COLETIVO TRADEMARK: O DESMANCHE DO CONCEITO DE COMUNIDADE PRATICADO NA DANÇA

Autores

  • Giancarlo Martins UNESPAR - Campus II

Resumo

Este artigo analisa o modo como coletivos artí­sticos se transformaram durante a última década, instaurando novos modos de comunicação e ação polí­tica. Trata-se de uma mudança nos modos de comunicar e de agir coletivamente que, a despeito da criação de circuitos e espaços de criação, bem como a promoção de reconfigurações no sistema cultural e artí­stico, é capturado pelos dispositivos de poder do capitalismo tardio, tornando-se uma espécie de trademark a chancelar boa parte produção artí­stica contemporânea da dança. Trata-se de um fenômeno que, pelo menos no Brasil, nos oferece subsí­dios para entender e refletir sobre os desdobramentos dessas formas de operar e estar junto no contexto atual que transforma modos de comunicar e de agir coletivamente. Tais experiências ainda não foram devidamente analisadas no que concerne às teorias da arte, pedindo por novas discussões epistemológicas propostas, sobretudo, na área de comunicação e estudos da cultura (Katz; Greiner, Lipovetski, Canclini e Sennett) e da filosofia polí­tica (Foucault, Virno, e Agamben).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Giancarlo Martins, UNESPAR - Campus II

Artista da Dança, doutor e mestre em Comunicação e Semiótica pela PUC-SP. Professor e pesquisador do curso de Bacharelado e Licenciatura em Dança da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR / Campus II – FAP.

Lattes:http://lattes.cnpq.br/5485635472498844

Referências

REFERÊNCIAS

ADAM, Krause. Art as politics: the future of art and community. San Bernardino: New Compass Press, 2011.

ADAMS, Gavin. Coletivos de arte e a ocupação Prestes Maia em São Paulo. In: Rizoma.net, 2002. p. 148-157. Disponí­vel em: <http://www.intervencaourbana.org/rizoma/rizoma_artefato pdf>. Acesso em: 30 out. 2012.

______. Como passar um elefante por baixo da porta? In: Rizoma.net, 2002. p. 158-163. Disponí­vel em: <http://www.intervencaourbana.org/rizoma/rizoma_artefato pdf>. Acesso em: 30 out. 2012.

AGAMBEN, Giorgio. A comunidade que vem. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2013.

_______. O que é o contemporâneo? E outros ensaios. Chapecó: Argos, 2009.

_______. Profanações. São Paulo: Boitempo, 2007.

_______. Homo Sacer: o poder soberano e a vida nua. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2002

ANTELO, Raul. La comunití Che viene. Ontologia e potência. In: SELDMAYER, Sabrina; GUIMARíES, César (org.). O comum e a experiência da linguagem. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2007. p. 29-49.

BANES, Sally. Greenwich Village 1963: avant-garde, performance e o corpo efervescente. Rio de Janeiro: Rocco, 1999.

BAUMAN, Zigmunt. Vida lí­quida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2007.

______ . Comunidade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

______. Modernidade lí­quida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001 a.

BEY, Hakim. TAZ: zona autônoma temporária. São Paulo: Conrad; Editora do Brasil, 2004.

BLANCHOT. Maurice. A comunidade inconfessável. Brasí­lia: Editora UNB, 2013.

BRITTO, Fabiana Dultra. Temporalidades em dança: parâmetros para uma história contemporânea. Belo Horizonte: FID Editorial, 2008.

BUBER, Martin. Sobre comunidade. São Paulo: Perspectiva, 2012.

CANCLINI, Nestor. A sociedade sem relato: antropologia e estética da imanência. São Paulo: Edusp, 2012.

______. Culturas hí­bridas. São Paulo: Edusp, 2003.

COMO_clube. Disponí­vel em: <http://comoclube.org/home>. Acesso em: 12 jul. 2015.

Couve-Flor troncos e membros. Disponí­vel em: <http://couveflor.wordpress.com/sobre-o-couve-flor/>. Acesso em: 18 jul 2010.

Couve-flor: portfólio. Disponí­vel em: . Acesso em: 16 jul 2010.

DAWKINS, Richard. O gene egoí­sta. Belo Horizonte: Itatiaia, 2001.

DELEUZE, Gilles. Foucault. São Paulo: Brasiliense, 2005.

ESPOSITO. Roberto. Communitas. Buenos Aires: Amorrortu, 2003.

FOUCAULT, Michel. Ditos e escritos VI: repensar a polí­tica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2013.

______. A ordem do discurso. São Paulo: Edições Loyola, 1996.

GIELEN, Pascal. Creativity and other fundamentalisms. Amsterdan: Mondriaan, 2013.

______.; BRUYNES, Paul (eds.). Community art: the politics of trespassing. Amsterdam: Antennae Valiz, 2011.

GREINER, Christine. A performance e o risco da inoperância do comum. In: TEIXEIRA, Ana (coord.). Cozinha performática. São Paulo: Terra Editora, 2014. p. 27 – 35.

______. O corpo: pistas para estudos indisciplinares. São Paulo: Annablume, 2005.

______.; KATZ, Helena. A natureza cultural do corpo. In: PEREIRA, Roberto (org.). Lições de dança 3. Rio de Janeiro: Univercidade, 2001.

KATZ, Helena; GREINER, Christine . Visualidade e Imunização: o inframince do ver/ouvir dança. In: Anais do II Congresso Nacional de Pesquisa em Dança (ANDA). Salvador; São Paulo: UFBA; UNESP, 2012. v. 01. p. 01-13.

LABRA, Daniela. Coletivos artí­sticos como capital social. Disponí­vel em: <http://www.artesquema.com/escritos/coletivos-artisticos-como-capital-social>. Acesso em: 07 fev. 2014.

LIPOVETSKI, Gilles. A cultura-mundo: resposta a uma sociedade desorientada. São Paulo, Companhia das Letras, 2011.

______.; SERROY, Jean. A estetização do mundo: viver na era do capitalismo artista. São Paulo Cia da Letras, 2015.

MARTINS, Giancarlo. Contexto(s) evolutivo(s) da dança contemporânea no Paraná. In: GREINER, Christine; ESPIRITO SANTO, Cristina; SOBRAL, Sonia (org.). Cartografia Rumos Itaú Cultural Dança: mapas e contextos. São Paulo: Itaú Cultural, 2010. p. 80-88.

______. Ações que se espraiam no tempo. IN: Núcleo de Artes Cênicas (org.). Cartografia Rumos Itaú Cultural Dança 2006-2007. São Paulo, Itaú Cultural, 2008. p. 154-159.

______. Uma nova geografia de ideias: diversidades de ações comunicativas para a dança. 2006. 93p. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Semiótica). Programa de Pós-graduação em Comunicação e Semiótica, Pontifí­cia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

MESQUITA, André. Insurgências poéticas: arte ativista e ação coletiva. São Paulo: Annablume; Fapesp, 2011.

______. Insurgências poéticas: arte ativista e ação coletiva (1990-2000). 2008. 429p. Dissertação (Mestrado em História Social) Programa de Pós-graduação em História Social, Universidade de São Paulo, São Paulo.

NANCY, Jean-Luc. Do ser-em-comum. In: DIAS, Bruno Peixe; NEVES, José (coord.). A polí­tica dos muitos: povo, classe e multidão. Lisboa: Tinta da China, 2011.p. 419-423

______. La comunidad inoperante. Santiago do Chile, 2000.

NEGRI, Antonio. Para uma definição ontológica de multidão. In: DIAS, Bruno Peixe; NEVES, José (coord.). A polí­tica dos muitos: povo, classe e multidão. Lisboa: Tinta da China, 2011. p. 407-418.

______; HARDT, Michel. Multidão: guerra e democracia na era do império. Rio de Janeiro: Record, 2005.

POL-DROIT, Roger. Michel Foucault: entrevistas. São Paulo: Graal, 2006.

RANCIÈRE. Jacques. A partilha do sensí­vel: estética e polí­tica. São Paulo: Editora 34, 2005.

REVEL, Judith. Foucault: conceitos essenciais. São Carlos: Claraluz Editora, 2005

ROSAS, Eduardo. Notas sobre o atual estado do coletivismo no Brasil. In: Rizoma.net, 2002. p. 137-141. Disponí­vel em: <http://www.intervencaourbana.org/rizoma/rizoma_artefato pdf>. Acesso em: 30 out. 2012.

______. Nome: coletivos, senha: colaboração. In: Rizoma.net, 2002. p. 129-132. Disponí­vel em:

<http://www.intervencaourbana.org/rizoma/rizoma_intervencao.pdf> Acesso: em 30 out. 2012.

______. Hibridismo coletivo no Brasil: transversalidade ou cooptação? In: Rizoma.net, 2002. p. 296-302. Disponí­vel em: <http://www.intervencaourbana.org/rizoma/rizoma_intervencao.pdf>. Acesso: em 30 out. 2012.

SANTOS, Boaventura. A gramática do tempo. São Paulo: Cortez, 2010 a.

______. (org). Epistemologias do sul. São Paulo: Cortez, 2010 b.

SELDMAYER, Sabrina. A comunidade que vem. In: PUCHEU, Alberto (org.). Nove abraços no inapreensí­vel: filosofia e arte em Giorgio Agamben. Rio de Janeiro: Beco do Azougue: FAPERJ, p. 139-147, 2008.

SENNETT, Richard. Juntos: os rituais, os prazeres e a polí­tica da cooperação. Rio de Janeiro: Record, 2012.

VIRNO, Paolo. Gramática da multidão: para uma análise das formas de vida contemporânea. São Paulo: Annablume, 2013.

Downloads

Publicado

2019-11-27