A cidade como dramaturgia: reflexões acerca do espaço urbano como catalisador de ações performativas

Autores

DOI:

https://doi.org/10.33871/19805071.2020.23.2.3708

Resumo

O presente artigo tem como objetivo discutir tanto o caráter dramatúrgico dos performers enquanto indiví­duos, quanto da cidade como corpo coletivo, introduzindo uma visão dramatúrgica sobre a cidade, espaço em que se desenrolam ações performativas. O estudo se deu através de experiências práticas com a linguagem da performance nos centros comerciais de três diferentes cidades, executando e repetindo diversas ações performativas que objetivavam estabelecer interações humanas não verbais. A pesquisa e as ações realizadas nas ruas foram norteadas pela metodologia de prática-como-pesquisa, levando à prática pensamentos de autores como o sociólogo Zygmunt Bauman e o geógrafo Milton Santos, que contribuí­ram com pontos de vista externos às artes performativas, ampliando a compreensão do espaço urbano. Partindo desses diálogos interdisciplinares, traço uma relação entre os conceitos e as práticas, trazendo à discussão exemplos da série de intervenções performativas, intitulada GRÁTIS, para evidenciar os efeitos das microdramaturgias e das macrodramaturgias, estruturas dramatúrgicas descobertas pelo estudo.

O presente artigo tem como objetivo discutir tanto o caráter dramatúrgico dos performers enquanto indiví­duos, quanto da cidade como corpo coletivo, introduzindo uma visão dramatúrgica sobre a cidade, espaço em que se desenrolam ações performativas. O estudo se deu através de experiências práticas com a linguagem da performance nos centros comerciais de três diferentes cidades, executando e repetindo diversas ações performativas que objetivavam estabelecer interações humanas não verbais. A pesquisa e as ações realizadas nas ruas foram norteadas pela metodologia de prática-como-pesquisa, levando à prática pensamentos de autores como o sociólogo Zygmunt Bauman e o geógrafo Milton Santos, que contribuí­ram com pontos de vista externos às artes performativas, ampliando a compreensão do espaço urbano. Partindo desses diálogos interdisciplinares, traço uma relação entre os conceitos e as práticas, trazendo à discussão exemplos da série de intervenções performativas, intitulada GRÁTIS, para evidenciar os efeitos das microdramaturgias e das macrodramaturgias, estruturas dramatúrgicas descobertas pelo estudo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jean Bruno Carvalho, UNICAMP/Estudante de Graduação em Artes Cênicas

Departamento de Artes Cênicas, Teatro.

Melina Scialom, UNICAMP/Professora colaboradora e pesquisadora de pós-doutorado.

Departamento de Artes Cênicas, Teatro.

Referências

Referências

ABRAMOVIĆ, Marina. Seven easy pieces. Milão: Charta, 2007.

ARISTÓTELES. Poética. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian, 2008.

BAUMAN, Zygmunt. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

______. Modernidade lí­quida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001.

DE CERTEAU, Michel. A invenção do cotidiano. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1998.

DIAS, Natacha. Ação, partitura e impulso – Traços tangí­veis de uma linhagem invisí­vel entre Stanislávski e Grotowski. Caderno de Registro Macu [on-line]. 2017, n. 10, p. 64-73. ISSN: 2238-9334. Recuperado de: <https://www.macunaima.com.br/blog/caderno-de-registro-macu/>. Acesso em: 25 jun. 2020.

FABIíO, Eleonora. Programa Performativo: O corpo-em-experiência. ILINX – Revista do Lume [on-line]. 2013, n. 4, p. 1-11. ISSN: 2316-8366. Recuperado de: <https://www.cocen.unicamp.br/revistadigital/index.php/lume/article/view/276>. Acesso em: 25 jun. 2019.

FRAGOSO, Tiago. Modernidade lí­quida e liberdade consumidora: o pensamento crí­tico de Zygmunt Bauman. Revista Perspectivas Sociais [on-line]. 2011, n. 1, p. 109-124. ISSN: 2317-7438. Recuperado de: <https://periodicos.ufpel.edu.br/ojs2/index.php/percsoc/article/viewFile/2344/2197>. Acesso em: 25 jun. 2020.

GLUSBERG, Jorge. A arte da performance. 2. ed. São Paulo: Perspectiva, 2009.

GOULART, José Ricardo. A artista (ainda) está presente? Performance e aura, reprodutibilidade e reperformance em Marina Abramović. 2016. 198 f. Dissertação (mestrado em Teatro) – Centro de Artes da Universidade do Estado de Santa Catarina, Florianópolis, 2016.

HALL, Edward T. As distâncias no ser humano, In: ______. A dimensão oculta. Lisboa: Relógio D"™ígua, 1986 (p. 133-148).

LEPECKI, André. Coreopolí­tica e Coreopolí­cia. Ilha (Revista de Antropologia) [on-line]. 2012, v. 13, n. 1, p. 41-60. ISSN: 2175-8034. Recuperado de: <https://doi.org/10.5007/2175-8034.2011v13n1-2p41>. Acesso em: 25 jun. 2020.

MEDEIROS, Marina L. A cidade como interface: experimentações em realidade aumentada no espaço urbano. 2014. 121 f. Dissertação (mestrado em Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

NELSON, Robin. Practice as Research in the Arts: Principles, Protocols, Pedagogies, Resistances. London: Palgrave Macmillan UK, 2013.

SANCHEZ, J. A. Dramaturgy in an expanded field. In: BELLISCO, M.; CIFUENTES, M. J. (Ed.). Repensar la dramaturgia: errancia y transformación. Murcia: CENCDOC, 2011 (p. 39-57).

SANTOS, Milton. A natureza do espaço: técnica e tempo, razão e emoção. 4. ed. São Paulo: Edusp, 2002.

SCIALOM, Melina. A prática-como-pesquisa nas artes da cena: discutindo o conceito, metodologias e aplicações. 2020, no prelo.

STANISLAVSKI, Konstantin. El trabajo del actor sobre su papel. Buenos Aires: Quetzal, 1988.

Downloads

Publicado

2020-11-25

Como Citar

CARVALHO, J. B.; SCIALOM, M. A cidade como dramaturgia: reflexões acerca do espaço urbano como catalisador de ações performativas. Revista Cientí­fica/FAP, Curitiba, v. 23, n. 2, 2020. DOI: 10.33871/19805071.2020.23.2.3708. Disponível em: https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/revistacientifica/article/view/3708. Acesso em: 20 abr. 2024.