MÉTRICAS DE INDICADORES DE SUSTENTABILIDADE PARA CIDADES HISTÓRICAS TURÍSTICAS

Adriana Cristina Xavier, Rogério Antônio Picoli

Resumo


O turismo é uma atividade complexa. Ao mesmo tempo em que pode ser um fator de desenvolvimento econômico e social para as comunidades, seus efeitos imediatos e de longo prazo podem resultar em prejuízos e danos irreversíveis não apenas às comunidades, mas também ao meio ambiente. É desejável que se possa conciliar os ganhos econômicos e financeiros do turismo com a sustentabilidade da atividade. Um tal ajuste, no entanto, é um desafio não apenas porque é difícil fixar os contornos da atividade turística, mas também porque há uma variedade de concepções de sustentabilidade. Esta pesquisa teve como objetivo examinar criticamente algumas das principais metodologias de avaliação da sustentabilidade da atividade turística aplicáveis às cidades históricas turísticas de Minas Gerais. Trata-se de uma pesquisa de natureza teórico conceitual baseada em revisão bibliográfica. Após o exame dos desafios de se caracterizar a sustentabilidade da atividade turística, são examinadas três metodologias ou marcos ordenadores principais: Delphi, Barômetro da Sustentabilidade e DPSIR (Força motriz, pressão, estado, impacto e resposta). Concluiu-se que o conceito de sustentabilidade turística ainda é disputado e, em relação às metodologias, que elas partem de métricas diferentes resultando em diferentes concepções de sustentabilidade. Tais resultados sugerem que a avaliação da sustentabilidade da atividade turística é dependente de fatores subjetivos e da qualidade das informações; apesar dessas limitações conceituais e metodológicas, os sistemas de indicadores são importantes na medida em que reúnem informações, comunicam e forçam a reflexão acerca de aspectos das ações que, normalmente, são negligenciados.


Palavras-chave


Turismo; DPSIR; Delphi; Barômetro da Sustentabilidade

Texto completo:

PDF

Referências


AGUIAR, L. B. (2016) O Programa de Cidades Históricas, o turismo e a “viabilidade econômica” do patrimônio (1973 - 1979). Anais do Museu Paulista. São Paulo, 24(1), 137-149.

BACAL, S. S.; MELO, A. J. S.; WIDMER, G. M.; SILVA, R. S. P. (2007) Turismo sustentável no Brasil: utopia ou possibilidade? (2ª ed) Revista Ibero Americana de Estratégia. São Paulo (6), 175-181.

BARROS, V. G. Turismo Sustentável: uma aplicação ao caso madeirense. 1.º Congresso de Desenvolvimento Regional de Cabo Verde / 15.º Congresso da Associação Portuguesa para o Desenvolvimento Regional (APDR) (2009). Recuperado em 26 de junho de 2018, de http://www.apdr.pt/congresso/2009/pdf/Premio%20Bartolomeu/240.pdf

BENI, M. C. (2003) Como Certificar o Turismo Sustentável? Revista Turismo em Análise, Brasil, (14)2, 5-16.

BONAMETTI, Veiga; COUTINHO S. S.; TAKAYANAGUI, A. (2013) Aplicação da técnica delphi na construção de indicadores de sustentabilidade. FórumAmbiental (9)4, 31- 45.

BOSAK, K. (2016) Tourism, Development, and Sustainability Keith Bosak. In: McCOOL; Stephen F; BOSAK, Keith. Reframing Sustainable Tourism (2016) Springer, 33- 46.

BRASIL. Ministério do Turismo. Secretaria Nacional de Políticas de Turismo Turismo cultural: orientações básicas / Ministério do Turismo, Coordenação - Geral de Segmentação. – Brasília: Ministério do Turismo, 2006.

CABIANCA, M. A. A. (2012) Pensando A Sustentabilidade Turística em Municípios: Técnica e Teoria em uma Abordagem Socioambiental e Cultural do Conceito. RevistaHospitalidade (11)1, 119-132.

CARR, E. R.; ROBERSON, J.; HALL, M. T. (2007) Applying DPSIR to sustainable development.The International Journal of Sustainable Development and World Ecology, 543-555.

CARVALHO, J. R. M. de; CURI, W. W. F; CARVALHO, E. K. M. de A, CURI, R. C. (2011) Proposta e validação de indicadores hidroambientais para bacias hidrográficas: estudo de caso na sub-bacia do alto curso do Rio Paraíba, PB. Revista Sociedade e Natureza, Uberlândia (23)2, 295-310.

CETRULO, T. B.; MOLINA, N. S.; MALHEIROS, T. F. (2013) Indicadores de sustentabilidade: proposta de um barômetro de sustentabilidade estadual. Revista Brasileira de Ciências Ambientais. N. 30, 33-45.

CIFELLI, Gabrielle (2005) Turismo, Patrimônio e Novas Territorialidades em Ouro Preto (Doctoral dissertation).

CORDEIRO, I. J. D. (2008) Instrumento de Avaliação de Sustentabilidade do Turismo: Uma análise crítica (Master dissertation).

CUNHA, G. F. (2010) Indicadores de sustentabilidade socioambiental relacionados com as atividades do turismo em Itapema (SC), com ênfase na qualidade da água de recreação e na saúde da população (Master dissertation).

EEA - Europen Environmental Agency. Environmental indicators: typology and overview. Technical report no. 25, European Environment Agency, Copenhagen, 1999.

FARIA, G. H. O. (2011) Análise do modelo DPSIR para subsidiar o processo do programa de gestão ambiental INCT - APA (Master dissertation)

FERREIRA, F. L. (2011) Análise dos indicadores municipais de sustentabilidade ambiental utilizados no grande ABC. (Master dissertation)

FIGUEIREDO, A. M. L. (2005) A função turística do patrimônio: questionamentos sobre a ideia de sustentabilidade do turismo cultural. Caderno Virtual de Turismo (5)4, 43-49.

FUNDAÇÃO JOÃO PINHEIRO. Plano estratégico para o desenvolvimento sustentável do turismo em Minas Gerais. FundaçãoJoãoPinheiro. Vol.1, Belo Horizonte, 2016.

GABRIELSEN, P.; BOSCH, P. (2003) Environmental Indicators: Typology and Use in Reporting. European Environment Agency.

GAMA, M. C. F. P. (2010) Medidas de bem estar e sustentabilidade (Master dissertation).

GOMES, M. L.; MARCELINO, M. M.; ESPADA, M. G. (2000) Proposta para um sistema de indicadores de desenvolvimento sustentável. DireçãoGeraldoAmbiente.

GREEN H; HUNTER, C; MOORE, B. (1990) Assessing the environmental impact of tourism development; Use of the Delphi Technique.Tourism Management, 111-120.

HANAI, F. Y.; ESPÍNDOLA, E. L. G. (2011) Indicadores de Sustentabilidade: Conceitos, tipologias e aplicações ao contexto do desenvolvimento turístico local. Revista de Gestão Social e Ambiental (5), 135–149

HEINK, U; KOWARIK, I. (2010) What are indicators? On the definition of indicators in ecology and environmental planning.Ecological indicators (10), 584-593.

HOFFMAN, R. R.; BRADSHAW, J. M.; FORD, K. M. (2010) Metrics, Metrics, Metrics, Part 2: Universal Metrics? IEEE Computer Society.

HSU C. C.; SANDFORD, B. A. (2007) The Delphi technique: making sense of consensus. Practical Assessment, Research & Evaluation (12)10, 1-8.

IMRS - Índice Mineiro de Responsabilidade Social - Fundação João Pinheiro. Recuperado em http://imrs.fjp.mg.gov.br/Perfil/PerfilMunicipal?id=539 de 16 de setembro de 2018.

IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Ouro Preto - MG, 2018d. Recuperado em http://portal.iphan.gov.br/pagina/detalhes/373/ de 11 de setembro de 2018.

IRVING, M. A., et al. (2005) Revisitando significados em sustentabilidade no planejamento turístico.Caderno Virtual de Turismo. (5)4, 1-7.

KAYNAK, Erdener e MACAULAY, James A. (1984) The Delphi technique in the measurement of tourism market potential: The case of Nova Scotia. Revista Tourism Management, 87-101.

KHIA, K.; MONTARGOT, N. (2017) The Construction of an Emerging Tourist Destination and Its Related Human Capital Challenges. In: BELLINI, Nicola; PASQUINELL. Tourism in the City - Towards an Integrative Agenda on Urban Tourism.Springer, 123-136.

KO, T. G. (2005) Development of a tourism sustainability assessment procedure: a conceptual approach. Tourism Management, (26) 3, 431-445.

KRISTENSEN, P. (2004) The DPSIR Framework. National Environmental Research Institute, Denmark, Department of Policy Analysis; European Topic Centre on Water; European Environment Agency.

KRONEMBERGER, D. M. P. et al. (2008) Desenvolvimento Sustentável no Brasil: uma análise a partir da aplicação do Barômetro da Sustentabilidade. Sociedade & Natureza, (20)1, 25-50.

LEI MUNICIPAL DE TURISMO, LEI 971 DE 15 DE DEZEMBRO DE 2015.

LIBURG, J. J; EDWARDS, D (2010).The Future of Sustainability. In: LIBURG, Janne J.; EDWARD, Deborah. Understanding the Sustainable Development of Tourism.Goodfellow Publishers Limited, 225-237.

LIU, J. C. (1998) Hawaii Tourism to the year 2000.Tourism Management, 279 - 290.

LOHNMANN, G; PANOSSO NETTO, A. (2017) General Systems Theory and Tourism. In: LOHNMANN, G; PANOSSO NETTO, A. Tourism theory: concepts, models and systems. CABI, 3-7.

MAcCARTHY, B.L., ATTHIRAW. W. (2003) Factors affecting location decisions in international operations—a Delphi study. International Journal of Operations & Production Management, 794–818.

MACHADO, S. F.; ALVES, K. S. (2013) O turismo em Ouro Preto - Minas Gerais, Brasil - na perspectiva dos moradores. Revista Turismo e Sociedade. Curitiba (6)3, 552-573.

MACHADO, S. F.; ALVES, K. S. (2014) Turismo e Meio Ambiente: Relação de Interdependência. Revista Meio Ambiente e Sustentabilidade, (5)3, 219-241.

MAWHINNEY, M. (2005) Desenvolvimento Sustentável: Uma introdução ao debate ecológico. São Paulo: Loyola.

MILLER, G. (2001) The development of indicators for sustainable tourism: results of a Delphi survey of tourism researchers. Tourism Management (22) 4, 351-362.

NAVARRO J. E.; TEJADA, M.; ALMEIDA G. F., CABELLO G. J.; CORTÉS M.. R.; DELGADO P. J.; FERNÁNDEZ G. F.; Gutiérrez Fernández, G., Luque Gallego, M., Málvarez García, G., Marcenaro Gutiérrez, O., Navas Concha, F., Ruiz de la Rúa, F., RUIZ S. J; SOLIS B. F; (2012) Carrying capacity assessment for tourist destinations. Methodology for the creation of synthetic indicators applied in a coastal area. Tourism Management, 1337-1346.

NETO, F. O. L. (2013) Aplicação do modelo DPSIR na bacia hidrográfica do Rio Guaribas, Ceará, Brasil: subsídios para a região ambiental local - Universidade Federal do Ceará. (Master dissertation).

OCDE - Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômicos: Indicadores Ambientais. Caderno de Referência Ambiental. Salvador: Centro de Recursos Ambientais, 2002.

OLIVEIRA, F. V. (2004) Capacidade de Carga em Cidades Históricas. Caderno Virtual de Turismo. (4)1, 34-41.

OLIVEIRA, E. L.; OLIVEIRA, E. A. A. Q.; CARNIELLO, M. F. (2015) O Barômetro da Sustentabilidade Aplicado ao Município de Taubaté-SP. Desenvolvimento em Questão. Editora Unijuí. (Ano 13, n. 30), 230-264.

PASQUINELLI C.; BELLINI, N. (2017) Global Context, Policies and Practices in Urban Tourism: A Introduction. In: BELLINI, Nicola; PASQUINELLI. Tourism in the City - Towards an Integrative Agenda on Urban Tourism.Springer, 1-28.

PIRES, P. dos S. (2010) Turismo e meio ambiente: relação de interdependência. In: PHILLIPI Jr., A.; RUSCHMANN, D. V. de M. Gestão Ambiental e Sustentabilidade no Turismo (Coleção Ambiental, v. 9). Barueri, SP: Manole.

PLANO NACIONAL DE TURISMO 2018 - 2022, 2018. Recuperado de http://www.turismo.gov.br/images/mtur-pnt-web2.pdf de 23 de setembro de 2018.

PRESCOTT-ALLEN, R. (1997) Barometer of Sustainability: Measuring and communicating wellbeing and sustainable development. IUCN.

____________________. (2001) The Wellbeing of Nations: a country-by-country index of quality of life and the environment. ISLAND PRESS: Washington - Covelo - London.

ROMERO, W. F.; FORTE, M.; MARTINS, E. L. (2009) Uma Análise do Desenvolvimento Humano das Cidades Históricas Mineiras por Meio da Técnica DEA. RevistaReúna. (14)1, 45-57.

RUTY M.; GOSSLING, D. S.; HALL, C. M. (2015) The global effects and impacts of tourism An overview. In: HALL, C. Michael; GOSSLING, Stefan Gössling; SCOTT, D. TheRoutledge Handbook of Tourism and Sustainability, 36-63.

SANCHES, F. C. (2015) Turismo Rural Sustentável: Uma análise das práticas de sustentabilidade ambiental de empreendimentos no Oeste do Paraná - Universidade Estadual do Oeste do Paraná. (Master dissertation)

SANDOVAL, C. G.; ARRUDA, J. S.; SANTOS, N. C. (2009) Ouro Preto: Impactos da atividade turística em uma cidade tombada. Revista Itinerarium, (2), 1-25.

SANTOS, G. E. O.; KADOTA, D. K. (2012) Economia do Turismo (Série Turismo). São Paulo: Aleph.

SEBRAE. Agência Sebrae de Notícias. Ouro Preto lucra com eventos e recebe 500 mil turistas por ano, 2011. Recuperado de http://www.mg.agenciasebrae.com.br/sites/asn/uf/MG/ouro-preto-lucra-com-eventos-e-recebe-500-mil-turistas-por-ano,f45b478751d16410VgnVCM1000003b74010aRCRD de 24/06/2018.

SINGH, R. K.; DIKSHIT, A. K. (2009) An Overview of sustainability assessment methodologies.Ecological Indicators (2)15, 189 - 212.

SOARES, A. B.; FILHO, J. C. L. S; ABREU, M. C. S.; SOARES, F. A. (2011) Revisando a estruturação do modelo DPSIR como base para um sistema de apoio a decisão para a sustentabilidade de bacias hidrográficas. Revista em Agronegócios e Meio Ambiente, (4)3, 521-545.

TRIGUEIRO, K. (2009) Análise Econômica da Capacidade de Carga Turística na Gestão do Turismo em Cidades Históricas - Universidade de Brasília (Master dissertation).

VAN BELLEN, H. M. (2004) Desenvolvimento sustentável: uma descrição das principais ferramentas de avaliação. Ambiente & Sociedade, (7)1, 67-87.

VIEIRA, I.; RODRIGUES, A. P.; TEIXEIRA, M. S. (2015) Pequenas cidades históricas e seus visitantes: Aplicação a uma cidade histórica do Norte de Portugal. RevistaPasos (13)3, 521-540.

WEAVER, D. B. (2004) Tourism and the Elusive Paradigm of Sustainable Development. In: LEW, Alan A.; HALL, Michael C.; WILLIAMS, A. M. A Companio to Tourism.Blackwell Publishing Ltda, 510-522.

WHRIGHT, J. T. C.; GIOVINAZZO, R. A. (2000) Delphi: Uma ferramenta de apoio ao planejamento prospectivo. Caderno de Pesquisa em Administração, (1)12, 54-65.

WILSON, J.; TYEDMERS, P.; PELOT, R. (2007) Contrasting and comparing sustainable development indicator metrics. Ecological Indicators (7), 299–314.

WOUDENBERG, F. (1991) An Evaluation of Delphi Technological Forecasting and Social Change, (40), 131-150.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.