Currí­culo e formação de professores: da simplificação ao pensamento complexo

Autores

  • Rafaele Rodrigues de Araújo Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Gionara Tauchen Universidade Federal do Rio Grande - FURG
  • Valmir Heckler Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Resumo

Neste artigo, iremos problematizar as compreensões sobre a complexidade do currí­culo disciplinar numa concepção (re)significativa, evidenciando as possibilidades para a constituição na formação interdisciplinar de professores em Ciências da Natureza. Em vista disso, apresentamos e discutimos a organização curricular de um curso de Licenciatura em Ciências da Natureza de uma universidade pública no sul do Brasil, na perspectiva do pensamento complexo. Para a análise, estabelecemos as relações entre o currí­culo e a interdisciplinaridade, as mudanças paradigmáticas, perpassando por um debate acerca da polí­tica curricular para a formação do currí­culo proposto, bem como, apontando os limites e as possibilidades emergentes de um currí­culo como um programa e como uma estratégia. Essa investigação se caracteriza por ser de caráter qualitativo e documental, baseando-se por meio da hermenêutica como metodologia de análise, na perspectiva do currí­culo programa/estratégia, dentro de um paradigma emergente/complexo, em que a interdisciplinaridade é registrada como possí­vel de acontecer nos componentes curriculares, por meio da incerteza nas pré-compreensões que fazem parte desse processo. A estrutura curricular ocorre através de um caráter multidimensional, sem prever uma relação lógica, sendo, dessa forma, indispensável o coletivo de professores em que esquematizam ações de formação interdisciplinar, num processo de heteroformação. A metodologia de ensino e aprendizagem será realizada na prática da sala de aula, na interação com os estudantes e o ambiente em que esses fazem parte, constituindo o que significamos como ecoformação. Na compreensão, o estudo possibilitou compreender que o currí­culo em análise ainda apresenta caracterí­sticas intensas do paradigma simplificador. Compreensão essa que permite refletirmos a organização curricular, visando um currí­culo programa/estratégia, a partir do pensamento complexo, buscando uma formação inicial de professores interdisciplinares em um processo auto-eco-formador.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafaele Rodrigues de Araújo, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Educação em Ciências da FURG
Professora Adjunta do Instituto de Matemática, Estatí­stica e Fí­sica da Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Gionara Tauchen, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Doutora em Educação
Professora Adjunta do Instituto de Educação da Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Valmir Heckler, Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Doutor em Educação em Ciências

Professor Adjunto do Instituto de Matemática, Estatí­stica e Fí­sica da Universidade Federal do Rio Grande - FURG

Referências

BEHRENS, M. A. et al OLIARI, A. L. T. A evolução dos paradigmas na educação: do pensamento cientí­fico tradicional a complexidade. In: Diálogo Educacional, Curitiba v. 7, n. 22, p. 53-66, set-dez, 2007.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação/Conselho Pleno. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial e Continuada dos Profissionais do Magistério da Educação Básica. Parecer CNE/CP nº2/2015. Brasí­lia, 2015.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais Gerais da Educação. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretoria de Currí­culos e Educação Integral. Brasí­lia: MEC, SEB, DICEI, 2013.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Superior. Referenciais orientadores para os Bacharelados Interdisciplinares e Similares das Universidades Federais. Parecer da CNE/CES nº266/2011. Brasí­lia, 2011a.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Parecer da CNE/CEB nº5/2011. Brasí­lia, 2011b.

BRASIL. Lei nº 11.640, de 11 de janeiro de 2008. Institui a Fundação Universidade Federal do Pampa - UNIPAMPA e dá outras providências. Brasí­lia, 2008.

Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências da Natureza, Matemática e suas Tecnologias. Brasí­lia: MEC, 2006.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em ní­vel superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Parecer CNE/CP nº 9, de 8 de maio de 2001. Brasí­lia, 2001a.

BRASIL. Duração e carga horária dos cursos de Formação de Professores da Educação Básica, em ní­vel superior, curso de licenciatura, de Graduação plena. Parecer CNE/CP nº 21, de 6 de agosto de 2001. Brasí­lia, 2001b.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Média e Tecnológica. Parâmetros Curriculares Nacionais (Ensino Médio). Brasí­lia: MEC, 2000.

BRITTO, N. S.; SILVA, T. G. R. Educação do Campo: formação em Ciências da Natureza e o estudo da realidade. Educação & Realidade, v. 40, n. 3, p. 763-784, jul./set, 2015.

CELLARD, A. A análise documental. In: POUPART, J. et al. A pesquisa qualitativa: enfoques epistemológicos e metodológicos. Petrópolis: Vozes, 2008, p. 295-316.

CUNHA, M. I. Paradigmas cientí­ficos e propostas curriculares. In: Interface: Comunicação, Saúde e Educação. p. 197-204, 1998.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002. 368 p.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A. Metodologia do ensino de Ciências. São Paulo: Cortez, 1991.

FAZENDA, I. C. A. Integração e interdisciplinaridade no ensino brasileiro: efetividade ou ideologia. São Paulo: Edições Loyola, 2011. 165p.

FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade-Transdisciplinaridade: visões culturais e epistemológicas. In: FAZENDA, I. C. A. O que é interdisciplinaridade. São Paulo: Cortez, 2008, p. 17-28.

FAZENDA, I. C. A. Interdisciplinaridade: qual o sentido? 2ª ed. São Paulo: Paulus, 2006. 84 p.

KUHN, T. A estrutura das revoluções cientí­ficas. 5 ed. São Paulo: Editora Perspectiva, 1998. 254 p.

LINUESA, M. C. Elaborar o currí­culo: prever e representar a ação. In: SACRISTíN, J. G. (org.). Saberes e incertezas sobre o currí­culo. Porto Alegre: Penso, 2013, p. 226-247.

MESQUITA, N. A. S.; SOARES, M. H. F. B. Tendências para o ensino de Quí­mica: o caso da interdisciplinaridade nos projetos pedagógicos das licenciaturas em quí­mica em Goiás. Revista Ensaio, v. 14, n. 1, p. 241-255, jan-abr., 2012.

MIRANDA, J. R. A prática interdisciplinar: currí­culo integrado, saberes articulados, projetos em parceria. In: IX Congresso Nacional de Educação. Anais do EDUCERE. PUCPR, 2009.

MORAES, M. C. O paradigma educacional emergente. 16ª ed. Campinas: Papirus, 2012. 229 p.

MORAES, M. C. Complexidade e currí­culo: por uma nova relação. Polis - Revista de la Universidad Bolivariana, v. 9, n. 25, 2010.

MORAES, M. C. A formação do educador a partir da complexidade e da trasndisciplinaridade. In: Diálogo Educacional, v. 7, n. 22, p.13-38, dez, trimestral. 2007.

MORIN, E. O método 1: a natureza da natureza. 3 ed. Porto Alegre: Sulina, 2016. 477 p.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. 5 ed. Porto Alegre: Sulina, 2015a. 120 p.

MORIN, E. O método 3: conhecimento do conhecimento. 5 ed. Porto Alegre: Sulina, 2015b. 286 p.

MORIN, E. Ciência com consciência. 16 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2014. 350 p.

MORIN, E. O método 4: as ideias – habitat, vida, costumes, organização. 6 ed. Porto Alegre: Sulina, 2011a. 320 p.

MORIN, E. Os setes saberes necessários í educação do futuro. 2 ed. rev. São Paulo: Cortez, 2011b. 102 p.

MUENCHEN, C.; DELIZOICOV, D. A construção de um processo didático-pedagógico dialógico: Aspectos epistemológicos. Revista Ensaio, v.14, n. 3, p. 199-215, set-dez, 2012.

PINEAU, g. A autoformação no decurso da vida: entre hetero e a ecoformação. In: NÓVOA, A.; FINGER, M. O método (auto)biográfico e a formação. Lisboa: Ministério da Saúde, 1988.

PINTO, M .G. C. S. M.; PINTO, A. S. L. G. Formação inicial de professores: as licenciaturas interdisciplinares. In: X ANPED SUL, 2014, Florianópolis. Anais – Trabalhos Completos, Florianópolis, 2014. On-line.

POMBO, O. Epistemologia da Interdisciplinaridade. In: Seminário internacional interdisciplinaridade, humanismo, universidade. Faculdade de Letras da Universidade do Porto, 2003, Porto. Artigos, Porto, 2003. On-line.

POSSOLI, A. H. E.; BEHRENS, M. A. A evolução dos paradigmas da ciência e a prática pedagógica. In: In: IX Congresso Nacional de Educação. Anais do EDUCERE. PUCPR, 2007.

RAYNAUT, C. Interdisciplinaridade: mundo contemporâneo, complexidade e desafios í produção e í aplicação de conhecimentos. In: PHILIPPI JR., A.; SILVA NETO, A. J. Interdisciplinaridade em Ciência, Tecnologia & Inovação. Barueri: Manole, 2011, p. 69-105.

SACRISTíN, J. G. O que significa o currí­culo? In: SACRISTíN, J. G. (org.). Saberes e incertezas sobre o currí­culo. Porto Alegre: Penso, 2013, p. 16-37.

SACRISTíN, J. G. O currí­culo: uma reflexão sobre a prática. 3 ed. Porto Alegre: Artmed, 2000. 349 p.

SANTOMÉ, J. T. Globalização e interdisciplinaridade: o currí­culo integrado. Porto Alegre: Artmed, 1998. 267 p.

SANTOS, B. V. Um discurso sobre as ciências. 5 ed. São Paulo: Editora Cortez, 2008. 88 p.

SANTOS, C. A.; VALEIRAS, N. Currí­culo interdisciplinar para licenciatura em Ciências da Natureza. Revista Brasileira de Ensino de Fí­sica, v. 36, n. 2, p. 2504, 2014.

SCHMIDT, L. K. Hermenêutica. 3 ed. Petrópolis: Vozes, 2014. 253 p.

THIESEN, J. S. Currí­culo Interdisciplinar: contradições, limites e possibilidades. In: Perspectiva, v. 31, n. 2, p. 591-614, 2013.

UNIPAMPA. Projeto Pedagógico de Curso – Licenciatura em Ciências da Natureza. Dom Pedrito, 2012.

Downloads

Publicado

2017-03-30