POR UMA DEMOCRACIA AGONÍSTICA COSMOPOLITA

Autores

  • Geraldo das Dôres de Armendane Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí

Palavras-chave:

Democracia agonística cosmopolita; Governança Mundial; Assembleia da ONU; Direitos Humanos.

Resumo

Este artigo defende um projeto de democracia agonística cosmopolita como uma forma de vida humana. Esse projeto de governança mundial passa pela redução do poder do Estado-nação e a criação de uma instituição paralela que sirva de expressão dos indivíduos e seus governantes; pela criação de “parlamentos regionais”; pela reforma do Conselho de Segurança da ONU, com vistas a torná-lo mais democrático e representativo; pela instituição de um Tribunal Internacional de Direitos Humanos responsável para julgar os crimes praticados por governos de países que violarem os Direitos Humanos; pela criação de uma segunda Assembleia da ONU como espaço agonístico em nível internacional, no qual os cidadãos lutam pelos direitos dos povos no mundo inteiro. Essa nova Assembleia da ONU constituir-se-á em um espaço de inclusão no qual pode-se tomar medidas de combate às desigualdades sociais em escala mundial e em defesa do meio ambiente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Geraldo das Dôres de Armendane, Intituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí

Doutor em Filosofia pela Universidade Federal de Santa Catarina, mestre em Filosofia pela Universidade  Federal do Piauí, pós-graduado em Educação pela Universidade Católica de Pernambuco, graduado em Filosofia pela Faculdade Jesuíta de Teologia e Filosofia, docente do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Piauí, ministra as seguintes disciplinas: Filosofia, Filosofia da Educação, Metodologia da Pesquisa e Ética no Trabalho. Orcid: 0000-0001-6560-3580. E-mail: g5armendane70@yahoo.com

Referências

ARCHIBUGI, Daniele. From the United Nations to cosmopolitan democracy. In: ARCHIBUGI, Daniele; HELD, David (ed.). Cosmopolitan democracy: an agenda for a New World Order. Cambridge: Polity Press & Blackwell Publishers, 1995. p. 121-162.

ARISTÓTELES. A política. Tradução de Nestor Silveira Chaves. 2. ed. rev. Bauru: EDIPRO, 2009.

BAKER, Gordon Park; HACKER, Peter Michael Stephan. Wittgenstein: understanding and meaning. Oxford: Wiley Blackwell, 2009a. 1 v.

BAKER, Gordon Park; HACKER, Peter Michael Stephan. Wittgenstein: rule, grammar and necessity. 2. ed. Oxford: Wiley Blackwell, 2009b.

CAVELL, Stanley. Declining decline. In: MULHALL, Stephen (ed.). The Cavell reader. Oxford: Blackwell, 1996. p. 321-352.

CONNOLLY, William Eugene. The augustinian imperative: a reflection on the politics of morality. New York City: Rowman & Littlefiel Publishers, INC., 1993.

DALL’AGNOL, Darlei. La ética en Wittgenstein y el problema del relativismo. Tradução de Jonathan Elizondo Orozco. València: PUV (Universitat de València), 2016.

DAHL, Robert, Alan. Sobre a democracia. Tradução de Beatriz Sidou. Brasília: editora UNB, 2001.

FALK, Richard. The world order between inter-state law and law of humanity: the role of civil society institutions. In: ARCHIBUGI, Daniele.; HELD, David (ed.). Cosmopolitan democracy: an agenda for a New World Order. Cambridge: Polity Press & Blackwell Publishers, 1995. p. 163-179.

GARVER, Newton. This complicated form of life: Essay on Wittgenstein. Chicago: Open Court, 1994.

GLOCK, Hans-Johann. Dicionário Wittgenstein. Tradução de Helena Martins. Rio de Janeiro: Zahar, 1998.

HELD, David. Democracy and the New International Order. In: ARCHIBUGI, Daniele.; HELD, David (ed.). Cosmopolitan democracy: an agenda for a New World Order. Cambridge, Oxford: Polity Press & Blackwell Publishers, 1995. p. 96-120.

HIRST, Paul Quentin. El decisionismo de Carl Schmitt. In: MOUFFE, Chantal (org.). El desafio de Carl Schmitt. Tradução de Gabriel Merlino. 1. ed. Buenos Aires: Prometeo libros, 2011. p. 19-33.

MOYAL-SHARROCK, Danièle. Wittgenstein on form of live, patterns of live, and way of living. Nordic Wittgenstein Review, Special Issue, p. 21-42, out. 2015. Disponível em: https://www.nordicwittgensteinreview.com/article/view/3362/pdf. Acesso em: 10 dez. 2019.

MOUFFE, Chantal. Sobre o político. Tradução de Fernando Santos. 1. ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2015.

OXFAM (2019). Time to care: unpaid and underpaid care work and the global iniquality crisis. [S.l.], jan. 2020. p. 1-64. Disponível em: https://ousweb-prodv2-shared-media.s3.amazonaws.com/media/documents/FINAL_bp-time-to-care-inequality-200120-en.pdf. Acesso em: 22 jan. 2020.

PERSSON, Ingmar; SAVULESCU, Julian. Inadequado para o futuro: a necessidade de melhoramentos morais. Tradução de Brunello Stancioli. 1. ed. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2017.

TAYLOR, Charles. Argumentos filosóficos. Tradução de Adail Ubirajara Sobral. 2. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2014.

VAN PARIJS, Philippe; VANDERBORGHT, Yanick. Renda básica: uma proposta radical para uma sociedade livre e economia sã. Tradução de Beth Honorato. São Paulo: Cortez Editora/Editora Fundação Perseu Abramo, 2017.

WENMAN, Mark. Agonistic democracy: constituent power in the era of globalization. Cambridge: Cambridge University, 2013.

WINGENBACH, Edward C. Institutionalizing agonistic democracy: post-foundationalism and political liberalism. Farnham: Ashgate Publishing Limited, 2011.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Tradução de e pref. M. S. Lourenço. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 1987.

Downloads

Publicado

2022-07-26

Como Citar

Armendane, G. das D. de. (2022). POR UMA DEMOCRACIA AGONÍSTICA COSMOPOLITA. Revista Paranaense De Filosofia, 2(1), 29–48. Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/rpfilo/article/view/4747

Edição

Seção

Artigos