Teatro e acessibilidade:

Mediações e práticas teatrais a partir da experiência com atores e espectadores cegos.

Autores

  • Juliana Partyka UNESPAR

Palavras-chave:

Teatro, Acessibilidade, cegos, inclusão

Resumo

O presente artigo propõe-se a investigar propostas metodológicas para a inclusão de pessoas com deficiência visual – cegos ou baixa visão – e videntes na prática teatral, como artistas e espectadores. O estudo analisa metodologias de criação e montagem de espetáculos teatrais com estudantes do Instituto Paranaense de Cegos – IPC como parte dos resultados dos Projetos “Ilusão Ótica: Que falta nos faz a palavra” (2015) e “Teatralizando a Educação” (2016), inicialmente elaborado e desenvolvido como projeto de extensão em parceria entre a Universidade Estadual do Paraná – Campus de Curitiba II – Faculdade de Artes do Paraná – FAP e o Instituto Paranaense de Cegos. A partir de recursos narrativos e sensoriais utilizados em cena, artistas e espectadores com e sem deficiência visual têm o mesmo acesso aos estímulos perceptivos e aos elementos constitutivos de uma encenação, portanto este trabalho propõe-se a analisar práticas e recursos teatrais desenvolvidos a partir do encontro entre pessoas com deficiência visual e videntes no intuito de gerar reflexões e métodos para contribuir na inclusão da pessoa com deficiência visual no âmbito artístico teatral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BOAL, Augusto. Teatro do Oprimido e outras poéticas políticas. Rio de Janeiro:

Civilização Brasileira, 1977.

______. Jogos para atores e não atores. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2012. BRECHT, Bertold. Teatro dialético. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.

COSTA, Adailson. Teatro das emoções e emoções no teatro: Diálogos entre neurociência e Stanislavski. 2014. 148f. Dissertação (Mestrado em Artes Cênicas). Universidade Federal de Goiás. Goiás.

COURTNEY, Richard. Jogo, teatro & pensamento. São Paulo: Editora Perspectiva. 2003. DUARTE, Vânia Maria Do Nascimento. O texto teatral. Disponível em: <http://brasilescola.uol.com.br/redacao/o-texto-teatral.htm>. Acesso em 13 ago. de 2016.

FARIA, João Roberto. (dir.). História do teatro brasileiro: das origens ao teatro profissional da primeira metade do século XX. São Paulo: Perspectiva, 2012.

GREINER, Christine. O Corpo: Pistas para estudos indisciplinares. 3. ed. São Paulo: Annablume. 2005.

KOUDELA, Ingrid Dormien. Jogos Teatrais. 4. ed. São Paulo: Papirus, 2002.

______. Brecht: um jogo de aprendizagem. São Paulo: Perspectiva, 1991.

PARTYKA, Juliana Terezinha. Ilusão Ótica: Que falta nos faz a palavra! In: 34o SEMINÁRIO UNIVERSITÁRIO DA REGIÃO SUL, 2016, Balneário Camboriú, SC. Anais apresentações orais. Balneário Camboriú: Instituto Federal Catarinense, 2016a.

PARTYKA, Juliana Terezinha. Dramaturgia Teatral: “Tudo que vi de olhos fechados”. In: OLIVEIRA, Ana Luiza Valente; ROSA, Enio R.; LUCIANI, Nadia M. Espetáculo Teatral Tudo que vi de olhos fechados. Curitiba: ARDesign, 2016b.

RABÊLLO, Roberto Sanches. Teatro-educação: Uma experiência com jovens cegos. Salvador: EDUFBA, 2011.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado. Trad. de Ivone C. Benedetti. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2008.

REVERBEL, Olga Garcia. Um caminho do teatro na escola. São Paulo: Editora Scipione, 1997.

SAWREY, James M.; TELFORD, Charles W. O Indivíduo Excepcional. Tradução Álvaro Cabral. Ed. 3. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1978.

SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro. Tradução de Ingrid Dormien Koudela e Eduardo José de Almeida Amos. São Paulo: Perspectiva, 2005.

_____. Jogos teatrais: o fichário de Viola Spolin. Trad. Ingrid Dormien Koudela. São Paulo: Perspectiva, 2001.

VYGOTSKI, Lev Semionovitch. Obras Completas – Tomo V. Fundamentos de Defectologia, Ciudade de La Habana: Editorial Pueblo Educación, 1989.

Downloads

Publicado

2022-12-16