Judeus na literatura amazônica: sugestões metodológicas em tempos de pandemia

Silvia Helena Benchimol-Barros, Alessandra Fabrícia Conde da Silva, Sérgio Wellington Freire Chaves

Resumo


O presente estudo insere-se no domínio teórico do ensino-aprendizagem e pretende, por meio de um relato de experiência atrelado às ações do Projeto de Pesquisa Ecos Sefarditas: judeus na Amazônia, descrever experiências exitosas desenvolvidas remotamente sobre o ensino de literatura em período suigeneris de isolamento social. Ato contínuo, o estudo faz proposições ampliadas a partir das experiências realizadas que se adequam a outros segmentos e contextos educacionais. Recorre-se à tecnologia e seus recursos de considerável alcance e versatilidade para a execução dos objetivos propostos por uma metodologia qualitativa e descritiva, a qual promove reflexões sobre sistematização de práticas e propõe possibilidades viáveis de interação remota de finalidade educacional.   Como referenciais teóricos basilares estão Candido (1972), Rezende (2013), Rocha (2020), Todorov (2019) entre outros.

 Palavras-chave: Ensino de Literatura, Mediação tecnológica; Projeto de pesquisa.


Palavras-chave


Ensino de Literatura, Mediação tecnológica, Projeto de pesquisa

Texto completo:

136-149

Referências


ARAÚJO, Humberto Hermenegildo de; FERREIRA, José Luiz. O semiárido na literatura – a água dá o tom: sugestões de atividades de ensino. Natal: EDUFRN, 2013.

ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco. Tradução de Pietro Nasseti. 10. ed. São Paulo: Martin Claret, 2001.

BARTHES, R. Aula: aula inaugural da cadeira de semiologia literária do Colégio de França, pronunciada no dia 7 de janeiro de 1977; tradução e posfácio de Leyla Perrone-Moisés. São Paulo: Cultrix, 2013.

BENCHIMOL, Samuel. Eretz Amazônia. Os judeus na Amazônia. Manaus: Valer, 2008.

CANDIDO, A. A literatura e a formação do homem. São Paulo: Ciência e Cultura, 1972.

_______. “O direito à Literatura”. In: Vários escritos. São Paulo: Duas Cidades, 1995.

JAKOBSON, Roman. Linguística e comunicação. Tradução de Izidoro Blikstein e José Paulo Paes. São Paulo: Cultrix. 2003.

JAUSS, H. R. O prazer estético e as Experiências Fundamentais da Poiesis, Aesthesis e Katharsis. In: LIMA, Luis (org.). A literatura e o leitor - textos de Estética da Recepção. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.

KRISTEVA, J. Word, Dialogue and Novel. In: MOI, Toril (Org.). The Kristeva Reader. Nova Iorque: Columbia University Press, 1986. pp. 34-61.

REZENDE, N. L. de. “O ensino de literatura e a leitura literária”. In: DAL-VI, M. A.; REZENDE, N. L. de; JOVER-FALEIROS, R. (orgs). Leitura de literatura na escola. São Paulo: Parábola, 2013.

ROCHA, C. T.M.; AMADOR, F.S. O teletrabalho: conceituação e questões para análise. In: Cadernos EBAPE (FGV), v. 16, p. 152-162, 2018. Disponível em https://www.scielo.br/pdf/cebape/v16n1/1679-3951-cebape-16-01-152.pdf, acesso em 02 de junho de 2020.

SILVA, B.D. Ecologias da Comunicação e Contextos Educacionais. In: Revista Educação e Cultura Contemporânea. 2. 10.5935/reeduc.v2i3.4792, 2005.

TODOROV, T. A Literatura em Perigo. (Tradução de Caio Meira). Rio de Janeiro: DIFEL, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.