PRESLEY, UM HÍBRIDO MODÉLICO À AUDIOVISUALIDADE ATORAL

UMA APARIÇÃO CORPORIFICANDO MASCULINIDADES

Autores

  • Ricardo Di Carlo Ferreira Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) - Campus de Curitiba II (FAP)

Palavras-chave:

Elvis Presley, Hybrid model, Actor’s audiovisuality, Embodying masculinities, Star-actor-author-singer-dancer

Resumo

Avento a hipótese de que a aparição de Elvis Presley nas mí­dias contextuais do seu perí­odo tempório atuacional instou um hibridismo modélico (astro-ator-autor-cantor-dancer) na audiovisualidade atoral, que passou a obrar sob outra perspectiva de atuação na grande seara do audiovisual, corporificando masculinidades. Nada obstante, busco traçar os aspectos concernentes à profissão de ator-cantor estelar empreendidos pelo artista, para justapor-se como modelo operativo à atorialidade audiovisual. Para tanto, tomo por objeto de análise o modus operandi de aparição de Elvis Presley, em duas vias: 1. extra-aparição audiovisual, sabendo de antemão que o artista se tratou de um ente hí­brido (servindo as indústrias fonográfica e cinematográfica), eu perscruto suas cinesias de aparição via análise crí­tica de reviosionamento bibliográfico, detido, sobretudo na pragmática do star system alvitrada por teóricos como Edgar Morin e Jean-Claude Bernardet; e, 2. aparição audiovisual - emprego a metodologia de cruzamento de imagens de Etienne Samain, comparando imagens da estatuária grega da Antiguidade, em diálogo com as corporificações de Elvis Presley em suas figurações audiovisuais, em que pontuo que este fator conferiu-lhe autoria fí­lmica performando a corporificação dos filmes que atuava – praxeologia aventada por Patrick McGilligan. Abaliza-se que os intérpretes estritos passam a engendrar corporalidades masculinas múltiplas, desde as primeiras aparições de Presley. Outrossim, ele inaugura essa nova categoria atoral, de rock star-artista de cinema (cantores-estrelas representando cantores estrelas/similares, artistas de rock/bad boys), quase sempre buscando replicar o caráter modélico de disrupção do arquétipo masculino contumaz, caminhando pelas vias da liberdade de ser/estar que a cultura do rock'n'roll alastrava.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Di Carlo Ferreira, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) - Campus de Curitiba II (FAP)

Mestre em Cinema e Artes do Ví­deo, pelo Programa de Pós-Graduação em Cinema e Artes do Ví­deo (PPG-CINEAV) da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) - Campus de Curitiba II/Faculdade de Artes do Paraná (FAP): Linha de pesquisa (1): Teorias e Discursos no Cinema e nas Artes do Ví­deo. Especialista em Metodologia do Ensino de Artes, pela UNINTER. Graduado em Teatro, também, pela UNESPAR. E-mail: ricodicarlo@gmail.com

Referências

ARCHAEOLOGICAL MUSEUM OF OLYMPIA. Praxiteles Hermes. Olimpia, s.a.

Disponível em: http://odysseus.culture.gr/h/1/eh151.jsp?obj_id=7126. Acesso em 12 jun. 2021.

ASLAN, Odette. O ator no século XX: evolução da técnica/problemática da técnica. São Paulo: Perspectiva, 1994.

AUGÉ, Marc. Não lugares: Introdução a uma antropologia da supermordenidade. Campinas: Papirus, 1994.

AUMONT, Jacques; BERGALA, Alain; MARIE, Michel; VERNET, Marc. A estética do filme. Campinas: Papirus, 2009.

BARBOSA, Camila Cornutti; MARQUETTO, Liselote Rahmeier. Audiovisualidades nas mídias: o cinema e os mundos artísticos. In: VIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação da Região Sul, 2007, Passo Fundo. VIII Congresso Brasileiro de Ciências da Comunicação da Região Sul, 2007.

BARTHES, Roland. Mitologias. São Paulo: Difel, 1982.

BHABHA, Homi K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 1998.

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na era de sua reprodutibilidade técnica. São Paulo: Brasiliense, 1994.

BERNARDET, Jean-Claude. O que é cinema. São Paulo: Editora: brasiliense, 1980.

CARREGA, Jorge Manuel Neves. Elvis Presley e o cinema musical de

Hollywood. 106 f. Dissertação (Mestrado em Literatura – Literatura Comparada) – Projeto Temático de Literatura e Cinema, Universidade do Algarve, Algarve, 2008.

CARVALHO, Ana Paula Comin; SALAINI, Cristian Jobi; ALLEBRANDT, Débora; MEINERZ, Nádia Elisa; WEISHEIMER, Nilson. Desigualdades de gênero, raça e etnia. Curitiba: Intersaberes, 2012.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

DOSS, Erika. Elvis Culture, Fans, Faith and Image, Lawrence: University Press of Kansas, 1999.

FERREIRA, Ricardo Di Carlo. Greta Garbo, a corporificação fílmica de A Dama das

Camélias. Revista Desenredos, Teresina, v. 35, p. 133-147, 2021.

FERREIRA, Ricardo Di Carlo; TOIGO, Marcelo Augusto. Videoclipe: campo híbrido de linguagem, interstício atoral. In: LEPRI, Adil Giovanni; SCAVONE, Joice. Pontes para o audiovisual: teorias e métodos. Rio de Janeiro: NAU Editora, 2020.

JANUÁRIO, Soraya Barreto. Masculinidades em reconstrução: gênero, corpo e sexualidade. Covilhã: LabCom.IFP, 2016.

JAILHOUSE Rock. Direção: Richard Thorpe. Estados Unidos da América: Metro-Goldwyn-Meyer, 1957.

LABAN, Rudolf. Domínio do Movimento. São Paulo: Summus Editorial, 1978.

MALRAUX, André. Esquisse d’une psychologie du cinéma. Écrit 1ère version [1939]: Verve, Paris: vol. II, no 8, 1er juin 1940, pp. 69-73.

MATHIEU, Marie-Christine, Gestes et postures du flûtiste. Traversière Magazine. Saint-Claire sur Epte, v. 80. p.41-48, set. 2004.

McGILLIGAN, Patrick. Cagney: the actor as auteur. Cranbury, New York: A. S. Barnes and Co., 1975.

MORIN, Edgar. Cultura de Massas no século XX. Rio de Janeiro: Forense

Universitária, 2009.

MUGNAINI-JÚNIOR, Ayrton. Breve história do rock. São Paulo: Editora Claridade, 2007.

MUSÉE DU LOUVRE. Venus de Milo and the Galerie des Antiques. Paris, s.a. Disponível em: <https://www.louvre.fr/en/explore/the-palace/ideal-greek-beauty>. Acesso em 12 jun. 2021.

PASSAES, Manoel Fernando. Aparição de Vergílio Ferreira para além do existencialismo, o humanismo integral. 234 f. Tese (Doutorado em Letras) – Programa de Pós-Graduação em Literatura Portuguesa, Universidade de São Paulo , São Paulo, 2007.

RIBEIRO, Claudio de Oliveira. A contribuição das noções de entre-lugar e de

fronteira. Rever, São Paulo, n. 2, p. 160-176, 2015.

RIGONI, Ana Carolina Capellini. Corpo, emoção e práticas corporais: relações entre Educação Física e antropologia das Emoções. VIII Congresso Sulbrasileiro de Ciências do Esporte. Criciúma: 2016. 16 p.

ROMÁN, Ángel. El infierno que baila conmigo. Barcelona: Editorial Euroláser, 2005.

ROUBINE, Jean-Jacques. Introdução às grandes teorias do teatro. Rio de Janeiro: Zahar, 2003.

SAMAIN, Etienne. As imagens não são bolas de sinuca. Como pensam

as imagens. Etienne Samain (Org.). Campinas, Editora da Unicamp, 2012. p. 21-36.

STANISLAVSKI, Constantin. Manual do ator. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1997.

TURNER, Victor. O processo ritual: estrutura e antiestrutura. Petrópolis: Vozes, 1974.

VASCONCELOS, José Antônio. Metodologia do Ensino de História. Curitiba: Intersaberes, 2012.

VARIETY. Loving You (1956). Publiched: Dec. 31, 1956, 11:00 pm PT. Disponível em: https://variety.com/1956/film/reviews/loving-you-1200418303/. Acesso em: 08/06/2021.

VERAS, Flavia Ribeiro. Os artistas como trabalhadores: a sua história através dos arquivos da polícia. In: Anpuh, 2011, São Paulo. Anais do XXVI Simpósio Nacional Anpuh – Associação Nacional de História. São Paulo: Anpuh-SP, 2011. 12 p.

Downloads

Publicado

2022-07-20