O artivismo nas artes marciais

ativismo e performance entre garotas negras lutadoras no Brasil

Autores

  • Antonia Gabriela Pereira de Araujo

DOI:

https://doi.org/10.33871/19805071.2023.29.2.8173

Palavras-chave:

corporeidade, garotas negras, ativismo, artes (marciais)

Resumo

Este artigo discute como jovens negras nas favelas do Rio de Janeiro ativam a corporeidade como território de arte e ativismo a partir das artes marciais. Partindo de tensionamentos e fissuras nas noções de ativismo, feminilidade/masculinidade e das concepções de gênero baseadas em quadros normativos do Pensamento Ocidental, discuto partes importantes da minha tese onde as experiências vividas de garotas jovens com o boxe se tornam um lugar seguro para seguirmos os rastros de um projeto político do que é "Ser" e "Se tornar" uma mulher negra no Brasil. Minha tese analisa como Jovens garotas negras estão transformando seus territórios-corpos em terrenos políticos de expressão de uma subjetividade negra dissidente em relação a lugares socialmente normalizados, generificados, racializados e estigmatizados. O objetivo é vislumbrar a corporeidade negra como território político não somente na prática dos esportes, mas como manifestação dissidente que incita e frissura as estruturas normalizadoras e "representativas" que tentam simplificar e enfraquecer as "respostas criativas" (FERGUSON, 2000) ou as "fabulaçoes críticas" (HARTMAN, 2008) dos sujeitos negros ao colocar o corpo negro absolutamente como lugar de dor, trauma ou de prazer para os olhos do Ocidente.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

ABREU NOGUEIRA, Juslaine de Fátima; MELO, Helena de Martini. (Re) Conhecer-se aos olhos de outra: um olhar sobre retrato de uma jovem em chamas. Revista cientifica/FAP, 2022, Vol. 26(1), p.360-387.

ADELMAN, M. Jovens no esporte: corporalidades e subjetividades. Movimento, Porto Alegre, v. 12, n. 1, p. 11- 29, dez. 2007.

ALMEIDA, Verônica Fabrini Machado de. Outras Cassandras e as classes perigosas. Art Research Journal, 2019, Vol.6 (1).

AYCOCK, Colleen; SCOTT, Mark (eds.). The First Black Boxing Champions: Essays on Fighters of the 1800s to the 1920s. Jefferson, N.C.: McFarland Publishers, 2011.

BERTÉ, I. L. Mulheres no universo cultural do boxe: as questões de gênero que atravessam a inserção e a permanência de atletas no Pugilismo (2003-2016). 2016. 119 f. Dissertação (mestrado) - Escola de Educação Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre. 2016.

BUTLER, Judith. “Subversive Bodily Acts” Gender Body: Feminism and the Subversion of Identity. New York: Routledge, 101-180, 1999.

BUTLER, Judith. The psychic life of power: theories in subjection. Stanford: Stanford

University Press, 1997.

BUTLER, Judith. Gender trouble: feminism and the subversion of identity. NewYork; London: Routledge, 1999.

CALHEIRO, Ineildes. As mulheres árbitras de futebol: um estudo sobre tecnologias de gênero e perspectivas da divisão sexual do trabalho. Dissertação (mestrado em Crítica Cultural) — Programa de Pós-graduação em Crítica Cultural. Alagoinhas, Universidade do Estado da Bahia, UNEB, 213f, 2016.

CARNEIRO, Sueli. A conferência sobre racismo. Correio Braziliense, 7 jul. Coluna Opinão, 2000.

COLLINS, Patricia Hill. Black Feminist Thought: Knowledge, Consciousness, and the Politics of Empowerment. Routledge, 1999.

CUNHA, Olivia Maria Gomes da. Reflexões sobre biopoder e pos-colonialismo: relendo Fanon e Foucault. Mana, vol.8 no.1, Rio de Janeiro, Apr. 2002.

CUNHA, Marlene. Em busca de um espaço. Subtítulo: A linguagem gestual no Candomblé de Angola. Autora: Marlene Cunha. Editora: Hucitec, 2022.

CRUZ, Alline Torres Dias da. Sobre dons, pessoas, espíritos e suas moradas. Tese de doutorado. Museu Nacional. UFRJ, 2014.

DEFRANTZ, Thomas. “Performing the Breaks: Notes on African American Aesthetic Structures”, s/r, 2010.

DOUGLAS, Frederick. PICTURES AND PROGRESS early photography and the making of african american identity, Duke Press, 2012.

DU BOIS, W. E. B. The Souls of Black Folk. New York: Bantam Classic, 1903.

FEDERICI, Silvia. Calibã e as Bruxas. São Paulo: Elefante, 2017.

FERGUSON, Roderick. The nightmares of the heteronormative, Cultural values, 2000, Vol.4 (4), p.419-444p.

FERGUSON, Roderick. The Reorder of Things, The University and Its Pedagogies of Minority Difference, Minneapolis: University of Minnesota Press, 2012.

FERREIRA DA SILVA, Denise. A dívida impagável. São Paulo: ed. Oficina de Imaginação Política e Living Commons, 2019.

FISCHER, Stela. A crescente disseminação dos estudos feministas na pesquisa em Artes cênicas e suas contribuições para a criação de ações disruptivas institucionais. Urdimento, 2018, Vol.3 (33), p.296-310.

FOUCAULT, Michel. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis, Vozes, 1987. 288p.

FOUCAULT, Michel. The subject and power. In: DREYFUS, Hubert; RABINOW, Paul (Eds.). Michel Foucault: beyond structuralists and hermeneutics. Chicago: The University of Chicago, 1982, p. 209-226.

FOUCAULT, Michel. As palavras e as coisas: uma arqueologia das Ciências Humanas. São Paulo: Martins Fontes, 1966. História da sexualidade I: a vontade de saber. Rio de Janeiro: Graal, 1999.

FOX, Richard. The Lives and Battles of Famous Black Pugilists. 1897. ENCINOSA, Enrique. “Boxing: This is it”. 2004.

GRESPAN, Carla Lisboa. Jovens no octógono: performatividades de corpos e de sexualidades, Dissertação. 2014 Ver em: https://www.lume.ufrgs.br/handle/10183/107263.

GOMES, Barbara Pires. A gestão da integridade: corpo, sujeição e regulação das variações intersexuais no esporte de alto rendimento, Museu Nacional. Tese, 2020.

GONZALEZ, Lélia. "Racismo e sexismo na cultura brasileira". In: SILVA, L. A. et al. Movimentos sociais urbanos, minorias e outros estudos. Ciências Sociais Hoje, Brasília, ANPOCS n. 2, p. 223-244, 1983.

HARTMAN, Saidiya. Seduction and the Ruses of Power. Callaloo 19 (2): 537-60, 1996.

HARTMAN, Saidiya. Scenes of Subjection: Terror, Slavery, and Self-Making in Nineteenth Century America. New York: Oxford University Press, 1997.

HARTMAN, Saidiya. Venus in Two Acts. Small Axe, v.26, 2008, p.1–14.

INGEN, Cathy Van. “Perceber o que enquadra o nosso olhar: procurando histórias sobre lutadoras negras nos primórdios do boxe”, Recorde, Rio de Janeiro, v. 9, n. 2, p. 1-24, jul./ dez. 2016.

INGEN, Cathy Van. "Seeing What Frames Our Seeing": Seeking Histories on Early Black Female Boxers, 2013, Journal of Sport History 40(1):93-110.

MARTINS, Leda. Performances do tempo espiralar. Performance, exílio, fronteiras: errâncias territoriais e textuais. RAVETTI, Grabriela; ARBEX, Márcia (org). Belo Horizonte: Departamento de Letras Românicas, Faculdade de Letras/UFMG: Poslit, 2002.

MARTINS, Leda Maria. Afrografias da memória: o reinado do rosário do jatobá. São Paulo: Perspectiva, 1997.

MARTINS, Lúcia Helena; Comati, Ana Stegh. A live art e o espectador em "Das saborosas aventuras de Dom Quixote de la Mancha e seu fiel escudeiro Sancho Pança - um capítulo que poderia ter sido", Urdimento, 2019, Vol.1 (22), p.157-166.

MIRANDA, Mônica Regina. Uma análise das noções e das práticas interseccionadas no movimento de mulheres Negras Afro carioca. Instituto de Ciências Humanas e Filosofia Programa de Pós-Graduação em Antropologia, UFF, Dissertação, 2020.

NASCIMENTO, Beatriz. Arquivo Nacional. Fundo Maria Beatriz Nascimento. Caixas 7, 12, 17, 26, 05 e 08. 1985;1987.

OLIVEIRA, Cilene Lima. “É coisa de maluco!”: construção de corporalidade e a noção de pessoa em ultramaratonas, RBA, Brasília, 2018.

POPE, S.W. Decentering ‘Race’ and (Re)presenting ‘Black’ Performance in Sport History. In: PHILLIPS, Murray G. (ed.). Deconstructing Sport History: A Postmodern Analysis. Albany: State University of New York, 2006. p. 147-177.

PRECIADO, B. Manifiesto contra-sexual. Madrid: Editorial Opera Prima, 2002.

PROBYN, Elspeth. Sporting Bodies: Dynamics of Shame and Pride. Periódico Body e Society, Vol.06, 2000.

REEJHSINGHANI, Anju Nandlal. For blood or for glory: a history of Cuban boxing, 1898- 1962. Tese.The University of Texas at Austin, 2009.

RODRIGUES, Vera. Mulheres Negras Resistem: território, raça/cor e gênero. São Carlos: Pedro & João Editores, 77p, 2020.

SUGDEN, Jonh. Boxing and Society. Manchester University Press. 1996.

TAVARES, Julio Cesar. Danca de guerra-arquivo e arma: elementos para uma Teoria da Copoeiragem e da Comunicação Corporal Afro-brasileira. Belo Horizonte: Nandyala Livros e Servicos Ltda, 2012.

WACQUANT, Loïc. Corpo e Alma Notas Etnográficas de um Aprendiz de Boxe. Rio de Janeiro: Relume Dumará. 2002, 294p.

Downloads

Publicado

2023-12-13