Polí­ticas Educacionais e a Formação Docente: o que dizem os documentos oficiais brasileiros sobre diversidade e sexualidade?

Autores

Palavras-chave:

Formação Inicial, Educação Sexual, Gênero e Diversidade, Polí­ticas Públicas Educacionais

Resumo

Ao longo de mais de duas décadas, após instituições da Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) em 1996, que deu iní­cio à reforma do sistema educacional brasileiro, diversos documentos, diretrizes e orientações curriculares foram publicadas pelos órgãos oficiais brasileiros, a fim de direcionar e subsidiar a formação de professores e professoras para o ensino na educação básica. Nesse contexto, nos propomos com este estudo questionar as contribuições de tais documentos acerca da educação para a sexualidade e as abordagens que envolvem a diversidade e os gêneros nas instituições responsáveis pela formação de professores. Nota-se que, ao longo desses vinte e cinco anos desde a promulgação da LDBEN, pouca ênfase foi dedicada a tais temáticas e, quando tratadas, quase sempre de maneira subentendida e sucinta, incidindo em lacunas e contradições entre as orientações.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Matheus Ribeiro Vitor, Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, campus Londrina. Programa de pós-graduação em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza.

Mestrando no Programa de pós-graduação em Ensino de Ciências Humanas, Sociais e da Natureza da Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR, campus Londrina. Graduado em Ciências Biológicas pela Universidade Norte do Paraná - UNOPAR (2016). Especialista em Ensino de Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Londrina - UEL (2018) e Especialista em Educação a Distância pela Faculdade Instituto de Educação Superior do Paraná - FAINSEP (2020). Atualmente atua no ensino superior, na Kroton Educacional, na área de análises e gestão dados censitários e vinculado ao grupo de estudos Ciência, Tecnologia, Educação e Arte da UTFPR, com estudos nos seguintes temas: Formação de Professores da Educação Básica, Saúde, Sexualidade e Polí­ticas Públicas Educacionais.

Virgínia Iara de Andrade Maistro, Universidade Estadual de Londrina Departamento de Biologia Geral

Possui graduação em Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Londrina (1976), graduação em Pedagogia - Faculdades Integradas Princesa Isabel (1981), mestrado em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina (2006) e doutorado em Ensino de Ciências e Educação Matemática pela Universidade Estadual de Londrina (2012). Atualmente é professor estatutário da Universidade Estadual de Londrina , atuando principalmente nos seguintes temas: educação sexual, educação, sexualidade, formação de professores e escola. Docente da UEL das disciplinas de Metodologia e Prática de Ensino de Ciências Biológicas e do Estágio Supervisionado Obrigatório e Práticas Pedagógicas: Sexualidade /Saúde do curso de Ciências Biológicas modalidade Licenciatura e Bacharelado.Coordenadora da área de ensino e estágio curricular obrigatório. Coordenadora do subprojeto - 00590 - PIBID CIÊNCIAS BIOLÓGICAS - PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA - AMPLIAÇÃO E CONSOLIDAÇÃO - UEL, coordenadora do projeto de extensão/PROEX - 02222 - EDUCAÇÃO PARA A SEXUALIDADE: DIÁLOGO ENTRE UEL E EDUCAÇÃO BÁSICA (2018/2021), coordenadora do curso EAD/UEL/CAPES Especialização Ciência 10.

Felipe Tsuzuki, Universidade Estadual de Londrina Programa de pós-graduação em Ensino de Ciências e Educação Matemática

Mestre em Ensino de Ciências e Educação Matemática, Licenciado e Bacharel em Ciências Biológicas pela Universidade Estadual de Londrina. Especialista em Gênero e Diversidade Escolar e em Educação Profissional e Tecnológica pela Faculdade Unina, onde também cursa Especialização em Educação no Campo. Membro do Grupo de Estudos Culturais da Ciência e da Educação (UEL). Atua na área dos Estudos Culturais da Ciência e da Educação, envolvendo a Educação Indí­gena e a Educação para a Sexualidade, cujas temáticas foram trabalhadas no Ciclo Intercultural de Iniciação Acadêmica para os Estudantes Indí­genas da UEL (Programa de Formação Intercultural) e no Programa Institucional de Bolsas de Iniciação í  Docência (PIBID), respectivamente. Fez parte do projeto de extensão "Educação para a sexualidade: diálogo entre UEL e Educação Básica" e participou da Comissão Organizadora do projeto de extensão "Novos Talentos: Oficina desvendando o corpo humano", no qual ministrou na temática Sistema Reprodutor e Sexualidade. Realizou pesquisas nas áreas de reprodução masculina, feminina e toxicologia durante o desenvolvimento embrionário.

Referências

ALTMANN, H. Diversidade sexual e educação: desafios para a formação docente. Sexualidad, Salud y Sociedad-Revista Latinoamericana, [S. l.], n. 13, p. 69-82, 2013.

APPLE, M. W. A Polí­tica do Conhecimento Oficial: faz sentido a ideia de um currí­culo nacional? In: MOREIRA, A. F. B.; SILVA; T. T. (org.). Currí­culo Cultura e Sociedade. 7 ed. São Paulo: Cortez Editora, 2002, p. 59-92.

BRASIL. Decreto nº 6.755, de 29 de janeiro de 2009. Institui a Polí­tica Nacional de Formação de Profissionais do Magistério da Educação Básica, disciplina a atuação da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Ní­vel Superior – CAPES no fomento a programas de formação inicial e continuada, e dá outras providências, 2009.

BRASIL. Decreto nº 8.752, de 9 de maio de 2016. Dispõe sobre a Polí­tica Nacional de Formação dos Profissionais da Educação Básica. Brasí­lia, 2016.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB. 9394/1996.

BRASIL. Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências, 2001.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências, 2014.

BRASIL. Resolução CNE/CEB nº 2, de 19 de abril de 1999. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Docentes da Educação Infantil e dos anos iniciais do Ensino Fundamental, em Ní­vel Médio, na modalidade Normal. Brasí­lia: Conselho Nacional de Educação, 1999a.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 02, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em ní­vel superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasí­lia: Conselho Nacional de Educação, 2015b.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 18 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em ní­vel superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasí­lia: Conselho Nacional de Educação, 2002.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 30 de setembro de 1999. Dispõe sobre os Institutos Superiores de Educação, considerados os Art. 62 e 63 da Lei 9.394/96 e o Art. 9º, § 2º, alí­neas "c" e "h" da Lei 4.024/61, com a redação dada pela Lei 9.131/95. Brasí­lia: Ministério da Educação, 1999b.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 1, de 7 de janeiro de 2015. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores Indí­genas em cursos de Educação Superior e de Ensino Médio e dá outras providências, 2015a.

BRASIL. Resolução CNE/CP nº 02, de 20 de dezembro de 2019. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial de professores para a Educação Básica e institui a Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-FORMAÇíO). Brasí­lia: Conselho Nacional de Educação, 2019.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: introdução aos parâmetros curriculares nacionais. Brasí­lia: MEC/SEF, 1998.

BRITZMAN, D. Curiosidade, sexualidade e currí­culo. In: LOURO, G. L. O corpo educado: pedagogias da sexualidade. Belo Horizonte: Autêntica, 1999. p. 83-112.

CANDAU, V. M. Multiculturalismo e educação: desafios para a prática pedagógica. In: MOREIRA, A. F.; CANDAU, V. M. (org.). Multiculturalismo: diferenças culturais e práticas pedagógicas. 2 ed. Petrópolis: Vozes, 2008. p. 13-37.

CORTES, J.; SILVEIRA, T.; DICKEL, F.; NEUBAUER, V. A educação machista e seu reflexo como forma de violência institucional. In: SEMINíRIO INTERNACIONAL DE EDUCAÇíO NO MERCOSUL, 17., 2015, [S. l.]. Anais [...]. [S. l.], 2015.

DE OLIVEIRA, J. M. D.; MOTT, L. Mortes Violentas de LGBT+ no BRASIL – 2019: Relatório do Grupo Gay da Bahia. Salvador: Editora Grupo Gay da Bahia, 2020.

DESLANDES, K. Formação de professores e direitos humanos: construindo escolas promotoras da igualdade. Belo Horizonte: Autêntica, 2017.

FIGUEIRÓ, M. N. Educação sexual: em busca de mudanças. Londrina: EDUEL, 2009.

FIGUEIRÓ, M. N. D. Revendo a história da educação sexual no Brasil: ponto de partida para construção de um novo rumo. Nuances: estudos sobre Educação, [S. l.], v. 4, n. 4, 1998.

FONSECA, J. J. S. Apostila de metodologia da pesquisa cientí­fica. Fortaleza: UECE, 2002.

GOMES, A. R.; NOVAIS, S. N. S. Práticas sexuais e homossexualidade entre os indí­genas brasileiros. Caderno Espaço Feminino, Uberlândia, v. 26, n. 2, p. 44-57, 2013.

JAQUES, A. E. Significado da sexualidade e assuntos correlatos no contexto escolar por professores do ensino fundamental na educação sexual: experiência de uma pesquisa-ação. 2012. Tese (Doutorado em Enfermagem Psiquiátrica) – Escola de Enfermagem de Ribeirão Preto/USP, Ribeirão Preto, 2012.

JUNQUEIRA, R. D. "Ideologia de gênero": a gênese de uma categoria polí­tica reacionária – ou: A promoção dos direitos humanos se tornou uma "ameaça í famí­lia natural"? In: RIBEIRO, Paula Regina Costa; MAGALHíES, Joanalira Corpes (org.). Debates Contemporâneos sobre Educação para a Sexualidade. Rio Grande: Ed. da FURG, 2017, p. 25-52.

LOURO, G. L. Corpo, escola e identidade. Educação & Realidade, [S. l.], v. 25, n. 2, 2000.

LOURO, G. L. Educação e docência: diversidade, gênero e sexualidade. Formação Docente – Revista Brasileira de Pesquisa sobre Formação de Professores, [S. l.], v. 3, n. 4, p. 62-70, 2018.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. Petrópolis: Vozes, 1997.

MACEDO, E. F. Parâmetros Curriculares Nacionais: a falácia de seus temas transversais. Currí­culo: polí­ticas e práticas, [S. l.], p. 43-58, 1999.

MACIEL, L. T. L. Corpos, culturas e alteridade em fronteiras: educação escolar e prevenção das Doenças Sexualmente Transmissí­veis e da Aids entre indí­genas da Reserva Kadiwéu, Mato Grosso do Sul – Brasil. 2009. 246 f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009.

MADUREIRA, A. F. A. Gênero, sexualidade e diversidade na escola: a construção de uma cultura democrática. 2007. 429 f. Tese (Doutorado em Psicologia) – Universidade de Brasí­lia, Brasí­lia, 2007.

MICHELS, E.; MOTT, L. Mortes violentas de LGBT+ no BRASIL. Relatório 2018. Salvador: Editora Grupo Gay da Bahia, 2018.

MONTEIRO, S. A. S.; RIBEIRO, P. R. M. Sexualidade e gênero na atual BNCC: possibilidades e limites. Pesquisa e Ensino, [S. l.], v. 1, p. e202011-e202011, 2020.

MOREIRA, A. F. B.; SILVA; T. T. Sociologia e teoria crí­tica do currí­culo: uma introdução. In: MOREIRA, A. F. B.; SILVA; T. T. (org.). Currí­culo Cultura e Sociedade. 7 ed. São Paulo: Cortez Editora, 2002, p. 7-31.

MOURA, Francisco Nunes de Sousa; LEITE, Raquel Crosara Maia. O conservadorismo e a formação cidadã: a abordagem da Sexualidade no Ensino Fundamental diante do discurso em documentos oficiais. Educação, Ciência e Cultura, [S. l.], v. 24, n. 3, p. 61-77, 2019.

ORGANIZAÇíO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração do Milênio. New York: Nações Unidas, 2000.

ORGANIZAÇíO DAS NAÇÕES UNIDAS (ONU). Declaração Universal dos Direitos Humanos. Paris: ONU, 1948.

SACRISTíN, J. G. Currí­culo e Diversidade Cultural. In: SILVA, T. T.; MOREIRA, A. F. B. (org.). Territórios Contestados: o currí­culo e os novos mapas polí­ticos e culturais. Petrópolis: Vozes, 1995, p. 7-31.

SANTOS, L. L. C. P.; DINIZ-PEREIRA, J. E. Tentativas de padronização do Currí­culo e da Formação de Professores no Brasil. Cad. CEDES, Campinas, v. 36, n. 100, p. 281-300, 2016.

SANTOS, M. O. P.; GRELIN, D. M. A. Violências invisí­veis: o não óbvio em evidências. In: Fórum Brasileiro de Segurança Pública. Visí­vel e Invisí­vel: a vitimização de mulheres no Brasil, São Paulo, SP: FBSP, 2017. p. 35-40.

SAVIANI, D. Polí­tica educacional brasileira: limites e perspectivas. Revista de educação PUC-Campinas, Campinas, n. 24, p. 7-16, 2008.

SFAIR, S. C.; BITTAR, M.; LOPES, R. E. Educação sexual para adolescentes e jovens: mapeando proposições oficiais. Saúde e Sociedade, [S. l.], v. 24, p. 620-632, 2015.

SIQUEIRA, T. C. B.; NETTO, A. M. L. Análise da educação sexual do Brasil e Portugal a partir de documentos oficiais. Protestantismo em Revista, [S. l.], v. 44, n. 2, p. 176-195, 2019.

VIANNA, C. Gênero, sexualidade e polí­ticas públicas de educação: um diálogo com a produção acadêmica. Pro-Posições, [S. l.], v. 23, n. 2, p. 127-143, 2012.

Downloads

Publicado

2021-08-11