O ETHOS RELIGIOSO NA ANTIGUIDADE: A ORIGEM RITUALÍSTICA DOS JOGOS DE TABULEIRO

Autores

  • José Antônio Loures Custódio Mestre em Arte e Cultura Visual (UFG). Doutorando em Artes Visuais (UnB). Bolsista Capes. http://orcid.org/0000-0001-9434-9913
  • Pepita de Souza Afiune Mestra em Ciências Sociais e Humanidades (UEG). Doutoranda em História (UFG). Bolsista CAPES/FAPEG/Brasil.

Resumo

O artigo aborda a origem dos jogos de tabuleiro e a mudança de um caráter ritualí­stico para um objeto de entretenimento nos dias atuais. O texto apresenta e problematiza jogos de civilizações antigas, como por exemplo o Jogo de Senat, o Jogo Real de Ur e a Mancala. Analisando os três jogos citados, é intrí­nseco perceber que a sua origem está diretamente relacionada ao ethos religioso na antiguidade, representando a forma de o homem lidar com o desí­gnio divino. Para entender essa problemática, abordamos o mito como um dispositivo de interconexão entre o cotidiano e o sobrenatural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

José Antônio Loures Custódio, Mestre em Arte e Cultura Visual (UFG). Doutorando em Artes Visuais (UnB). Bolsista Capes.

Mestre em Arte e Cultura Visual, pelo Programa de Pós-graduação em Arte e Cultura Visual (UFG). Doutorando e bolsista CAPES no Programa de Pós-graduação em Artes Visuais pelo Instituto de Artes Visuais (UnB). Em sua tese em desenvolvimento defende a hipótese que considera que a sexualidade nos games está presente em todas as categorias, desde o seu modus operandi, no gameplay, publicitários, até os aspectos visuais e sensoriais. Sua pesquisa se volta para a gamearte e suas variações analógicas e digitais.Artista multimí­dia com produção em temáticas contemporâneas, como: redes sociais, polí­tica e videogames.

Pepita de Souza Afiune, Mestra em Ciências Sociais e Humanidades (UEG). Doutoranda em História (UFG). Bolsista CAPES/FAPEG/Brasil.

Doutoranda em História pela Universidade Federal de Goiás, na linha de pesquisa: Fronteiras e Interculturalidades. Bolsista CAPES/FAPEG/BRASIL. Mestra em Ciências Sociais e Humanidades, na área de concentração: Expressões Culturais no Cerrado, pela Universidade Estadual de Goiás (UEG). Graduada em História pela Universidade Estadual de Goiás e Especialista em Tecnologias em Ensino a Distância.

Referências

ABRIL, Editora. Os melhores jogos do mundo. São Paulo: Abril, 1978.

BAKOS, Margaret. O lazer no Egito antigo. In: BAKOS, Margaret. Fatos e mitos no antigo Egito. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2014.

BIELESCH, Simone. Em busca de auxí­lio para o renascimento: estátuas funerárias de osí­ris e ptah-sokar-osí­ris. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Arqueologia da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: UFRJ, 2010.

ELIADE, Mircea. Mito e realidade. São Paulo: Editora Perspectiva, 1972. 144 p.

GEERTZ, Clifford. A interpretação das culturas. 1ª ed. 13ª reimp. Rio de Janeiro: LTC, 2008. 323 p.

HUIZINGA, Johan. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 2008.

LANDIM, Wikerson. O tamanho da indústria dos ví­deo games [infográfico]. Disponí­vel em: <http://www.tecmundo.com.br/infografico/9708-o-tamanho-da-industria-dos-video-games-infografico-.htm>. Acesso em 09 de dez. 2014.

LOPES, Ricardo. A contemplação estética como ideal do nirvana búdico. Dissertação apresentada ao Programa de Pós-Graduação do Departamento de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da Universidade Estadual Paulista. São Paulo: UNESP, 2012.

LUDOMANIA. Os dados: um dos elementos básicos dos jogos de mesa, 2019. Disponí­vel em: http://ludomania.com.br/Tradicionais/dados.html. Acesso em 21 de janeiro de 2019.

MIKOSZ, José. A Arte Visionária e a Ayahuasca: Representações visuais de espirais e vórtices inspiradas nos estados não ordinários de consciência (ENOC). Tese apresentada ao Programa de Pós-Graduação Interdisciplinar em Ciências Humanas da Universidade Federal de Santa Catarina. Florianópolis: UFSC, 2009.

MONTE NETO, Luiz. O Jogo Real de Ur. Disponí­vel em: <http://super.abril.com.br/cotidiano/jogo-real-ur-439685.shtml>. Acesso em 22 de dez. 2014.

NETO, João Pedro; SANTOS, Carlos Pereira dos; SILVA, Jorge Nuno. Babilônia – Ur. Revisão Edimpresa Impressão e acabamento Norprint. 2008. Disponí­vel em: http://jnsilva.ludicum.org/hm2008_9/3babilonia.pdf. Acesso em 20 de janeiro de 2019.

OLIVEIRA, Márcio de. O uso da noção de mito em Sociologia: analisando os discursos sobre Brasí­lia. In: Revista de Ciências Sociais. V. 36. N. 1/2. Universidade Federal do Ceará, 2005. P. 105 – 116. Disponí­vel em: http://www.periodicos.ufc.br/index.php/revcienso/article/viewFile/565/547. Acesso em 02 de abril de 2018.

PENNICK, Nigel. Jogos dos Deuses: A origem dos jogos de tabuleiro segundo a magia e a arte divinatória. São Paulo: Editora Mercuryo, 1992.

PEREIRA, Rinaldo. O jogo africano Mancala e o ensino de Matemática em face da Lei 10.639/03. Dissertação de Mestrado apresentado ao Programa de Pós-Graduação em Educação Brasileira da Universidade Federal do Ceará, Fortaleza – CE, 2011.

PERIARD, Gustavo. Crowdfunding, o que é e como funciona. Sobre Administração, 2011. Disponí­vel em: http://www.sobreadministracao.com/crowdfunding-o-que-e-e-como-funciona/. Acesso em 20 de janeiro de 2019.

PICCIONE, Peter A. In search of meaning of Senet. Archaeology. University of Waterloo. July/August, 1980. p. 55 – 58. Disponí­vel em: http://healthy.uwaterloo.ca/museum/Archives/Piccione/index.html. Acesso em 20 de janeiro de 2019.

WINGFIELD, Nick. Impressão 3D e financiamento coletivo renovam jogos de tabuleiro. Disponí­vel em: <http://www1.folha.uol.com.br/tec/2014/05/1460380-impressao-3d-e-financiamento-coletivo-renovam-jogos-de-tabuleiro.shtml>. Acesso em 09 de dez. 2014.

Downloads

Publicado

2019-06-04