AVALIAÇÃO PARA AS APRENDIZAGENS EM AÇÕES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA: UM ESTUDO EXPLORATÓRIO

Autores

  • Marcus Paulo de Resende Pereira Universidade Federal de Minas Gerais

Palavras-chave:

Extensão Universitária, Avaliação, Estudante, Formação acadêmica

Resumo

O objetivo deste trabalho foi identificar os processos de acompanhamento/orientação e de avaliação dos estudantes em programas/projetos de Extensão. Foi realizado estudo qualitativo exploratório dos registros do Sistema de Informação da Extensão (SIEX). Leitura exaustiva dos campos "plano de acompanhamento e orientação e processo de avaliação dos estudantes" seguida de categorização conforme princí­pios da avaliação formativa e da Polí­tica Nacional de Extensão Universitária (PNEU). Foram analisados 08 projetos/programas de Extensão ativos. O meio de orientação e acompanhamento mais citado foi o encontro regular com os estudantes, A autoavaliação foi observada em metade das atividades. Elaboração de relatórios, discussão de casos clí­nicos, seminários e grupos de discussão foram os instrumentos de avaliação mais citados. Não foi observada a avaliação por pares. Resultados indicam que o processo de avaliação dos estudantes é heterogêneo e que apresenta elementos condizentes com os princí­pios da avaliação formativa e das diretrizes da PNEU. Entretanto, revelou-se que a qualidade da proposta pedagógica das atividades de Extensão pode ser aprimorada.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcus Paulo de Resende Pereira, Universidade Federal de Minas Gerais

Estudante de Odontologia, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, Minas Gerais, Brasil

Referências

COELHO, Geraldo. O papel pedagógico da extensão universitária. Revista Em Extensão, p. 11–24, 2014. Disponí­vel em: <https://www.academia.edu/17915150/O_PAPEL_PEDAG%C3%93GICO_DA_EXTENS%C3%83O_UNIVERSIT%C3%81RIA

COTTA, Rosângela Minardi Mitre ; COSTA, Glauce Dias da. Instrumento de avaliação e autoavaliação do portfólio reflexivo: uma construção teórico-conceitual. Interface - Comunicação, Saúde, Educação, v. 20, n. 56, p. 171–183, 2016. Disponí­vel em: <https://www.scielo.br/j/icse/a/mr335VVhsVRhSRbjmN6pJZM/?lang=pt>.

FERNANDES, Domingos; FIALHO, Nuno. Dez Anos De Práticas De Avaliação Das Aprendizagens No Ensino Superior: Uma Sí­ntese Da Literatura (2000-2009). Ensino Superior: Inovação e Qualidade na Docência, p. 3693–3707, 2012. Disponí­vel em: <https://repositorio.ul.pt/handle/10451/9000>.

FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSíO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS Extensão Universitária: Organização e Sistematização. Belo Horizonte- MG 2007. [s.l.]:, [s.d.]. Disponí­vel em: <https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/Organizacao-e-Sistematizacao.pdf>.

FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSíO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS Polí­tica Nacional de Extensão Universitária. Manaus-AM Maio de 2012. [s.l.]: , [s.d.]. Disponí­vel em: <https://www.ufmg.br/proex/renex/images/documentos/2012-07-13-Politica-Nacional-de-Extensao.pdf>.

FURTADO, Júlio. A aprendizagem significativa passa pela avaliação formativa. A APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA PASSA PELA AVALIAÇíO FORMATIVA, [s. l.], 2015. Disponí­vel em: <http://juliofurtado.com.br/wp-content/uploads/2015/08/Texto-A-apz-significativa-passa-pela-avalia%C3%A7%C3%A3o-formativa.pdf>.

GAVIRA, M. de O.; GIMENEZ, A. M. N.; BONACELLI, M. B. M.; Proposta de um sistema de avaliação da integração ensino e extensão: um guia para universidades públicas brasileiras. Avaliação, Campinas; Sorocaba, SP, v. 25, n. 02, p. 395-415, jul. 2020. Disponí­vel em <https://www.scielo.br/j/aval/a/qRtNJVDH93BBqw6WDsN5TpM/?lang=pt>

Mattos, F. F., Dalsecco A. B., Silva E.T. & Auad S. M. (2011). Perfil das ações na Faculdade de Odontologia da UFMG. Belo Horizonte. Arquivos em Odontologia 47, Supl.2: 08-11.

MINISTÉRIO DA EDUCAÇíO CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇíO CÂMARA DE EDUCAÇíO SUPERIOR RESOLUÇíO No 7, DE 18 DE DEZEMBRO DE 2018 (*) (**). [s.l.: s.n., s.d.]. Disponí­vel em: <http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=104251-rces007-18&category_slug=dezembro-2018-pdf&Itemid=30192>.

NOGUEIRA, Maria das Dores Pimentel. Extensão universitária no Brasil: uma revisão conceitual. In: FARIA, Dóris Santos de (Org.). Construção conceitual da extensão Universitária na América Latina. Brasí­lia: UNB, 2001. p. 57-72.

PIMENTEL, Mariano; CARVALHO, Felipe. Princí­pios da avaliação para aprendizagem na educação online. SBC Horizontes, set. 2021. ISSN 2175-9235. Disponí­vel em: <http://horizontes.sbc.org.br/index.php/2021/09/avaliacao-online>.

Proex - UFMG. Ufmg.br. Disponí­vel em: <https://www2.ufmg.br/proex/Siex/SIEX/Preenchimento-dos-formularios-Aba-Descricao>.

PRÓ-REITORIA DE EXTENSíO Manual SIEX. [s.l.: s.n.], 2012. Disponí­vel em: https://ftp.medicina.ufmg.br/ped/Arquivos/2013/manual_siex_ufmg_13_08_2013.pdf

Silveira, A. L. M. da., Zambenedetti, G. W. & Ribeiro, V. G. (2017). Design na Extensão Universitária: Diretrizes para orientar as práticas Extensionistas. Revista de Extensão da UFMG, v. 5, n. 1, p.69-90, jan./jun. 2017.

Downloads

Publicado

2021-12-07