Princípios de acessibilidade e inclusão das cidades educadoras e a formação de professores em Artes Visuais

Autores

  • Rosanny Morais Teixeira UNESPAR - FAP - Campus de Curitiba II
  • Ana Cavali

Palavras-chave:

Cidades Educadoras;, Acessibilidade cultural e artística;, Inclusão;, Formação Docente;, Artes Visuais;

Resumo

O presente artigo aborda as cidades educadoras, alguns antecedentes e norteadores, fundamentando seu surgimento e contextualizando Curitiba como cidade membro. Destaca os aspectos de acessibilidade e inclusão a partir da Carta das Cidades Educadoras, aproximando-os das proposições de Paulo Freire e Moacir Gadotti, e o princípio educador das cidades. Esse enfoque e as reflexões sugeridas  justificam a importância dessa abordagem na formação de professores de arte e seus possíveis campos de atuação. A inserção da capital paranaense no rol das cidades educadoras pode ser entendida como um espaço aberto para a acessibilidade cultural e artística de públicos que se encontram à margem dessa produção. O debate acerca dos conceitos basilares das cidades educadoras na formação de professores, e mais especificamente de artes visuais, torna-se emergente, uma vez que envolve a perspectiva inclusiva na formação docente. A construção do artigo conta também com algumas reflexões, geradas a partir de um questionário semi estruturado, dirigido aos acadêmicos da Licenciatura em Artes Visuais do Campus de Curitiba II — FAP, da Universidade Estadual do Paraná — UNESPAR, corroborando os fundamentos e conceitos anteriormente tratados.   

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rosanny Morais Teixeira, UNESPAR - FAP - Campus de Curitiba II

Professora assistente do Colegiado de Artes Visuais do Campus II de Curitiba – Faculdade de Artes do Paraná – FAP, da Universidade do Estado do Paraná – UNESPAR, leciona as disciplinas Fundamentos da Representação Gráfica (FRG), Desenho e Educação Inclusiva.

Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais do Centro de Artes da Universidade do Estado de Santa Catarina – PPGAV – CEART/UDESC. Mestre em Artes Visuais pelo PPGAV – CEART/UDESC, na Linha de Ensino das Artes Visuais.

Referências

AIETA, Vânia Siciliano; ZUIN, Aparecida Luzia Alzira. Princípios Norteadores da Cidade Educadora. Revista de Direito da Cidade, Rio de Janeiro, v. 4, n. 2, p. 193-232. Disponível em: <https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/rdc/article/view/9717/7616>. Acesso em: 25 de janeiro de 2022.

CARTA DAS CIDADES EDUCADORAS. Associação Internacional das Cidades Educadoras- AICE, 2004. Disponível em: <http://www.edcities.org/wp- content/uploads/2013/10/Carta-Portugues.pdf>; Acesso em: 30 de outubro de 2021.

CARTA DAS CIDADES EDUCADORAS. Declaração de Barcelona. I Congresso Internacional das Cidades Educadoras, Barcelona, 1990. Disponível em: <https://cidadeseducadoras.org.br/wp-content/uploads/2016/06/carta-cidades- educadoras-barcelona.pdf> Acesso em: 30 de outubro de 2021.

CUNHA, Luiz Antônio. Ensino Superior e Universidade no Brasil. i n: LOPES, Eliana Marta

Teixeira, FARIA FILHO, Luciano Mendes VEIGA, Cynthia Greive. (orgs.). 500 anos de

Curitiba é eleita coordenadora da rede brasileira de cidades educadoras, Prefeitura de Curitiba, Curitiba, 08 de julho de 2021. Disponível em: <https://www.curitiba.pr.gov.br/noticias/curitiba-e-eleita-coordenadora-da-rede- brasileira-de-cidades-educadoras/59680>. Acesso em 24 de janeiro de 2022.

FREIRE, Paulo. Educação e mudança. 46. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2021a.

FREIRE, Paulo.. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 67.

ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2021b.

FREIRE, Paulo.. Pedagogia do oprimido. 14. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2020.

FREIRE, Paulo. Política e educação. 7. ed. Rio de Janeiro/São Paulo: Paz e Terra, 2021c.

GADOTTI, Moacir. A escola na cidade que educa. Cadernos CENPEC. n. 01. 2006, p. 133- 139. Disponível em: <http://cadernos.cenpec.org.br/cadernos/index.php/cadernos/ article/view/160>. Acesso em: 12 de novembro de 2021.

GADOTTI, Moacir. A educação na cidade neste fim de século. In: Convite à Leitura de Paulo Freire. São Paulo, Scipione, 1989, p.89-98

GADOTTI, Moacir. A escola na cidade que educa. Cadernos CENPEC, n. 1, 2006. Disponível em: .Acesso em: 8 abril. 2020.

LDB - Lei no 9394/96, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996. BRASIL. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm>. Acesso em: 24 de março de 2022.

MANTOAN, Maria Teresa Égler. O direito de ser, sendo diferente, na escola. In: RODRIGUES, David. (org.). Inclusão e educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus, 2006. p. 183-209.

OLIVEIRA, Marilda Oliveira de; PAZ, Thais Raquel da Silva. Outros rumos na formação docente em artes visuais. Para onde caminhamos? Revista Educação (Porto Alegre, impresso), v. 37, n. 1, p. 118-126, jan./abr. 2014

PEREIRA, Elisabete Monteiro de Aguiar. Docência: uma Ação Pedagógica que Ultrapassa a Sala de Aula. In: CERVI, Gicele Maria; RAUSCH, Rita Buzzi (org.). Docência Universitária: concepções, experiências e dinâmicas de investigação. Xanxerê: Meta Editora, 2014. p. 29-38.

REIS, Rossana Rocha. Os Direitos Humanos e a Política Internacional. Revista de Sociologia e Política, Curitiba, n. 27, p. 33-42, Nov. 2006. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rsocp/a/wFyNNWZ3V8xXJNfVFj8bTSj/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 11 de abril de 2022.

Downloads

Publicado

2022-12-16