MASCULINIDADES EM RECONSTRUÇÃO NA LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA

Autores

  • Ricardo Di Carlo Ferreira Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) - Campus de Curitiba II (FAP)

DOI:

https://doi.org/10.33871/19805071.2020.23.2.3547

Resumo

Este artigo de abordagem bibliográfica propõe uma análise sobre as teorias e discursos evidentes nos rumos que a linguagem cinematográfica ficcional vem adotando nos dias de hoje nas fissuras liminares do universo mainstream hollywoodyano, ante as eminentes discussões sobre os papeis de gênero, coadunantes as tendências de ruptura/fissura, abordando expressões identitárias não hegemônicas. Logo, o foco se dá em duas vias preponderantes de ação dos realizadores: a representação atorial, que passa a ser frontalmente reconstruí­da e a inextricável narrativa ficcional contextual. Sendo assim, repassa-se ligeiramente o quadro histórico da relação entre o intérprete cênico e o cinema, acentuado algumas das demandas postas à atorialidade nessa tessitura. Isto posto, de caráter transdisciplinar a pesquisa se fundamentou, sobretudo, em autores voltados às teorias do ator, do cinema, conjuntamente dos estudos de gênero, atendo-se aos desdobramentos teóricos a respeito da premência de se discutir as masculinidades. Assim, seleciona o filme 68 Kill de Trent Haaga (2017) para demonstrar algumas das possibilidades de representação em reconstrução.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Di Carlo Ferreira, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) - Campus de Curitiba II (FAP)

Mestrando em Cinema e Artes do Ví­deo, pelo Programa de Pós-Graduação em Cinema e Artes do Ví­deo (PPG-CINEAV) da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) - Campus de Curitiba II/Faculdade de Artes do Paraná (FAP): Linha de pesquisa (1): Teorias e Discursos no Cinema e nas Artes do Ví­deo. Especialista em Metodologia do Ensino de Artes, pela UNINTER. Graduado em Teatro, também, pela UNESPAR. E-mail: ricodicarlo@gmail.com

Referências

KILL. Direção: Trent Haaga. Estados Unidos: IFC Midnight, 2017. (95 min), color.

AUMONT, Jacques; BERGALA, Alain; MARIE, Michel; VERNET, Marc. A estética do filme. Campinas: Papirus, 2009.

BOURDIEU, Pierre. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

CARRIÈRE, Jean-Claude. A linguagem secreta do cinema. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1995.

CARVALHO, Ana Paula Comin; SALAINI, Cristian Jobi; ALLEBRANDT, Débora; MEINERZ, Nádia Elisa; WEISHEIMER, Nilson. Desigualdades de gênero, raça e etnia. Curitiba: Intersaberes, 2012.

CORRÊA, Ana Paula Barbosa. Vôo cego do ator no cinema brasileiro: experiências e inexperiências especializadas. São Paulo: Annablumme / Belo Horizonte: Fumec, 2001.

COSTA, Antônio. Compreender o cinema. São Paulo: Globo, 2003.

JANUíRIO, Soraya Barreto. Masculinidades em reconstrução: Gênero, corpo e sexualidade. Covilhã: LabCom.IFP, 2016.

LIMA, Cecí­lia. A comédia romântica em Hollywood: o gosto da "água com açúcar". Revista Fronteiras – estudos midiáticos 12(1): 23-30, janeiro/abril, 2010.

MARTIN, Marcel. A linguagem cinematográfica. Lisboa: Dinalivro, 2005.

METZ, Christian. Linguagem e cinema. Tradução de Marilda Pereira. São Paulo: Perspectiva, 1980.

RIBEIRO, Claudio de Oliveira. A contribuição das noções de entre-lugar e de fronteira. Rever. São Paulo: Ano 15. Nº 02 ∙ Jul/Dez 2015.

SCOTT, Joan. Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação & realidade. Porto Alegre: v.5, n.2, 1985.

STANISLAVSKI, Constantin. Manual do ator. Rio de Janeiro: Martins Fontes, 1997.

Downloads

Publicado

2020-11-25

Como Citar

FERREIRA, R. D. C. MASCULINIDADES EM RECONSTRUÇÃO NA LINGUAGEM CINEMATOGRÁFICA. Revista Cientí­fica/FAP, Curitiba, v. 23, n. 2, 2020. DOI: 10.33871/19805071.2020.23.2.3547. Disponível em: https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/revistacientifica/article/view/3547. Acesso em: 20 abr. 2024.