APRENDIZAGEM SIGINIFICATIVA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Autores

Resumo

O presente artigo apresenta uma análise de parte dos dados obtidos por meio de um questionário aplicado a professores de Matemática da rede pública de ensino de escolas do litoral norte do Rio Grande do Sul. Este instrumento de coleta de dados é oriundo de um projeto de pesquisa desenvolvido no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul, campus Osório, intitulado “Aprendizagem Significativa e Formação de Professores”, e tem por objetivos analisar as práticas docentes dos envolvidos, a partir da presença ou ausência de uma estruturação que desencadeie um máximo potencial de aprendizagem significativa e verificar se os seus diferentes níveis de formação acadêmica influenciam nessa estruturação em sala de aula. A estruturação das práticas docentes dos professores participantes foi avaliada a partir de questionamentos que envolviam a unidade temática Álgebra, mais especificamente o estudo de Funções para o ensino médio. A fim de atingir os objetivos propostos no presente trabalho, foi desenvolvida pesquisa bibliográfica sobre as temáticas de Ensino de Matemática, Álgebra, Aprendizagem Significativa e Metodologia e Análise de Dados. Os resultados apresentaram uma forte banalização do termo “Aprendizagem Significativa” nos discursos dos professores envolvidos que, em sua totalidade, não satisfizeram aos parâmetros mínimos indicados por essa teoria.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALMEIDA, J.; CÂMARA, M. Desenvolvimento do pensamento algébrico: proposição de um modelo para os problemas de partilha. Zetetiké: Campinas, SP, v. 26, n. 3, p. 546-568, set/dez. 2018. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/zetetike/article/view/8650717/18882. Acesso em: 23 dez. 2020.

AUSUBEL, D. P. Aquisição e retenção de conhecimentos: uma perspectiva cognitiva. Portugal: Plátano, 2003.

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, Joseph D.; HANESIAN, Helen. Psicologia educacional. Tradução de Eva Nick. 2. ed. Rio de Janeiro: Interamericana, 1980.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos: Matemática. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Relatório SAEB 2017 [recurso eletrônico]. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2019.

BRASIL. Sistema de Avaliação da Educação Básica (SAEB). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. MEC, 2017. Disponível em: https://download.inep.gov.br/educacao_basica/saeb/2018/documentos/presskit_saeb2017.pdf. Acesso em: 23 dez. 2020.

BICUDO, M. A. V. Pesquisa em Educação Matemática: concepções e perspectivas. São Paulo: UNESP, 1999.

CAMPOS, M. A., FARIAS, L. M. S. A educação algébrica e a resolução de problemas numéricos no 6º ano do ensino fundamental: prelúdio ao pensamento algébrico. Educação, Matemática e Pesquisa: São Paulo, v. 21, n. 3, p. 143-166, 2019. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/emp/article/view/44582. Acesso em: 31 abril 2021.

D’AMBROSIO. B. S. Formação de professores de matemática para o século XX: o grande desafio. Pro-posições: São Paulo, v. 4, n. 1, p. 35-41, março 1993. Disponível em https://www.fe.unicamp.br/pf-fe/publicacao/1757/10-artigos-ambrosiobs.pdf. Acesso em: 13 jun. 2021.

KAPUT, J. J. What is Algebra? What is algebraic reasoning? In: J. J. Kaput, D. W. Carreher em. L. Blanton (Eds.), Algebra de early grades (pp. 5-17). New York, NY: outledge, 2008.

LIMA, Elon L. Matemática e ensino. 3 ed. Rio de Janeiro: SBM, 2007.

LINS, R. C.; GIMENEZ, J. Perspectivas em álgebra e aritmética para o século XXI. 7ª ed. Campinas-SP: Papirus, 2005.

MORAES, R. Uma tempestade de luz: a compreensão possibilitada pela análise textual discursiva. Revista Ciência & Educação: São Paulo, v. 9, n. 2, p.191-211, 2003. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/SJKF5m97DHykhL5pM5tXzdj/abstract/?lang=pt#. Acesso em: 21 fev. 2021.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. do C. Análise textual discursiva: processo reconstrutivo de múltiplas faces. Revista Ciência & Educação: São Paulo, v. 12, n. 1, p. 117-128. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/ciedu/a/wvLhSxkz3JRgv3mcXHBWSXB/abstract/?lang=pt. Acesso em: 02 ago. 2021.

MOREIRA, M. A. A teoria da aprendizagem significativa e sua implementação em sala de aula. Brasília: UnB, 2006.

MOREIRA, M. A. Teorias de aprendizagem. 2. ed. E.P.U. São Paulo, 2017.

MOREIRA, M. A.; PALMERO, M. L. R.; SAHELICES, C. C. Aprendizaje significativo y formación del profesorado. V1 (1). Aprendizagem Significativa em Revista: Porto Alegre, UFRGS, v. 1, p. 58-83, 2011. Disponível em: http://www.if.ufrgs.br/asr/artigos/Artigo_ID5/v1_n1_a2011.pdf. Acesso em: 20 dez. 2020.

OLIVEIRA, A. T. de C. C. de. Reflexões sobre a aprendizagem de álgebra. Educação Matemática em Revista: São Paulo, n. 12, ano 9, p. 35-39, 2018. Disponível em: http://sbem.iuri0094.hospedagemdesites.ws/revista/index.php/emr/article/view/1100. Acesso em: 17 jun. 2021.

SILVA, E. L.; MENEZES, Estera Muszkat. Metodologia da pesquisa e elaboração de dissertação.3 ed. Revista Atual: Florianópolis. Laboratório de Ensino a Distância da UFSC, 2001. Disponível em: http://cursos.unipampa.edu.br/cursos/ppgcb/files/2011/03/Metodologia-da-Pesquisa-3a-edicao.pdf. Acesso em: 24 jul. 2021.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. São Paulo: Cortez, 2007.

SHULMAN, L. S. Conhecimento e ensino: fundamentos para a nova reforma. Cadernos Cenpec: São Paulo, v. 4, n. 2, p. 196-229, dez. 2014. Disponível em: http://cadernos.cenpec.org.br/cadernos/index.php/cadernos/article/view/293. Acesso em: 02 abr. 2021.

SHULMAN, L. S.; SHULMAN, Judith H. Como e o que os professores aprendem: uma perspectiva em transformação. Cadernos Cenpec: São Paulo, v. 6, n. 1, p. 120-142, jan/jun., 2016. Disponível em: http://cadernos.cenpec.org.br/cadernos/index.php/cadernos/article/view/353. Acesso em: 24 jul. 2021.

TARDIF, M.; LESSARD, C. O ofício de professor: histórias, perspectivas e desafios internacionais. Tradução de Lucy Magalhães. Rio de Janeiro: Vozes, 2008.

TAVARES, R. Aprendizagem significativa, codificação dual e objetos de aprendizagem. Revista Brasileira de Informática na Educação: Florianópolis, v. 18, n. 02, p. 02, 2010. Disponível em: https://www.br-ie.org/pub/index.php/rbie/article/view/1205. Acesso em: 07 jun. 2021.

Downloads

Publicado

06-06-2022

Como Citar

Barato, M. N. ., Silva, M. da, & Machado, L. B. . (2022). APRENDIZAGEM SIGINIFICATIVA E A FORMAÇÃO DE PROFESSORES. REVISTA PARANAENSE DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 11(24), 376–394. Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/rpem/article/view/6718

Edição

Seção

Artigos Científicos