GOVERNANÇA E DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL SUSTENTÁVEL: ANÁLISE DO COMPLEXO TÊXTIL-VESTUARISTA DO ALTO VALE DO ITAJAÍ, SANTA CATARINA, BRASIL

Elaine Cristina de Oliveira Menezes, Paulo Henrique Freire Vieira

Resumo


Este artigo focaliza-se na gênese e nas transformações operadas no segmento industrial têxtil-vestuarista, na microrregião do Alto Vale do Itajaí,a partir do início dos anos de 1990. Trata-se, essencialmente, de um exercício de avaliação dos modos de coordenação e de governança atuais e dos principais impactos socioambientais gerados pela dinâmica recente deste segmento. Tal estudo fundamentou-se na abordagem teórico-metodológica do desenvolvimento territorial sustentável, mobilizando os conceitos de governança, sistemas (arranjos) produtivos locais e impactos socioambientais. A pesquisa apresenta uma abordagem qualitativa e quantitativa, aliando as técnicas de entrevistas semiestruturadas à aplicação de questionários, totalizando 86 entrevistas e 53 questionários aplicados. Os resultados do estudo demonstraram que a aglomeração industrial, em questão, é caracterizada como informal. Verifica-se, ainda, a ausência de uma governança em parceria, fruto do baixo grau de cooperação existente entre e intrafirmas, baixo nível tecnológico e frágeis mecanismos de coordenação institucionais. Além disso, a pesquisa demonstrou limitações relacionadas à articulação do complexo com a questão socioambiental e o longo prazo, identificando-se impactos diretos e indiretos sobre o meio ambiente da microrregião. Foram, também, apontadas margens de manobra que sinalizam, todavia, a possibilidade de internalização gradativa da dimensão socioambiental pelos atores locais.


Palavras-chave


Governança; Aglomeração industrial; Impacto socioambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


Andion, M. C.; Serva, M.; Lévesque, B. (2006). O debate sobre economia plural e sua contribuição para o estudo das dinâmicas de desenvolvimento territorial sustentável. Eisforia: desenvolvimento territorial sustentável: conceitos, experiências e desafios teórico-metodológicos. Florianópolis, v. 4, n. especial, dez.

Andion, M. C. (2007). Atuação das ONGs nas dinâmicas de desenvolvimento territorial sustentável no meio rural de Santa Catarina: os casos da APACO, do Centro Vianei de Educação Popular e da Agreco. Florianópolis, 2007. 385 f. (Tese de Doutorado, Programa Interdisciplinar em Ciências Humanas), UFSC, Florianópolis.

Bagnasco, A. (1999). Desenvolvimento regional, sociedade local e economia difusa. In: Cocco, G.; Urani, A. & Galvão, A. P. Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A.

Becattini, G. (2007). Distretti industriali e clusters. Recuperado em 10 out. 2007: .

Becattini, G. (1989). Les districts industriels. In: Maruani, M. et. al. La flexibilité en Italie. Paris: MIRE, Syros/Alternative.

Becattini, G. Os distritos industriais na Itália. In: Cocco, G.; Urani, A.; Galvão, A. P. (1999). Empresários e empregos nos novos territórios produtivos: o caso da Terceira Itália. Rio de Janeiro: DP&A.

Benko, G. (2001). A recomposição dos espaços. Revista Internacional de Desenvolvimento Local. v. 1, n.2, mar.

Benko, G. & Lipietz, A. (2000) La richesse des régions: la nouvelle géographie socio-économique. Paris: Économie en Liberté.

Bourque, G. L. (2000). De l’ancienne à la nouvelle économie: un processus de modernisation sociale de l’industrie. Cahiers du CRISES. Coleção Working Papers, n. ET0006, Mars.

Cazella, A.A. (2006). Contribuições metodológicas da sócio-antropologia para o desenvolvimento territorial sustentável. Eisforia: desenvolvimento territorial sustentável: conceitos, experiências e desafios teórico-metodológicos. Florianópolis, v. 4, n. especial, dez.

Courlet, C. & Soulage, B. (1994). Industrie, territoires et politiques publiques. Paris: L’Harmattan.

Courlet, C. (2001). Territoires et régions, les grands oubliés du developpement économique. Paris: L’Harmattan.

Faoro, R. (2001). Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Globo.

Gaudin, J. P. (2002). Pouquoi la gouvernance? Paris: Presses de Sciences Po.

Granovetter, M. (1973). The strenght of weak ties. In: American Journal of Sociology. V.78, n. 6.

Lastres, H. M. M. & Cassiolato, J. E.. Mobilizando conhecimentos para desenvolver arranjos e sistemas produtivos e inovativos locais de micro e pequenas empresas no Brasil. Recuperado em 11 jan. 2007: em: .

Lastres, H. M. M. & Cassiolato, J. E. (2003). Sistemas de inovação e arranjos produtivos locais: novas estratégias para promover a geração, aquisição e difusão de conhecimento. Revista Centro de Ciências Administrativas: Fortaleza: [s.n.]. v. 9, n. 2, dez. 2003. pp. 189-195.

Lemos, C. (2003). Micro, pequenas e médias empresas no Brasil: novos requerimentos de políticas para a promoção de sistemas produtivos locais. Rio de Janeiro, 2003. 269f. (Tese de Doutorado, Programa de Pós Graduação em Engenharia de Produção). UFRJ, Rio de Janeiro, 2003.

Lenzi, C. L. (2000). Em busca de novas alternativas para o Vale do Itajaí: uma reflexão a partir do debate sobre o esgotamento do “Modelo Catarinense”. In: Theis, I. M.; Mattedi, M. A. & Tomio, F. R. L. (Org.). Novos olhares sobre Blumenau. Blumenau: FURB.

Lévesque, B. (2001). Le partenariat: une tendance lourde de la nouvelle gouvernance à l’ère de la mondialisation. Enjeux et défis pour les entreprises publiques et d’économie sociale. Cahiers du CRISES, Avril.

Lins, H. N. (2005). Arranjo produtivo têxtil-vestuarista da Região do Vale do Itajaí. In: Programa Estratégico de Desenvolvimento com Base na Inovação: Relatório Geral, Florianópolis: UFSC/PPGE/NEITEC, out.

Maillat, D. (1995). Milieux innovateurs et dinamique territoriale. In: Ralet, A. & Torre, A. (Org.): Economie industrielle et economie spaciale. Paris: [Economica].

Mamigonian, A. (1965) Estudo geográfico das indústrias de Blumenau. Revista Brasileira de Geografia. Rio de Janeiro: [s.n.], v. 27, n. 3, jul./set.

Marshall, A.(1982). Princípios de economia. São Paulo: Nova Cultural.

Menezes, E. C. O. (2009). Industrialização e meio ambiente no estado de Santa Catarina: estudo de caso sobre a evolução e os impactos socioambientais do segmento têxtil-vestuarista na microrregião do Alto Vale do Itajaí. p. 317. (Tese de Doutorado) Programa de Pós-Graduação em Sociologia Política, Universidade Federal de Santa Catarina.

Pecqueur, B. (2006). A guinada territorial da economia global. Eisforia: Desenvolvimento Territorial Sustentável: conceitos, experiencias e desafios teórico-metodológicos. Florianópolis: PPGAGR, v. 4, n. Especial, dez.

Piore, M. J. & Sabel, C. F. (1984). The second industrial divide: possibilities for prosperity. New York: Basic Books.

Porter, M. (1999). Aglomerados e Competição: novas agendas para empresas, governos e instituições. In Competição. Rio de Janeiro: Campus.

Porter, M. (1990). Vantagem competitiva: criando e sustentando um desempenho superior. Rio de Janeiro: Campus.

Rais. Dados do número de empresas e emprego divisão CNAE 95. Brasília, CD Rom. 2006.

Sachs, I. (2007). Rumo à ecossocioeconomia: teoria e prática do desenvolvimento. São Paulo: Cortez.

Sachs, I. (2002). Desenvolvimento humano, trabalho decente e o futuro dos empreendedores de pequeno porte no Brasil. Brasília: SEBRAE.

Sachs, I. (1993). Estratégias de transição para o século XXI: desenvolvimento e meio ambiente. São Paulo: Studio Nobel e FUNDAP.

Sachs, I. (1992). Ecodesenvolvimento: 1972-1992. Agricultura e Meio Ambiente. Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro. Ano 1, n. 1.

Sachs, I. (1986). Ecodesenvolvimento: crescer sem destruir. São Paulo: Vértice.

Sánchez, L. E. (2006a). Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. São Paulo: Oficina de textos.

Sánchez, L. E. (2006b). Avaliação de impacto ambiental e seu papel na gestão de empreendimentos. In: VILELA JUNIOR, Alcir e DEMAJOROVIC, Jacques. Modelos e ferramentas de gestão ambiental: desafios e perspectivas para as organizações. São Paulo: Editora Senac.

Sánchez, L. E. (1989). Les roles des études d’impact des projets miniers. Paris, 1989. 305 f. (Tese de Doutorado, Economia dos recursos naturais e desenvolvimento). L’École National Superieur des Mines de Paris.

Sánchez, L. E. (1995). O processo de avaliação de impacto ambiental, seus papéis e funções. In: LIMA, Ana Luiza Borja Ribeiro; TEIXEIRA, Hilda Renck e SÁNCHEZ, Luis Enrique (org). A efetividade do processo de avaliação de impacto ambiental no estado de São Paulo: uma análise a partir de estudos de caso. São Paulo: A Secretarias.

Vanclay, F. (2003). International principles for social impact assessment. In: Impact assessment and project appraisal, v. 21, n. 1, mar.

Vieira, P. F. & Cazella, A. A. (2004)Desenvolvimento territorial sustentável: diagnóstico de potencialidades e obstáculos em zonas rurais dos estados da Paraíba e Santa Catarina. Florianópolis: [s.n.]. (Modelo de análise referente ao projeto de pesquisa - mimeo)

Vieira, P. F. & Cunha, I. J. (2002). Repensando o desenvolvimento catarinense. In: Vieira, P. F. A pequena produção e o modelo catarinense de desenvolvimento. Florianópolis: APED.

Vieira, P. F. (2006). Rumo ao desenvolvimento territorial sustentável: esboço de roteiro metodológico participativo. Eisforia: Desenvolvimento territorial sustentável: conceitos, experiências e desafios teórico-metodológicos. Florianópolis, v. 4, n. especial, dez.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Licença Creative Commons
Este obra está licenciado com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.