A selfie como ferramenta de ensino do autorretrato artí­stico Resumo Resumo: Este artigo pretendepropor a selfie, fotografia que o indiví­duo tira de si mesmo por meio do smartphone, ou outros dispositivos eletrônicos, e postada nas mí­dias sociais, co

Autores

  • Luiza Possamai Kons Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)

DOI:

https://doi.org/10.33871/19805071.2020.23.2.3719

Resumo

Resumo: Este artigo pretendepropor a selfie, fotografia que o indiví­duo tira de si mesmo por meio do smartphone, ou outros dispositivos eletrônicos, e postada nas mí­dias sociais, como uma possí­vel ferramenta de ensino e aprendizagem do autorretrato artí­stico na disciplina de educação artí­stica. Para isso, apresentamos o contexto e impacto desse tipo de imagem no cenário atual, a importância de trazer uma reflexão imagética acerca da fotografia enquanto ficção, bem como, mecanismo de prevenção de possí­veis transtornos mentais que os estudantes possam sofrer em decorrência da comparação com imagens adulteradas tanto durante o processo de produção quanto na edição posterior. Também é apresentada a conceituação da fotografia nesta construção ficcional e que portanto nunca corresponderá a um produto objetivo, um breve histórico do autorretrato artí­stico como gênero com exemplos de artistas que fizeram uso deste como temática de seu processo artí­stico, e a mescla entre autorretrato artí­stico e selfie como mecanismo de se pensar uma nova visualidade.


Palavras-chave: Autorretrato; Selfie. Artes; Ensino.





Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiza Possamai Kons, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR)

Luiza Possamai Kons é formada em jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), e atualmente mestranda no Mestrado Profissional em Artes da Faculdade de Artes do Paraná (FAP).

A selfie como ferramenta de ensino do autorretrato artí­stico


http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K2740971P1

Referências

Referências bibliográficas:

Reportagens:

Por Redação Portal T5.. 38% das crianças já têm celular, tablet, computador, videogame ou TV, jul 2018.Disponí­vel em: Acesso em: 27 jul. 2019.

Panorama mobile time. Crianças e smartphones no Brasil - Out 2018. Disponí­vel em: Acesso em: 23 jul. 2019.

ROSA, Livia. Maí­ra Medeiros: "Não é Errado Não ser Perfeita". Jun 2019. Disponí­vel em: https://mybeauty.ig.com.br/influencers/2019-05-14/maira-medeiros-passei-anos-me-odiando.html > Acesso em: 30 de jul. 2019.

Bem Estar. 'Pescoço tecnológico': uso excessivo de celular pode causar dor na coluna- jun 2019. Disponí­vel em: > https://g1.globo.com/bemestar/noticia/2019/06/25/pescoco-tecnologico-uso-excessivo-de-celular-pode-causar-dor-na-coluna.ghtml.> Acesso em: 29 jul. 2019.

COELHO, Taysa. Tirar selfie já provocou morte de 259 pessoas; oito casos foram no Brasil- Out 2018. Disponí­vel em: > https://www.techtudo.com.br/noticias/2018/10/tirar-selfie-ja-provocou-morte-de-259-pessoas-oito-casos-foram-no-brasil.ghtml > Acesso em: 29 jul. 2019.

BARROS, Larissa. Nada de likes! Instagram testa função que esconde número de curtidas nos posts. Jul 2019. Disponí­vel em: >

https://www.purebreak.com.br/noticias/instagram-sem-curtidas-entenda-por-que-os-likes-sumiram/88345 > Acesso em: 30 de jul. 2019.

GSMA. Unique mobile subscribers. Disponí­vel em: Acesso em: 30 de jul. 2019.

MONTEIRO, Gabriela. O que é a sí­ndrome de selfie?. Fev 2018. Disponí­vel em: > https://super.abril.com.br/mundo-estranho/o-que-e-a-sindrome-de-selfie/> Acesso em: 30 de jul 2019.

Autores:

ALMADA, Leonardo; MESQUITA, Luiz. Corpo, cérebro e ambiente: o organismo como alicerce da mente consciente. Kí­nesis, Vol. IX, n° 21, p.105-125, Dezembro 2017.

BARBOSA, Ana Mae. A imagem no ensino de arte : anos oitenta e outros tempos. São Paulo: Perspectiva, 1994

BUENO, N. L. O desafio da formação do educador para o ensino fundamental no contexto da educação tecnológica. Dissertação de Mestrado, PPGTE – CEFET/PR, Curitiba, 1999.

CANTON, Kátia. Espelho de artista. 2 ed. São Paulo: Cosac & Naify, 2001.

________, Kátia.

DE CARLI, Anelise; LOHMANN, Renata.Da selfie ao mito: contribuições do imaginário para a fotografia contemporânea. Mediação, Belo Horizonte, v. 18, n. 22, jan./jun. de 2016.

DUBOIS, Philippe. O ato fotográfico e outros ensaios. Tradução Marina Appenzeller. - Campinas, SP : Papirus, - (Coleção Ofí­cio de arte e forma) 1993.

FREIRE, Paulo. Pedagogia da Autonomia: saberes necessários í prática educativa. São Paulo, Paz e Terra, 2011.

FORIN JÚNIOR, Renato; BONI, Paulo César. Aspectos valorativos no fotodocumentarismo de Sebastião Salgado. Conexão – Comunicação e Cultura, UCS, Caxias do Sul, v. 6, n. 12, jul./dez. 2007.

GREINER, Christine. .Em busca de uma metodologia para analisar a alteridade na arte © Conceição | Concept., Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 10–21, jul./dez. 2017

JENKINS, Henry. Cultura da convergência. 2. ed. São Paulo: Aleph, 2009.

JUNG, Carl Gustav. O eu e o inconsciente. Petrópolis, RJ: Vozes, 2015.

MIREK, Nilcéia. "Arte e Tecnologia: linguagens e contribuições para a construção de novo olhar contemporâneo" ISBN 978-85-8015-080-3 Cadernos PDE, 2014. Disponí­vel em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/cadernospde/pdebusca/producoes_pde/2014/2014_unespar-curitibai_arte_artigo_nilceia_maria_cassias_pereira_mirek.pdf Acesso em< 30 ju.l 2019.

LEDO ANDIÓN, Margarita. Documentalismo Fotográfico Contemporáneo. Da inocencia á Lucidez. Vigo: Edicións Xerais de Galicia, S.A., 1995.

LÉVY, Pierre. Cibercultura. 3 ed. Tradução de Carlos Irineu da Costa São Paulo: Editora 34, 2010.

LOMBARDI, Kátia. Documentário Imaginário: reflexões sobre a fotografia documental contemporânea. Dissertação, UFMG 2007.

MERLEAU-PONTY, M. (1992). O visí­vel e o invisí­vel (A. Gianotti, & A. Mora, Trad.). São Paulo: Perspectiva. (Texto original publicado em 1964)

PESSOA, Helena. Auto- Retrato- o espelho, as coisas. Dissertação, USP 2006.

RANCIÈRE, Jacques. Paradoxos da arte polí­tica. In: O espectador emancipado. São Paulo: Martins Fontes, 2012 [2008], pp. 51-81.

SILVA DE MORAIS, A fotografia em sala de aulta selfie hipermidia e criação, 2015, Disponí­vel em < https://docplayer.com.br/31589888-A-fotografia-em-sala-de-aula-selfie-hipermidia-e-criacao.html)< 26 jul 2019

SONTAG, Susan. Sobre a fotografia. São Paulo : Cia. . das letras, 2004.

VIEIRA, Jorge Albuquerque. Teoria do Conhecimento – Formas de Conhecimento: Arte e Ciência Uma Visão A Partir da Complexidade. Páginas 77 í 85.

KASTRUP, Virgí­nia. APRENDIZAGEM, ARTE E INVENÇíO.Psicologia em Estudo, Maringá, v. 6, n. 1, p. 17-27, jan./jun. 2001

KENSKI, V. M. Educação e Tecnologias: o novo ritmo da informação. 4 ed. Campinas: Papirus, 2007.

KOSSOY, Boris. O Paradigma da Fotografia. 2014. Disponí­vel em:

:>http://boriskossoy.com/wp-content/uploads/2014/11/paradigma_pt.pdf. < 26 jul. 2019.

KOSSOY, Boris. Realidades e ficções na trama fotográfica. São Paulo: Ateliê

Editorial, 1999.

Downloads

Publicado

2020-11-25

Como Citar

POSSAMAI KONS, L. A selfie como ferramenta de ensino do autorretrato artí­stico Resumo Resumo: Este artigo pretendepropor a selfie, fotografia que o indiví­duo tira de si mesmo por meio do smartphone, ou outros dispositivos eletrônicos, e postada nas mí­dias sociais, co. Revista Cientí­fica/FAP, Curitiba, v. 23, n. 2, 2020. DOI: 10.33871/19805071.2020.23.2.3719. Disponível em: https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/revistacientifica/article/view/3719. Acesso em: 15 abr. 2024.