Construção de modelos didáticos em 3D: Um relato de experiência junto a alunos do ensino médio.

Vanina Roncaglio, Ana Lucia Crisostimo, Carlos Eduardo Bittencourt Stange

Resumo


Este artigo visa relatar e analisar uma experiência de ensino vivenciada junto ao Projeto Extracurricular “A construção de modelos didáticos na impressora 3D: uma ferramenta didática para o ensino de Ciências Naturais”, desenvolvido em um colégio da rede estadual de ensino, com alunos do Ensino Médio, em 2019, em Guarapuava, Pr. Na abordagem tradicional, estes conteúdos, como a célula, molécula e átomos, são representados em imagens em 2D, mesmo quando se trata de uma visualização histológica no Microscópio. A possibilidade do aluno visualizar e manusear uma representação atômica, por exemplo, em 3D, gera compreensão maior do conhecimento. Assim o aluno relaciona esses conteúdos com seu conhecimento prévio, produzindo aprendizagem significativa. Esses modelos não se limitam ao ensino de Ciências Naturais, se expandindo para outras disciplinas como matemática e geografia bem como auxiliar na inclusão de alunos com necessidades especiais. Mas para a construção acontecer, os alunos precisam aprender a modelar a estrutura digitalmente, em softwares específicos. Sendo assim foi realizado um projeto com alunos da 1º série do Ensino Médio com o objetivo de construir modelos em três dimensões das estruturas embrionárias por meio de uma impressora 3D e softwares online de modelagem tridimensional e apresentar na I Jornada de Inovação e Múltiplos Conhecimentos – EDUCATECH, promovida pelo Núcleo Regional de Educação de Guarapuava - PR. Com esse projeto os alunos promoveram aprendizagem significativa em embriologia, deram início a alfabetização digital, produzindo materiais didáticos não consumíveis por meio de atividades pedagógicas usando tecnologias educacionais para a modelagem em 3D.

Palavras-chave: Modelos didáticos. Impressora 3D. Aprendizagem significativa.


Palavras-chave


Modelos didáticos. Impressora 3D. Aprendizagem significativa.

Texto completo:

150-163

Referências


AGUIAR, L. de. C. Um processo para utilizar a tecnologia de impressão 3D na construção de instrumentos didáticos para o ensino de Ciências, 2016. Disponível em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/.../aguiar_ldcd_me_bauru.pdf? Acesso em: 20 de ago. 2019.

AMABIS, J. M.; MARTHO, G. R. Biologia Moderna Amabis & Martho - 1 Ensino Médio. 1. ed. São Paulo: Moderna, 2016

ARAÚJO, A. M. P.; SANTANA, A. L. A.; RIBEIRO, E. M. S. Fatores que afetam o processo de ensino no curso de Ciências Contábeis: um estudo baseado na percepção dos professores. In: CONGRESSO ANPCONT – Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Ciências Contábeis, 2009, São Paulo/SP. Anais do […]. São Paulo: III ANPCONT, 2009. CDROM.

AULER, D.; DELIZOICOV, D. Alfabetização científico-tecnológica para quê? Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, v. 3, n. 1, p. 1-13, 2001. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/epec/v3n2/1983-2117-epec-3-02-00122.pdf. Acesso em: 10 set. 2020

BACHELARD, G. A Formação do Espírito Científico: contribuições para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BORGES, A. T. Modelos mentais de eletro-magnetismo. Caderno Catarinense de Ensino de Física, v. 15, n. 1, p. 7-31, 1998.

BORGES, A. T. Novos rumos para o laboratório escolar de ciências. Caderno Brasileiro de Ensino de Física, v.19, n.13, 2002.

CARVALHO, A. M. P. de; GIL-PÉREZ, D. Formação de Professores de Ciências. Revisão Técnica: Anna Maria Pessoa de Carvalho. Tradução: Sandra Velenzuela. 4ºed. São Paulo: Cortez, 2000.

DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. P.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de Ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

FINKEL, D. Dar classe com la boca cerrada. Tradução de Óscar Barberá. Valencia: Publicacions de la Universitat de Valencia, 2008.

GILBERT, S. F. Biologia do Desenvolvimento. Ribeirão Preto, São Paulo: FUNPEC-Editora, 2002.

GRECA, I. M.; MOREIRA, M. A. Conceptos: naturaliza y aquisición. In: TEXTOS DE APOIO DO PROGRAMA INTERNACIONAL DE DOUTORADO EM ENSINO DE CIÊNCIAS da Universidade de Burgos, Espanha (Convênio UFRGS) v. 5. Porto Alegre: UFRGS, 2003. p. 3-78.

LIMA, M. E. C. de C.; MAUÉS, E. Uma releitura do papel da professora das séries iniciais no desenvolvimento e aprendizagem de ciências das crianças. Ensaio - Pesquisa em Educação em Ciências, v.8, n.2, dez. 2006.

MELLO, R. de A. Embriologia comparada e humana. Rio de Janeiro; São Paulo: Livraria Atheneu Editora, 1989. p. 289.

MOREIRA, M. A Aprendizagem significativa crítica. In: III ENCONTRO INTERNACIONAL SOBRE APRENDIZAGEM SIGNIFICATIVA, 11 a 15 set. 2000, Peniche, Lisboa. p. 33 – 45. Atas do […]. Lisboa, 2000. Disponível em http://moreira.if.ufrgs.br/apsigcritport.pdf. Acesso em 19 abril 2020.

MOREIRA, M. A. Representações Mentais, Modelos Mentais e Representações Sociais. Textos de Apoio Para Pesquisadores em Educação em Ciências. Instituto de Física, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005.

MOREIRA, M. A. O que é afinal Aprendizagem significativa? In: AULA INAUGURAL DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENSINO DE CIÊNCIAS NATURAIS, 23 abr 2010. Instituto de Física, Cuiabá: UFMG, 2010.

MOREIRA, M. A. Grandes desafios para o ensino da física na educação contemporânea. In: CILO DE PALESTRAS DOS 50 ANOS DO INSTITUTO DE FÍSICA DA UFRJ, Rio de janeiro, 2014. Disponível em: https://www.if.ufrj.br/~pef/aulas_seminarios/seminarios/2014_Moreira_DesafiosEnsinoFisica.pdf. Acesso em 27 set. 2020.

MOREIRA, M. A.; ROSA, P. R. S. Pesquisa em ensino: Métodos qualitativos e quantitativos. Subsídios metodológicos para o professor pesquisador em ensino de ciências. 1 ed. Porto Alegre, 2009. Revisado em 2016. Disponível em: http://moreira.if.ufrgs.br/Subsidios11.pdf. Acesso em 27 set. 2020.

NOVAK, J. D; GOWIN, B. D. Aprender a aprender. Tradução: Carla Valadares. Lisboa: Plátano Edições Técnicas. 1984. p. 210.

PONTE, J. P. Tecnologias de informação e comunicação na formação de professores: que desafios? Revista Iberoamericana de educación, Madrid, n. 24, p. 63-90, 2000.

SILVEIRA, R. M. C. F.; BAZZO, W. Ciência, tecnologia e suas relações sociais: a percepção de geradores de tecnologia e suas implicações na educação tecnológica. Ciência & Educação, Bauru, v. 15, n. 3, p. 681-694, 2009.

SOUTO, T. V. V.; SOUZA, M. G.; GIL, F. F. Construção de uma impressora 3D para fins didáticos. Trabalho de Conclusão de Curso – Centro Universitário Unifacvest, Lages, SC, 2019. Disponível em: www.unifacvest.edu.br› assets › uploads › files › arquivos. Acesso em 10 set. 2020.

STANGE, C. E. B; SANTOS, S. A. dos; SANTOS, J. M. T.; CRISOSTIMO, A. L. Reflexões sobre docência no ensino de Ciências. Guarapuava: Unicentro, 2015. p. 116.

TEIXEIRA, A. C. et. al. A importância da autoestima do aluno no processo ensino-aprendizagem. Revista Interação, São Paulo, ano VIII, n. 2. p. 27 – 43, 2º semestre 2013. Disponível em: https://vemprafam.com.br/ wp-content/uploads/2019/09/ OS_0010_16_fam_revista_interAtiva_n-1 0.pdf#page=27. Acesso em: 26 set. 2020.

TOULMIN, S. E. Los usos de la argumentación. Tradución: María Morrás y Victoria Pineda. Barcelona: Ediciones Península, 2007.

UNESCO BRASIL. Ensino de Ciências: o futuro em risco. 2005. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0013/001399/139948por.pdf. Acesso em: 15 set. 2020.

VIANNA, D. M. A formação do professor de ciências para o aluno de hoje. In: GOLDBACH, T; FRIEDRICH, M. P; LEITE, S. Q. M. Ensino de Ciências: saberes escolares e saberes específicos. Série Cadernos Temáticos: Debates Pedagógicos n.1. Nilópolis: CEFETEQ, 2009.

VIECHENESKI, M.; CARLETTO, M. Por que e para quê ensinar ciências para crianças. Revista Brasileira de Ensino de Ciências e Tecnologia, v. 6, n. 2, 2013. Disponível em: periodicos.utfpr.edu.br › rbect › article › download. Acesso em 16 set. 2020.

WOLPWER, L.; JESSEL, T.; LAWRENCE, P.; MEYEROWITZ, E.; ROBERTSON, E.; SMITH, J. Princípios de Biologia do Desenvolvimento. Tradução Casimiro Garcia, Sonia Garcia. 3ªed. Porto Alegre: Artmed, 2008. p. 576.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.