ENTRE NIETZSCHE E CAMUS

Niilismo e absurdo

Autores

  • Michelle Ferreira de Lima Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR)

Resumo

Essa pesquisa tem como objetivo descrever os conceitos de niilismo e absurdo com referência em Nietzsche e Albert Camus. No pensamento nietzschiano o niilismo surge primeiramente como sintoma da derrocada de sentido e corrosão dos valores da tradição. Nesse sentido, o niilismo surge como um processo, uma marcha que intensifica o instinto de destruição. A morte de Deus é assumida pelo sujeito moderno como a perda total de sentido e tal acontecimento gera um vazio em suas vidas desmundanizadas (Cf. ARALDI, 2004, p. 68). A ausência de sentido advinda da dissolução de crenças gera o sentimento de vazio na existência com a perda de valor, sentido ou finalidade. O niilismo existencial demonstra a morte dos valores e o surgimento do absurdo, já que o homem sente dificuldade em se tornar criador do sentido. (Cf. VEIT, 2018, p. 212). Com a morte de Deus, de crenças, de verdade absoluta, deriva o niilismo que é resultante da morte desses valores, em consequência advém o absurdo, pois embora não exista sentido ou propósito para a vida, o humano ainda anseia por isso. Nesse sentido, Albert Camus se dedica a investigar se a falta de sentido e constatação do vazio e do absurdo resultaria em suicídio. Por fim, ele constata que a falta de sentido não implica em suicídio, uma vez que o sujeito se encontra livre para criar novos mundos por meio da revolta.

Palavras-chave: Niilismo. Morte de Deus. Absurdo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ARALDI, Clademir. Niilismo, Criação, Aniquilamento - Nietzsche e a Filosofia dos Extremos. 1ª ed. Editora: ‎ Unijuí, 2004.

BRAGA, Antonio Carlos. Nietzsche: O filósofo do niilismo e do eterno retorno. São Paulo: Editora Escala, 2011.

CAMUS, Albert. Nietzsche e a Música. In: Escritos de Juventude. Edição: Livros do Brasil – Lisboa, 1972.

CAMUS, Albert. O Homem Revoltado. Trad. Valerie Rumjanek. – 12ª ed. Rio de Janeiro: Record, 2018.

CAMUS, Albert. O Mito de Sísifo. Trad. Ari Roitman, 16 ed. Paulina Watch. – Rio de Janeiro: Record, 2019.

CARVALHO, José Jacson Carneiro. Albert Camus: Tragédia do Absurdo. João Pessoa: Ideia, 2009.

DOSTOIÉVSKI, Fiódor. Os irmãos Karamázov. Trad. Herculano Villas Boas. 1ª ed. Editora: ‎ Martin Claret, 2013.

FOLEY, John. Albert Camus: From the Absurd to Revolt. Routledge; 1ª edição, 2008.

GUERIN, Jeanyves. Dictionnaire Albert Camus. 1ªed. Editora: Robert Laffont, 2009.

LEFRANC, Jean. Compreender Nietzsche. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005.

MARTON, Scarlett. Nietzsche: a transvaloração dos valores. São Paulo: Moderna, 1993.

MARTON, Scarlett. Prefácio. In: MÜLLER-LAUTER, Wolfgang. A doutrina da vontade de poder em Nietzsche. São Paulo: Annablume, 1997.

MENEZES, Rafael Pereira. Mito, Tragédia e Repetição na arte de Albert Camus. (Tese de doutorado) 2019.

MELANÇON, Marcel. Albert Camus: analyse de sa pensée. Suisse: Les Éditions universitaire Fribourg, 1976.

NIETZSCHE, Friedrich. Além do Bem e do Mal: Prelúdio de uma filosofia do futuro. São Paulo: Companhia de Bolso, 2005.

NIETZSCHE, Friedrich. A Gaia Ciência. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

NIETZSCHE, Friedrich. Assim falou Zaratustra: um livro para todos e para ninguém. São Paulo: Companhia das Letras, 2011.

NIETZSCHE, Friedrich. O niilismo europeu. Seleção, apresentação e tradução: Noéli Correia de Melo Sobrinho. Rio de Janeiro – v. 8 – nº 21 – p. 5 a 23 – julho / dezembro 2003.

OLIVEIRA, Jelson. A solidão como virtude moral em Nietzsche. Curitiba: Champagnat, 2010.

OLIVEIRA, Jelson. Para uma ética da amizade em Friedrich Nietzsche. Rio de Janeiro: 7 Letras, 2011.

ONFRAY, Michel. L'Ordre libertaire. La vie philosophique d'Albert Camus. Flammarion, 2012.

PINTO, Manuel da Costa. Paisagens interiores e outros ensaios. São Paulo: B 4 Editores, 2012.

RICOEUR, Paul. A região dos filósofos. Trad. Marcelo Perine e Nicolás Nyimi Campanário, São Paulo: Loyola, 1996.

TDD, Olivier. Albert Camus: Uma vida. Rio de Janeiro: Record, 1998.

VEIT, Walter. Existential Nihilism: The Only Really Serious Philosophical Problem. Journal of Camus Studies. 2018

VOLPI, Franco. O Niilismo. Rio de Janeiro: Editora Loyola, 1999.

Downloads

Publicado

2022-12-20

Como Citar

Ferreira de Lima, M. (2022). ENTRE NIETZSCHE E CAMUS: Niilismo e absurdo. Revista Paranaense De Filosofia, 2(2), 124–135. Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/rpfilo/article/view/6937

Edição

Seção

Artigos