MEMORIAL DE PIÉRRE RIVIÈRÈ

CINEMA, FILOSOFIA E HISTÓRIA, UMA RELAÇÃO ESTÉTICA–ÉTICA

Autores

  • Rene Scarlet dos Santos Neto
  • Stela Maris da Silva
  • Zeloi Aparecida Martins

Palavras-chave:

Estética–Ética, Cinema e História, Cinema e Memória, Cinema, Verdade Cínica

Resumo

O texto é a sistematização de comunicações apresentadas no painel “Memorial de Pierre Rivière: Cinema, Filosofia e História, uma relação Estética–Ética”, no 13º Congresso Internacional de Estética – Os fins da Arte.  Parte das pesquisas do Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Artes (GIPA – Unespar) e dos estudos realizados com o médico mestrando René dos S. Neto. A proposta situa-se no campo de reflexão Estética e Ética, com base nas relações entre Cinema, História e Filosofia. O objeto da pesquisa foi o Memorial de Pierre Rivière, narrado pelo personagem no filme Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão, dirigido por René Allio (1976). Os temas Memória, Verdade, Loucura, Cinismo e a Obra Fílmica foram abordados pensando cinema, enquanto arte, como reinvenção da memória, mas também como possibilidade de reflexão filosófica, com Foucault, e histórica, com as concepções de Cinema História, de Ferro, e de História como Visão, de Robert Rosenstone. Quando o espectador entra em contato com as imagens do filme, há um desvendar de imagens arquivadas na memória, e, por vezes, tais imagens e memórias provocam reflexões éticas. Na obra fílmica do diretor Allio há elementos que desnudam o cinismo do filme como escândalo de verdade parresiástica, as relações saber–poder e a loucura. Na perspectiva da História, a memória é uma espécie de trabalho de objetivação, mediado pela interseção de histórias pessoais, coletivas e sociais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rene Scarlet dos Santos Neto

Professor do Curso de Medicina na Faculdade Pequeno Príncipe- Curitiba, Pr. Mentorado do Internacional Society of Nephrology (ISN). Médico Nefrologista.

Stela Maris da Silva

Profa. Dra. adjunta do Colegiado do Curso de Bacharelado e Licenciatura em Dança e do Programa de Mestrado Profissional em Filosofia (PROF-FILO) da Universidade Federal do Paraná (UFPR) – Núcleo Unespar – Universidade Estadual do Paraná (Unespar) – Campus Curitiba II – Faculdade de Artes do Paraná (FAP). Membro do Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Artes (GIPA – Unespar).

Zeloi Aparecida Martins

Profa. Dra. associada do Colegiado do Curso de Licenciatura em Artes Visuais e do Programa de Mestrado em Artes da Universidade Estadual do Paraná (Unespar) – Campus Curitiba II –  Faculdade de Artes do Paraná (FAP). Membro do Grupo Interdisciplinar de Pesquisa em Artes (GIPA – Unespar). Currículo Lattes: http://lattes.cnpq.br/4062798556830780  ORCiD: 0000-0002-5998-541X.

Referências

ALBUQUERQUE Jr., D. M. de. História: a arte de inventar o passado. Ensaios de teoria da historia. Bauru: EDUSC, 2007.

ARTIÈRES, P. et al. Michel Foucault. Tradução de Abner Chiquieri. Revisão técnica de Manoel Barros da Motta. Rio de Janeiro: Forense, 2014.

SILVA, A. D. Tessituras do tempo e a arte da memória. Revista Travessias, Cascavel, v. 7, n. 2, 2013.

ROSENSTONE, R. A. A história nos filmes: os filmes na história. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

GINZBURG, Carlo. O queijo e os vermes: o cotidiano de um moleiro perseguido pela Inquisição. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Vértice, 1990.

FOUCAULT, M. Moi, Pierre Rivière, ayant égorgé ma mère, ma souer et mon frère… Un cas de parricide au XIX siècle. Prèsenté par Michel Foucault. Paris: Éditions Gallimard Julliard, 1973.

FOUCAULT, M. Eu, Pierre Rivière, que degolei minha mãe, minha irmã e meu irmão. 5. ed. Tradução de Denize Lezan de Almeida. Rio de Janeiro: Graal, 1977.

FERRO, M. Cinema e História. Tradução de Flávia Nascimento. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FEBVRE, L. Combates pela História. Lisboa: Presença, 1989.

DAVIS, N. Z. O retorno de Martin Guerre. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

DELEUZE, G. Conversações. Tradução de Peter Pal Pelbart. São Paulo: Editora 34, 1992.

OBRAS CONSULTADAS

AUTRAN, A; VIANY A. Crítico e historiador. São Paulo: Perspectiva, 2003.

BAHIANA, A. M. Como ver um filme. Rio de Janeiro: Nova fronteira, 2012.

BRANCO, R. Medicina e saúde em o nascimento da clínica de Michel Foucault. Sapere Aude, v. 12, n. 23, p. 102-113, 2021.

BURKE, P. (org.) A escrita da História: novas perspectivas. São Paulo: UNESP, 1992.

BURKE, P. História e teoria social. São Paulo: UNESP, 2002.

BURKE, P. Testemunha ocular: história e imagem. São Paulo: EDUSC. 2004.

CHAVES, E. Michel Foucault e a verdade cínica. Campinas: PHI, 2013.

FERRO, M. Societé du XXe siècle et histoire cinematographique. Annales: Economies, Sociétés, Civilisations, Paris, n. 23, n. 3, p. 581-585, 1968.

FOUCAULT, M. História da Loucura. Tradução de José Teixeira Coelho Neto. São Paulo: Perspectiva, 2000.

FOUCAULT, M. História da sexualidade 3: o cuidado de si. Trad. Maria Thereza da Costa Albuquerque. 5. Reim. Tradução de Maria Thereza da Costa Albuquerque. Revisão técnica de J. A. Guilhon Albuquerque. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

FOUCAULT, M. Loucura, literatura, sociedade. In: MOTTA, M. B. da (org.). Problematização do sujeito: psicologia, psiquiatria e psicanálise. Tradução de Vera Lucia A. Ribeiro. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1999. p. 210-234.

FOUCAULT, M. L' arte di vivere senza verità perché oggi ha vinto il cinismo. Jornal La Repubblica, v. 7, n. 1, 1 jul. 2009. Disponível em: http://ricerca.repubblica.it/repubblica/archivio/repubblica/2009/07/01/arte-di-vivere-senza-verita-perche.html. Acesso em: 8 dez. 2021.

FOUCAULT, M. A política da saúde no século XVIII. In: FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Trad. José Thomaz Brum Duarte. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 26. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2008.

FOUCAULT, M. O nascimento da clínica. Tradução de Roberto Machado. 6. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008.

FOUCAULT, M. O olho do poder. In: FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Tradução de Angela Loureiro de Souza. Organização, introdução e revisão técnica de Roberto Machado. 26. ed. Rio de Janeiro: Graal, 2008.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas, sinais: morfologia e história. São Paulo: Companhias das Letras, 1989.

LE GOFF, J. História e memória. 3. ed. São Paulo: UNICAMP, 1994.

LE GOFF. J.; NORA, P. História: novas abordagens. Rio de Janeiro: F. Alves, 1979.

KARNAL, L.; TATSCH. F. G. A memória evanescente. In: PINSKY, C. B.; LUCA, T. de R. O historiador e suas fontes. São Paulo: Contexto, 2010.

NORA, P. Entre memória e história: a problemática dos lugares. Projeto história. São Paulo: 1993.

POLLAK, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v. 2, n. 3, p. 3-15, 1989.

ROSSINI, M. S. O cinema e a história: ênfases e linguagens. In: PESAVENTO, S. J.; SANTOS, N. M. W.; ROSSINI, M. S. (org.). Narrativas, imagens e práticas sociais: percursos em história cultural. Porto Alegre: Asterisco, 2008. p. 123-124.

SCACHETTI, R. E. A pintura de Manet. Revista Visualidades: Revista do Programa de Mestrado em Cultura Visual, v. 9, n. 1, p. 259-285, jan.-jun. 2011. Disponível em: http://www.revistas.ufg.br/index.php/VISUAL/article/view/18381. Acesso em: 8 out. 2014.

WELLAUSEN, S. Michel Foucault: Parréhsia e cinismo. Tempo Social, São Paulo, v. 8, n. 1, p. 113-125, 1996.

REFERÊNCIA FÍLMICA

EU, PIERRE RIVIÈRE, QUE DEGOLEI MINHA MÃE, MINHA IRMÃ E MEU IRMÃO (Moi, Pierre Rivière, ayant Égorgé ma Mère, ma Soeur et mon Frère – França 1976). Direção: René Allio. Elenco: Claude Hébert, Jacqueline Millière, Joseph Leportier, Annick Géhan e Nicole Géhan. Duração: 105 minutos. Distribuição: Versátil.

Downloads

Publicado

2022-07-20