CRIAÇÃO DE UMA NOVA DISCIPLINA COMO INTERVENÇÃO: ALTERNATIVA METODOLÓGICA NA AULA DE MATEMÁTICA

Autores

Resumo

Este artigo, recorte de uma pesquisa de doutorado finalizada, tem como objetivo analisar as contribuições de uma intervenção realizada para facilitar a identificação de articulações entre disciplinas, em uma escola de tempo integral. Nele, discorremos sobre desafios enfrentados no desenvolvimento dessa investigação e sobre as alternativas metodológicas de que lançamos mão para enfrentá-los. O artigo utiliza referenciais da Teoria da Atividade e, mais especificamente, se aporta nas apropriações do grupo liderado pelo pesquisador Yrjö Engeström. Baseia-se em resultados de pesquisa realizada em uma turma de 7° ano do ensino fundamental, em Belo Horizonte, focalizando as disciplinas de Matemática e dos Grupos de Trabalho Diferenciado (GTD). Os procedimentos metodológicos empregados foram a observação em sala de aula, entrevistas (com estudantes, professores e monitora) e criação de uma nova disciplina como forma de intervenção. Os resultados indicam que a intervenção contribuiu para a caracterização de reverberações de um GTD nas aulas de multiplicação e divisão de frações, evidenciando assim a possibilidade de se criar articulações entre diferentes disciplinas, em escolas de tempo integral. Eles mostram também que os desdobramentos dessas reverberações nas ações de dois estudantes favoreceram o trabalho desenvolvido nas aulas de Matemática, colaborando para o início de processos expansivos de aprendizagem. Todavia sugerem que as reverberações, em situações específicas, podem se desdobrar em prejuízos para o andamento das aulas, levando os estudantes a perderem o foco da atividade nelas caracterizada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ALGEBAILE, E. Escola pública e pobreza no Brasil: A ampliação para menos. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

ALVES-MAZZOTTI, A. J. O Método nas Ciências Sociais. In: A. J. ALVES-MAZZOTTI; F. GEWANDSZNAJDER (Org.). O Método nas Ciências Naturais e Sociais: Pesquisa Quantitativa e Qualitativa. São Paulo: Pioneira Thomson Learning, 2001, p.108-203.

AQUINO, O. F. Leonid Vladmirovitch Zankov: contribuições para a pesquisa em didática desenvolvimental. In: LONGAREZI, A.M; PUENTES, R.V (Org.). Ensino Desenvolvimental: vida, pensamento e obra dos principais representantes russos. Uberlândia: EDUFU, 2015, p.245-273.

ARAÚJO, J.; CAMPOS, I.; CAMELO, F. Pesquisar o que poderia ser: uma interpretação dialética para a relação entre prática pedagógica e pesquisa segundo a educação Matemática crítica. In: D’AMBROSIO, B; LOPES, C. E. (Org.). Vertentes da Subversão na Produção Científica em Educação Matemática. Campinas: Mercado das Letras, 2015, p.43-62.

ARAÚJO, J. L.; KAWASAKI, T. F. Movimento e Rigidez de Certo Triângulo: um Enfoque Histórico-Cultural em Pesquisas em Educação Matemática. In: ENCONTRO NACIONAL DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 11., 2013, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: SBEM/Paraná, 2013. p.1-13. Disponível em: http://sbem.iuri0094.hospedagemdesites.ws/anais/XIENEM/pdf/2617_2159_ID.pdf. Acesso em: 15 jun. 2021.

BOGDAN, R.; BIKLEN, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto: Porto Editora, 1994.

BRASIL. [Diretrizes Curriculares (2013)]. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação Básica. Brasília: Ministério da Educação, 2013. 565p. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=15548-d-c-n-educacao-basica-nova-pdf&Itemid=30192 . Acesso em: 15 jun. 2021.

BRASIL. [Plano Nacional de Educação (2015)]. Plano Nacional de Educação 2014-2024. Brasília: INEP, 2015. 408p. Disponível em: http://pne.mec.gov.br/18-planos-subnacionais-de-educacao/543-plano-nacional-de-educacao-lei-n-13-005-2014. Acesso em: 22 jun. 2021.

BRASIL. [Emenda Constitucional (2016)]. Emenda Constitucional nº 95. Brasília, 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/Emendas/Emc/emc95.htm. Acesso em: 15 jun. 2021.

BUENO, F. S. Minidicionário da língua portuguesa. São Paulo: FTD, 1996.

CHAGAS, V. I. Eventos de letramento na Escola Integrada: uma perspectiva etnográfica. 2011. 165f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de São João del-Rei, São João Del-Rei, 2011.

DAVID, M. M.; TOMAZ, V. S. Researching Classrooms: historicity as a perspective to analyze a geometry class. In: PSYCHOLOGY OF MATHEMATICS EDUCATION, 33., 2009, Thessaloniki. Proceedings […]. Thessaloniki-Grecia: PME, 2009. p. 377-384.

DEODATO, A.A. Matemática do Projeto Escola Integrada: distanciamentos e aproximações entre as práticas das oficinas e as práticas da sala de aula.2012.185f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2012.

DEODATO, A.A. Articulação entre Disciplinas de uma Escola de Tempo Integral: reverberações de um Grupo de Trabalho Diferenciado (GTD) nas aulas de Matemática. 2017.208f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2017.

DOWNING-WILSON, D.; LECUSAY, R.; COLE, M. Design experimentation and mutual appropriation: Two strategies for university/community collaborative after-school interventions. Theory & Psychology, v. 21, n.5, p.656-680, 2011.

ENGESTRÖM, Y. Learning by expanding: an activity-theoretical approach to developmental research. Helsinki: Orienta-Konsultit, 1987.

ENGESTRÖM, Y. Non scolae sed vitae discimus: Toward overcoming the encapsulation of school learning. Learning and instruction, v. 1, n.3, p.243-259, 1991.

ENGESTRÖM, Y. Learning by expanding: Ten years after. Marburg: BdWi-Verlag, 1999.

ENGESTRÖM, Y.; SANNINO, A. Studies of expansive learning: Foundations, findings and future challenges. Educational Research Review, v. 5, n.1, p.1-24, 2010.

ENGESTRÖM, Y.; SANNINO, A. Discursive manifestations of contradictions in organizational change efforts: A methodological framework. Journal of Organizational Change Management, v. 24, n.3, p.368-387, 2011.

IMENES, L. M.; LELLIS, M. Matemática (7° ano). São Paulo: Editora Moderna, 2012.

LIBÂNEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, v. 38, n.1, p.13-28, 2012.

LIBÂNEO, J. C. Escola de tempo integral em questão: lugar de acolhimento social ou de ensino-aprendizagem? In: V. M. BARRA (Org.). Educação: ensino, espaço e tempo na escola de tempo integral. Goiânia: CEGRAF, 2014, p.4-39.

PEREYRA, M.A. La jornada escolar en Europa. Cuadernos de Pedagogia n° 206, Barcelona, 1992 apud Maurício, L.V. Jornada escolar ampliada: diferenças entre Europa e Brasil. In: MAURÍCIO, L.V. (Org.). Tempos e Espaços Escolares: experiências, políticas e debates no Brasil e no mundo. Rio de Janeiro: Ponteio. 2014, p.33-54.

TOMAZ, V.S; DAVID, M.M. How Students’ Everyday Situations Modify Classroom Mathematical Activity: The Case of Water Consumption. Journal for Research in Mathematics Education, v. 46, n.4, p.455-496, 2015.

TOMAZ, V. S. Práticas de transferência de aprendizagem situada em uma atividade interdisciplinar. 2007. 311f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2007.

Downloads

Publicado

06-06-2022

Como Citar

Deodato, A. A. ., David, M. M. M. S. ., & Coelho, L. M. C. da C. . (2022). CRIAÇÃO DE UMA NOVA DISCIPLINA COMO INTERVENÇÃO: ALTERNATIVA METODOLÓGICA NA AULA DE MATEMÁTICA. REVISTA PARANAENSE DE EDUCAÇÃO MATEMÁTICA, 11(24), 312–331. Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/rpem/article/view/6708

Edição

Seção

Artigos Científicos