Timbres: a poética do som

A sarabanda de Handel em Barry Lyndon

Autores

Palavras-chave:

Cinema, Música, Trilha

Resumo

O filme Barry Lyndon de Stanley Kubrick (1975), tornou-se mais uma das obras de referências do cinema. A trilha é impecável, com obras que vão do barroco ao romantismo, além de músicas tradicionais dos países envolvidos na Guerra dos 7 Anos. De Handel a Vivaldi, de Schubert a Rossini e das tradicionais e oficiais músicas irlandesas, como Women of Ireland e prussiana como Lilliburlero, Pfifes and Drums - o que pode ser ouvido no filme de Kubrick é uma polifonia de timbres. A Sarabanda, provavelmente composta entre 1703 e 1706, de Georg Friedrich Handel é um caso particularmente muito atrativo, pois além de funcionar como uma espécie de leitmotiv de momentos do protagonista, utiliza timbres diferentes em todas as suas entradas. A sarabanda ainda tem um recurso técnico importante que, que sugere ao espectador momentos de tensão, apreensão e continuidade: a anacruse. Esse recurso é normalmente utilizado em música e, como trilha, torna-se um fator imprescindível para a tensão antes dos dois duelos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Mauricio Monteiro, Universidade Federal da Paraíba/Departamento de Música/Pós-doutoramento

Mauricio Monteiro é Mestre e doutor pela Universidade e São Paulo. Autor dos livros “A Construção do Gosto” (2008) e “Música e vida cotidiana em Minas Gerais” (2018), além de vários artigos sobre musicologia, música e audiovisual. Tem dois outrros livros no prelo: “Timbres, o corpo do som – Trajetória e Simbologia dos instrumentos Musicais” e “João de Souza Lima: um brasileiro em Paris”. Tem mais dois outros em preparação: “A música como linguagem no audiovisual” e “As engenhosas moralidades: o tonalismo e a colonização da América Latina”. Vencedor do Prêmio APCA de 2008, coparticipante com texto sobre a música no tempo de D. João VI, curador de música (espetáculos e CD) do livro “FESTA: Cultura e Sociabilidade na América Portuguesa”, vencedor do Prêmio Jabuti de 2002. Registrado com DRT como Diretor Musical e Discotecário Programador (nº 244831 SP), conforme processo DRT/SP nº 46219002842/0483). Professor há 30 anos, tendo ministrado aulas para o ensino médio, universitário e pós-graduação lato e strictu senso. Foi professor convidado da PUC/SP e da UNICAMP. Na Universidade Anhembi Morumbi lecionou por 16 anos para os cursos de graduação em Cinema, Rádio, Televisão e Internet, Publicidade e Propaganda e Música Eletrônica. Para cinema, lecionou Trilha Sonora; para RTVI, Linguagem Sonora e Métodos de Pesquisa em Comunicação (Foi coordenador por 10 anos dos processos de TCC e autor do Manual de Redação de Projetos e Elaboração de TCC); para publicidade e Propaganda, lecionou Produção Sonora em Rádio e, para o curso de Música Eletrônica, lecionou Teoria Musical, Teorias de Composição Musical e Trilha Sonora. Foi membro do Conselho Curador da Fundação Padre Anchieta (RTV Cultura). Foi diretor musical, coordenador, produtor, comentarista e programador da Rádio Cultura FM de São Paulo e apresentador na TV Cultura. Atuou também como colaborador da Folha de São Paulo. Foi também consultor de música para publicidade, avaliando trilhas sonoras em busca de plágio e fraude (África e Mission Music). Foi autor de trilha sonora para exposições de artes plásticas (CCBB, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília). Autor de várias séries radiofônicas a destacar temáticas diversas. Ministra cursos sobre música e cinema e sobre música no Brasil.

Referências

BAKHTIN, Mikhail. Estética da Criação Verbal. Tradução: Maria Ermantina Galvão. 3a ed.

São Paulo: Martins Fontes, 2000.

BOUCOURECHLIEV, Andre. A Linguagem Musical. Lisboa: Edições 70, 2003.

BUKOFZER, Manfred F. Music in the baroque era – from Monteverdi to Bach. New York: Norton & Company INC, 1954.

BUTLER, Jeremy G. Television Style. Nova York e Abingdon (UK): Routledge, 2010. CHION, Michel. A Audiovisão – Som e imagem no cinema. Lisboa: Texto & Grafia, 2008.

CIMENT, Michel. Kubrick – The Definitive Edition. New York: Calmann-Lèvy, 1980. CONTARINI, Silvia. Una retorica degli affetti: dall’epos al romanzo. Pisa: Pacini Editores,

DOLMETSCH, Arnold. The interpretation of the music of the 17th and 18th centuries. New York: Dover Publications, 2005.

ECO, Umberto. Apocalípticos e integrados. São Paulo: Perspectiva, 2001. ____________. Obra Aberta. 9a edição. São Paulo: Perspectiva, 2013.

HARNONCOURT, Nikolaus. O discurso dos sons. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 1998.

LOUREIRO, Maurício Alves e PAULA, Hugo Bastos de. Timbre de um instrumento musical: caracterização e representação. In: Per Musi, Belo Horizonte, n.14, 2006, p.57- 81.

McADAMS, Stephen e GIORDANO, Bruno L. The perception of musical timbre. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/224012550_The_perception_of_musical_ti mbre. [acessado em 13 de abril de 2021].

PALFREY, Rossman e AKBAROV, Azamat A. The Early Sarabande and Chaconne: Media lingua, stereotypes, and etmological speculation realating to African dance and literature in Colonial and Imperial Spain. In: Belgrade Bells, Bosnia-Herzegovina, doi: 10.18485/bells, 2015.7.9. pp. 177-189.

PINHEIRO, Luís Roberto. Coletânea de Música Eletroacústica Brasileira. Brasília: Sociedade Brasileira de Música Eletroacústica, 2009.

PULVER, Jeffrey. The ancient dance-forms. In: Procedings of the Musical Association, v. 39, 1912, pp. 1-25

RIDLEY, Aaron. A filosofia da música – tema e variações. Tradução: Luís Carlos Borges. São Paulo: Edições Loyola, 2008.

RODRIGUEZ, Ángel. A dimensão Sonora da linguagem audiovisual. São Paulo: Editora do Senac, 2006.

ROSEN, Charles. The classical Style - Haydn, Mozart et Beethoven. New York: Norton & Company Ltd, 1998.

______________. A Geração romântica. São Paulo: EdUSP, 2000.

STEVENSON, Robert. Music in Aztec & Inca Territory. California: University of California

Press, 1968.

TESAURO, Emmanuele. IL Cannocchiale Aristotelico, o Sia Idea dell'Arguta Et Ingeniosa Elocutione Che Serue À Tutta l'Arte Oratoria, Lapidaria, Et Simbolica: Esaminata Co' Principij del Divino Aristotele dal Conte Et Cavalier Gran Croce D. Emanuele Tesauro Patritio Torinese. Londres: Forgoten Books, 2018.

WITTGENSTEIN, Ludwig. Investigações filosóficas. Tradução e notas: João José R. L. de Almeida. Campinas: EdUnicamp, 2015.

Downloads

Publicado

2022-12-16