Espaço urbano: território de interatividade

Autores

  • Lucas Rossi Gervilla Instituto de Artes da Unesp.
  • Roseli Demercian PUC-SP

DOI:

https://doi.org/10.33871/19805071.2020.23.2.3624

Resumo

A arte do século XXI se baseia na realidade simbólica e das relações sociais, bem como na narrativa, isto é, como se vê o mundo. Como a arte deve ser necessariamente percebida, ela é construí­da e formatada inicialmente na apreensão das coisas pelos sentidos. Essa sua peculiar arquitetura se evidencia no chamado mapa virtual, que deve ser produzido todos os dias, pelo excesso de informações que ele contém. A arte contemporânea com sua linguagem hí­brida, isto é, a videoarte, potencializa a interatividade na rede cognitiva.A segunda parte do trabalho propõe uma investigação mais concisa de exemplos especí­ficos em termos de instalações e exposições, como a série "Multidão" de Lucas Bambozzi e "Masp.etc.br". Em conclusão, as complexidades atuais que se encontram representadas na arte podem ser ainda mais enriquecidas e desenvolvidas em termos estéticos quando a obrase encontra livre para ocupar espaços de exposição não tradicionais e fluir através da amplitude urbana como um componente orgânico da sua vida conceitual e material, em vez de

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lucas Rossi Gervilla, Instituto de Artes da Unesp.

Artista visual e cineasta. Doutorando e mestre pelo Instituto de Artes da UNESP e bacharel em Comunicação e Multimeios pela PUC-SP. Participou de mais de 160 produções audiovisuais. Em 2019, fez parte da exposição "Arquitectura de la Desolación", promovida pela galeria Ambos Mundos de Buenos Aires.

Roseli Demercian, PUC-SP

Curadora de arte , Mestre em Arte, Educação e história da Cultura pelo universidade Presbiterina MackenzieDoutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifí­cia Universidade Católica de São Paulo.

Referências

BAMBOZZI, Lucas. Multidão [brava gente]. Disponí­vel em: http://www.lucasbambozzi.net/projetosprojects/multitude-brava-gente/ Acesso em: 04 de set. 2018.

________. Multidão 4. Disponí­vel em: http://www.lucasbambozzi.net/projetosprojects/multidao - 4 Acesso em: 04 de set. 2018.

BRISSAC, Nelson (Org.). Intervenções urbanas: Arte/Cidade.São Paulo: Senac São Paulo, 2013.

CAMPOS, Haroldo de. Metalinguagem & outras metas. São Paulo: Editora Perspectiva, 1992.

DELEUZE, Gilles; GUATTARI, Félix. Mil Platôs (Trad. Ana Lúcia de Oliveira, Aurélio Guerra Neto e Célia Pinto Costa). São Paulo: Editora 34, 2011, vol.1.

EMS 21 - Grupo de Pesquisa Estéticas da Memória do Século 21. Masp.etc.br. São Paulo: FAUUSP, 2019.

HANS, Belting. O Fim da Historia da Arte . Trad. Rodnei Nascimento. São Paulo: Cosac Naif, 2006.

KAYE, Nick. Site-specific Art – Performance, Place and Documentation. Londres: Routledge, 2000.

KWON, Miwon. One Place After Another - Site-Specific Art and Location Identity. Massachusetts: The MIT Press, 2002.

LEíO, Lucia. Interlab: Labirintos do pensamento contemporânea. São Paulo: Iluminuras, 2002.

MELLO, Christine. Extremidades do ví­deo. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2008.

SANTAELLA, Lucia e NOTH, Winfried. Imagem, cognição. Semiótica. Mí­dia. São Paulo: Editora Iluminuras, 2014.

SEGAUD, Marion. Antropologia do Espaço – Habitar, fundar, distribuir, transformar. São Paulo: Edições Sesc, 2016.

TARKOVSKY, Andrei. Diários: 1970-1986. São Paulo: É Realizações, 2012.

Downloads

Publicado

2020-11-25

Como Citar

GERVILLA, L. R.; DEMERCIAN, R. Espaço urbano: território de interatividade. Revista Cientí­fica/FAP, Curitiba, v. 23, n. 2, 2020. DOI: 10.33871/19805071.2020.23.2.3624. Disponível em: https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/revistacientifica/article/view/3624. Acesso em: 15 abr. 2024.