CIDADE E ARTE: O RIO TIETÊ COMO ELEMENTO DE UMA NARRATIVA DISTÓPICA REPRESENTADO NO FILME A MARGEM

Autores

  • Edinei Pereira Pereira da Silva Pontifí­cia Universidade Católica de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.33871/19805071.2020.23.2.3718

Resumo

O presente artigo tem como escopo a cidade de São Paulo e seu processo de urbanização a partir de suas bordas, mais precisamente das margens do rio Tietê como elemento primordial de sua construção. Para tanto, como fonte principal, faço uma análise estética do filme do cineasta paulista Ozualdo Candeias, A Margem (1967). Problematizar a mencionada obra com os aspectos distópicos do processo de crescimento dessa cidade, é compreender a simbiose de crescimento do aparato capitalista aplicado í quela altura como marco de um perí­odo tido como promissor, como, também, busco tratar a relação dos sujeitos inseridos nesse movimento de mudanças. As fontes, tanto a fí­lmica como as encontradas nos acervos pesquisados, dimensionam essa correlação de forças paradoxais. O filme e a cidade estão postos nesse estudo como elementares e dinamizadores de uma historicidade contextualizada pela ação do sujeito mediante o uso da arte como leitura de uma realidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

APARECIDA, Ângela Teles. Ozualdo Candeias na boca do lixo: A estética da precariedade no cinema paulistano. São Paulo: Fapesp, 2012.

BAZAN, André. O que é cinema? São Paulo: Ubu, 2018.

BENJAMIN, Walter. Obras escolhidas: magia e técnica, arte e polí­tica. vol. I. São Paulo: Brasiliense, 2012.

BORDWELL, David; THOMPSON, Kristin. A Arte do Cinema: uma introdução. Campinas: Unicamp, 2013.

BURKE, Peter. Testemunha Ocular: o uso de imagens como evidência histórica. São Paulo: Unesp, 2017.

FERREIRA, Jorge e DELGADO, Lucí­lia A. N. (Orgs.). O Brasil Republicano. Volume 04: O tempo da ditadura. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2018.

HOBSBAWM, Eric J. A Era das Revoluções (1789-1848). São Paulo: Paz e Terra, 2011.

JORGE, Janes. Tietê: O Rio que a cidade perdeu - São Paulo: 1890-1940. São Paulo: Departamento de educação ambiental (governo do Estado de São Paulo), 2017.

KUHN, Thomas S. A Estrutura das Revoluções Cientí­ficas. São Paulo: Ed. Perspectiva, 2011.

LEFEBVRE, Henri. O Direito í Cidade. Itapevi-SP: Ed. Nebli, 2016.

PERROT, Michelle. Os Excluí­dos da História: operários, mulheres e prisioneiros. São Paulo: Paz e Terra, 1988.

RAMOS. Fernão. Cinema Marginal (1968/1973): A representação em seu limite. São Paulo: Ed. Brasiliense, 1987.

SANT"™ANNA, Denise Bernuzzi. Cidade das águas: uso de rios, córregos, bicas e chafarizes em São Paulo (1822-1901). São Paulo: Senac, 2007.

SANTOS. Carlos José Ferreira dos. Nem Tudo era italiano - São Paulo e pobreza. (1890-1915). São Paulo: Annablume, 2013.

Downloads

Publicado

2020-11-25

Como Citar

PEREIRA DA SILVA, E. P. CIDADE E ARTE: O RIO TIETÊ COMO ELEMENTO DE UMA NARRATIVA DISTÓPICA REPRESENTADO NO FILME A MARGEM. Revista Cientí­fica/FAP, Curitiba, v. 23, n. 2, 2020. DOI: 10.33871/19805071.2020.23.2.3718. Disponível em: https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/revistacientifica/article/view/3718. Acesso em: 20 abr. 2024.