Educação em sexualidade e gênero na licenciatura em Ciências Biológicas: relatando uma experiência do Programa de Residência Pedagógica

Michel Mendes, Zilene Moreira Pereira Soares, Leandro Jorge Coelho

Resumo


Historicamente, os currículos dos cursos de Licenciatura em Ciências Biológicas apresentam uma ênfase no discurso biológico. No debate sobre a sexualidade, os currículos reforçam referenciais heterocisnormativos, que legitimam a heterossexualidade e a cisgeneridade como únicas formas de vivência da sexualidade e da identidade de gênero, enfatizando a polaridade entre masculino e feminino e a permanência de estereótipos na sociedade. Essa perspectiva biologizante restringe as diferentes identidades e hierarquiza expressões de gênero e sexualidade. Com vistas a promover a abordagem dessa discussão na formação inicial de professores, neste trabalho é relatada a experiência de implementação de um subprojeto de residência pedagógica intitulado “Educação em sexualidade e gênero na escola”, com vistas a refletir sobre possibilidades de introdução dessa temática na licenciatura em Ciências Biológicas. O programa está organizado em três módulos de seis meses cada, totalizando 414 horas ao longo de 18 meses, sendo descrito, neste texto, a experiência do primeiro módulo, iniciada em outubro de 2020 e finalizada em março de 2021. O subprojeto está vinculado ao curso de Licenciatura em Ciências Biológicas da Universidade Federal de Goiás, contando com a participação de 24 residentes (bolsistas), voluntários, três preceptoras (professoras da educação básica) e dois coordenadores (professores do ensino superior). As atividades foram realizadas de maneira remota, em virtude da Pandemia da Covid-19, em três escolas localizadas no município de Goiânia/GO. O desenvolvimento das atividades do subprojeto tem reforçado a ideia do Programa de Residência Pedagógica como uma possibilidade real de inclusão da temática na formação inicial de professores, além de estar contribuindo para a formação continuada das professoras preceptoras e para a inserção de discussões sobre gênero e sexualidade na escola básica.


Palavras-chave


Formação de professores; Educação em gênero e sexualidade; Residência Pedagógica; Diversidade sexual.

Texto completo:

130-151

Referências


ABE, R. S.; ARRUDA, S. M.; LIMA, M. I.; LUCAS, L. B. O desenvolvimento do interesse da docência no contexto do Programa Residência Pedagógica em Ciências Biológicas. Educação em Foco, n. 42, 2021, p. 279-299.

ARAÚJO, D. B.; COLLING, L. Por uma escola que aprenda com as diferenças. In: MACEDO, E.; RANNIERY, T. (Org.). Currículo, sexualidade e ação docente. Petrópolis: DP et Alli, 2017, p. 131-156.

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: pluralidade cultural, orientação sexual. Brasília: MEC/SEF, 1998.

BRASIL. Edital CAPES nº 06/2018 - Programa de Residência Pedagógica. CAPES, 2018. Disponível em: https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/educacao-basica/programa-residencia-pedagogica. Acesso em: 10 maio 2021.

BRASIL. Edital CAPES nº 01/2020 - Programa de Residência Pedagógica. CAPES, 2020. Disponível em: https://www.gov.br/capes/pt-br/acesso-a-informacao/acoes-e-programas/educacao-basica/programa-residencia-pedagogica. Acesso em: 10 maio 2021.

BONFIM, C. R. S. Educação sexual e formação de professores de ciências biológicas: contradições, limites e possibilidades. 267f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, 2009.

CARDOSO, M. L. M.; KIMURA, P. R. O.; NASCIMENTO, I. P. Residência Pedagógica: o estado do conhecimento sobre programa de iniciação à docência. Revista Cocar, v. 15, n. 31, p. 1-16, 2021.

COSTA, C. C. D.; GONÇALVES, S. R. V. A residência pedagógica e o pragmatismo na formação docente. Revista de Estudios y Experiencias en Educación. v. 19, n. 41, p. 307-321, 2020.

DOURADO, L. F. Formação de profissionais do magistério da educação básica: novas

diretrizes e perspectivas. Comunicação & Educação, São Paulo, v. 21, n. 1, p. 27-39, 2016.

FBSP. Anuário brasileiro de segurança pública 2020. Fórum Brasileiro de Segurança Pública. 2020. Disponível em: https://assets-dossies-ipg-v2.nyc3.digitaloceanspaces.com/sites/3/2021/04/anurio-14-2020-v1-interativo.pdf. Acesso em: 21 jun. 2021.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 68ª ed. São Paulo: Paz e Terra, 2019.

GASTALDI, A. B. F. et al. Observatório de Mortes Violentas de LGBTI+ no Brasil - 2020: Relatório da Acontece Arte e Política LGBTI+ e Grupo Gay da Bahia. In: GASTALDI, A. B. F. et al (Org.). Florianópolis: Editora Acontece Arte e Política LGBTI+, 2021. Disponível em: https://grupogaydabahia.files.wordpress.com/2021/05/observatorio-de-mortes-violentas-de-lgbti-no-brasil-relatorio-2020.-acontece-lgbti-e-ggb.pdf. Acesso em: 21 jun. 2021.

GAVA, T.; VILLELA, W. V. Educação em sexualidade: desafios políticos e práticos para a escola. Sex., Salud Soc., n. 24, 2016.

JUNQUEIRA, R. D. Homofobia nas Escolas: um problema de todos. In: JUNQUEIRA, R. D. (Org.). Diversidade sexual na educação: problematizações sobre a homofobia nas escolas. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade, UNESCO, 2009, p. 13-52.

JUNQUEIRA, R. D. “Temos um problema em minha escola: um garoto afeminado demais.” Vigilância de gênero, heteronormatividade e heterossexismo no cotidiano escolar: notas sobre a pedagogia do armário. In: MAIO, E. R.; CORREA, C. M. A. (Org.). Gênero, direitos e diversidade sexual: trajetórias escolares. Maringá: Eduem, 2013. p. 175-190.

LIBÂNEO, J. C. Didática. 2ª ed. São Paulo: Cortez, 2013.

LOURO, G. L. Gênero, sexualidade e educação: uma perspectiva pós-estruturalista. 6.ed. Petrópolis: Vozes, 2003.

LOURO, G. L. Currículo, gênero e sexualidade - o “normal”, o “diferente” e o excêntrico. In: LOURO, G. L.; FELIPE, J.; GOELLNER, S. V. (Orgs.). Corpo, gênero e sexualidade: um debate contemporâneo na educação. 6. ed. Petrópolis: Vozes, 2010. p. 41-52.

PEREIRA, Z. M. Sexualidade e gênero na pesquisa e na prática de ensino em biociências e saúde. Tese (doutorado) Ensino em Biociências e Saúde, 2014.

RANNIERY, T. “Sexualidade na escola”: é possível ir além da máquina de diferentes? In: MACEDO, E.; RANNIERY, T. (Org.). Currículo, sexualidade e ação docente. Petrópolis: DP et Alii, 2017, p. 213-238.

RANNIERY, T.; OLIVEIRA, I. V. Apresentação - Educação, democracia e diferença: torções imaginativas de gênero, sexualidade e raça. Educar em Revista, v. 36, e77226, 2020.

ROHDEN, F.; CARRARA, S. O percurso da experiência gênero e diversidade na escola: pretensões, realizações e impasses. In: ROHDEN, F. et al. Os desafios da transversalidade em uma experiência de formação online: curso Gênero e Diversidade na Escola. Rio de Janeiro: CEPESC, 2008.

RIZZA, J. L.; RIBEIRO, P. G. C.; MOTA, M. R. A. Disciplinas que discutem sexualidade nos currículos do Ensino Superior brasileiro: produzindo um diagnóstico da situação atual. Revista Linhas, Florianópolis, v. 17, n. 34, p. 197-224, 2016.

SILVA, K. A. C. P.; CRUZ, S. P. A Residência Pedagógica na formação de professores: história, hegemonia e resistências. Momento: diálogos em educação, v. 27, n. 2, p. 227-247, 2018.

SOARES, Z. M. P.; SANTOS, N. R. L.; PEREIRA, S. Documentos curriculares: gênero e sexualidade em discussão. In: LIBÂNEO, J. C.; ECHALAR, A. D. L. F.; ROSA, S. V. L.; SUANNO, M. V. R. (Org.). Em defesa do direito à educação escolar: didática, currículo e políticas educacionais em debate. 1ed. Goiânia: Gráfica UFG, 2019, v. 1, p. 83-92.

SOUZA, E. J.; DORNELES, P. G.; MEYER; D. E.E. Corpos que desassossegam o currículo de biologia: (des)classificações acerca de sexualidade e gênero. Revista e-Curriculum, São Paulo, v. 19, n. 1, p. 278-300, 2021.

TORRES, J. R.; CARRIL, L. F. B. Formação docente crítica em torno das questões de raça, etnia, gênero e sexualidade à luz da concepção de educação libertadora de Paulo Freire. Educar em Revista, v. 37, 2021, p. 1-23.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.