa de Pós-Graduação em Tecnologia e Sociedade 2017). Graduação Superior de Pintura – Escola de Música e Belas Artes do Paraná – EMBAP (2009). Artista Visual com ateliê próprio com pesquisa em pintura, colagem e desenho. Link Lattes:http://lattes.cnpq.br/5126876516529937.
Orcid: https://orcid.org/0000-0003-1422-6046

Referências

ADORNO, Th. W., Asthetische Theorie (Teoria estetica), editada por Gretel Adorno e R. Tiedemann, Gesammelte Schrifien (Obras completas), 7, Frankfurt, 1970

Associação Profissional de Conservadores Restauradores de Portugal Lisboa, Portugal. Terminologia para a definição da conservação-restauro do património cultural material. Resolução aprovada pelos membros do ICOM-CC durante o 15.º Encontro Trienal, Nova Dehli, 22-26 de Setembro de 2008 Conservar Património, núm. 6, diciembre, 2007.

AVANCINI, José Augusto, SOUZA, Elisei Clementino e ABRAHíO, Maria Helena Menna Barreto. "Rembrandt e a invenção de si: seus autorretratos são um percurso autobiográfico?". In: Tempos, Narrativas e Ficções. Porto Alegre: Edipuc,2008.

BAUDELAIRE, Charles. Pequenos poemas em prosa. Rio de Janeiro: Athena, 1988.

BACHELARD, G. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BURGER, Peter. Teoria da vanguarda. Lisboa: Verga, 1993.

CHAUí, Marilena. Janela da alma, espelho do mundo. NOVAES, A. (Org.) O olhar. São Paulo: Cia. Das Letras, 31-63, 1988.

CHAGAS, Mário. Casas e portas da memória e do patrimônio. Revista Em questão, UFRGS, v.13, n.2, 2007.

COSTELLA, Antonio. Introdução í gravura e í sua História. Editora Mantiqueira. São José dos Campos, SP. 2006.

JOLY, Martine. Introdução í análise da imagem. Campinas: Editora Papirus, 1996.

SANTOS, Milton. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2005.

SANT"™ANA, Marcia. Preservação como prática: sujeitos, objetos, concepções e instrumentos. Dicionário do IPHAN, Disponí­vel em http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Preserva%C3%A7%C3%A3o%20pdf(1).pdf. Acesso em 14 de setembro de 2021.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado. 3ª ed. São Paulo: Hucitec, 1994.

OLIVEIRA, Thiago Ranniery Moreira, PARAíSO, Mariluci Alves. Mapas, dança, desenhos: a cartografia como método de pesquisa em educação. Artigo. Revista Pro-Posições | v. 23, n. 3 (69) | p. 159-178 | set./dez. 2012.

ICOM. Conselho Internacional de Museus. Disponí­vel em: http://www.icom.org.br/wp-content/uploads/2021/02/Apresentacao.pdf. Acesso em 20 de setembro de 2021.

FRONTEIRAS do pensamento. Pierre Levy – o que é o virtual. 28 de maio de 2013. Youtube, acesso em 27de agosto de 2020.

RAUEN, Roselene Maria; MOMOLI, Daniel Bruno. Imagens de si: o autorretrato como prática de construção da identidade. In: Educação artes e inclusão. Volume 11, 2015.UNIARP. SC.

BACHELARD, G. A poética do devaneio. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

BURGER, Peter. Teoria da vanguarda. Lisboa: Verga, 1993.

CHAUí, Marilena. Janela da alma, espelho do mundo. NOVAES, A. (Org.) O olhar. São Paulo: Cia. Das Letras, 31-63, 1988.

CHAGAS, Mário. Casas e portas da memória e do patrimônio. Revista Em questão, UFRGS, v.13, n.2, 2007.

JOLY, Martine. Introdução í análise da imagem. Campinas: Editora Papirus, 1996.

SANTOS, Milton. Da totalidade ao lugar. São Paulo: Edusp, 2005.

SANT"™ANA, Marcia. Preservação como prática: sujeitos, objetos, concepções e instrumentos. Dicionário do IPHAN, Disponí­vel em http://portal.iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Preserva%C3%A7%C3%A3o%20pdf(1).pdf. Acesso em 14 de setembro de 2021.

SANTOS, Milton. Metamorfoses do espaço habitado. 3ª ed. São Paulo: Hucitec, 1994.

OLIVEIRA, Thiago Ranniery Moreira, PARAíSO, Mariluci Alves. Mapas, dança, desenhos: a cartografia como método de pesquisa em educação. Artigo. Revista Pro-Posições | v. 23, n. 3 (69) | p. 159-178 | set./dez. 2012.

ICOM. Conselho Internacional de Museus. Disponí­vel em: http://www.icom.org.br/wp-content/uploads/2021/02/Apresentacao.pdf. Acesso em 20 de setembro de 2021.

FRONTEIRAS do pensamento. Pierre Levy – o que é o virtual. 28 de maio de 2013. Youtube, acesso em 27de agosto de 2020.

RAUEN, Roselene Maria; MOMOLI, Daniel Bruno. Imagens de si: o autorretrato como prática de construção da identidade. In: Educação artes e inclusão. Volume 11, 2015.UNIARP. SC.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Edição

Seção

Dossiê Campo Remoto