A POÉTICA DO ESPAÇO EM CAFÉ MÜLLER DE PINA BAUSCH: CORPOS- FIGURINOS TRADUZIDOS EM DANÇA

Autores

Resumo

Neste artigo objetvo analisar, a partirdos aportes teóricos da Teoria Geral dos Signos de Charles Sanders Peirce, e da Poética do Espaço de Gaston Bachelard, um segmento do filmePina(2011) de Wim Wenders em que o foco da atenção recai sobre a obraCafé Müller(1978) de Pina Bausch. A análise pretende evidenciar de que forma e com que meios os corpos-figurinos configuram-se como potentes agentes semióticos cujos significados são abertos a diferentes leituras subjetivas.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Gabriela Spezzatto

Mestra em Teatro pelo Programa de Pós-graduação em Teatro na Universidade Estadual de Santa Catarina na linha Linguagens Cênicas, Corpo e Subjetividades - UDESC; Cursa especialização em História da Arte pela Claretiano - Rede de Educação; Bacharel e licenciada em Dança pela UNESPAR - CAMPUS CURITIBA II - Faculdade de Artes do Paraná. Pesquisa temas relacionados í  videoarte, videodança e ao corpo na dança e suas imbricações estéticas.

Referências

BACHELARD, Gaston. A água e os sonhos: Ensaio sobre a maginação da matéria. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

BACHELARD, Gaston. A poética do espaço. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

CALDEIRA, Solange Pimentel. O Lamento da Imperatriz: a linguagem em trânsito e o espaço urbano em Pina Bausch.São Paulo: Annablume, 2009.

CASTILHO, Káthia. Moda e linguagem. 2. ed. rev. São Paulo: Anhembi Morumbi, 2009.

CYPRIANO, Fábio. Pina Bausch. São Paulo: Cosac Naify, 2005.

FAÇANHA, Carla. Compreendendo a produção de sentido. Disponí­vel em

<http://bisbliotando.blogspot.com.br/2009/12/compreendendo-producao-de- sentido.html#> Acesso em 23/03/2014.

FERNANDES, Ciane. A dança teatro de Pina Bausch: redançando a história corporal. Rio de Janeiro. Disponí­vel em: www.unirio.br/percevejoonline/7/artigos/4/artigo4.htm. Acesso em 02/11/2013.

FERREIRA, Flávia Catarino C.; MARINHO, Rafael Barros; SANTOS, Raquel do Rosário; TOUTAIN, Lidia M. B. Brandão. Semiótica e produção de sentido. DataGramaZero – Revista de Ciência da Informação – v.12, n.1, fev/2011. Disponí­vel em <http://www.dgz.org.br/fev11/Art_05.htm>. Acesso em 08/04/2014.

FISCHER, Eva- Elisabeth. À memória de Pina Bausch: "Pina", o filme de Wim Wenders em 3D. Disponí­vel em http://www.goethe.de/ins/br/lp/kul/dub/flm/pt7922037.htm Acesso em 30/01/2014. Acesso em 16/04/2014.

LÉVY, Pierre. As Tecnologias da inteligência. Rio de Janeiro: Ed.34, 1997. Disponí­vel em <http://bisbliotando.blogspot.com.br/2009/12/compreendendo- producao-de-sentido.html>. Acessoem 24/04/2014.

PEIRCE, Charles Sanders. Collected Papers of Charles Sanders Peirce. 8 volumes. Cambridge, Massachussets: The Belknap Press of Harvard University, 1978.

. Escritos Coligidos. Sel. e trad. Armando Mora d"ŸOliveira e Sérgio Pomerangblum. 1ª ed. Col. Os Pensadores, vol. XXXVI. São Paulo: Abril Cultural,

PESSANHA, José Américo Motta. A presença do outro na arte. Periódicos

eletrônicos em Psicologia, São Paulo, v. 5, n. 1-2, 1994. Disponí­vel em

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1678-51771994000100003> Acesso em 12 de jul de 2018.

PIGNATARI, Décio. Semiótica e literatura: icônico e verbal, Oriente e Ocidente. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

PIMENTA, Paulo. A crí­tica a "Café Müller" e a "Masurca Fogo": meio caminho entre o ser e estar. Portugal. 05/2008. Disponí­vel em http://www.publico.pt/cultura/noticia/a-critica-a-cafe-muller-e-a-masurca-fogo-a-meio- caminho-entre-o-ser-e-o-estar-1389505 Acesso em 12/03/2014.

PINA. Direção de Wim Wenders. Alemanha-França-Reino Unido, 2011. 1 filme (106 min.): son.; color.; suporte DVD.

PORTINARI, Maribel. Nos passos da dança. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. ROCHA. Thereza. O corpo na cena de Pina Baush. IN: Antunes, A. Lições de Dança 2. Rio de Janeiro:UniverCidade, 2000.

SANCHEZ Lí­cia Maria Morais Sanchez (2004) Interpretação de princí­pios básicos

que regem o processo criativo "bauschiano". IN: Repertório. Ano 7 nº 7 P. 119-112.

SERVOS, Nobert. As muitas faces de Pina. Revista Bravo, v.4, n.39. São Paulo: Abril, dez. 2000.

SERRONII, José C. Cenografia: Um Novo Olhar. In: Percevejo, Rio de

Janeiro:UniRio, Ano III, nº 3, 1994.

SILVA, Eliana Rodrigues. Encenação e cenografia para a dança 2. Disponí­vel em http://www.iar.unicamp.br/lab/luz/ld/Arquitetura%20teatral/cenografia_para_danca.pd f>Acesso em 15/12/2012.

. Olhar dança-teatro: Uma proposta em movimento. Bahia. Disponí­vel em:

<https://www2.dti.ufv.br/danca_teatro/evento/apresentacao/artigos/gt4/eliana.pdf> Acesso em 11/02/2014.

TELES, Inês Galvão; VASCONCELOS, Beatriz. 6 bailados para ver pelo menos uma vez na vida, Portugal. 2014/04. Disponí­vel em http://www.espalhafactos.com/2014/04/29/6-bailados-a-ver-pelo-menos-uma-vez-na- vida/. Acesso em 12/06/2014.

WOSNIAK, Cristiane. Pina Bausch e Café Müller no Cinema: a mise-en-scène da copresença do corpo e dos olhos fechados. Revista Brasileira de Estudos da Presença, Porto Alegre, v.8, n.3, p.469-486, jul./set. 2018. Disponí­vel em: <http://www.scielo.br/pdf/rbep/v8n3/2237-2660-rbep-8-03-469.pdf> Acesso em 29 jul. 2019.

Downloads

Publicado

2019-11-27