Caracterização da produção científica dos gestores de Pesquisa e de Extensão dos Institutos Federais com CI 4

Magali Inês Pessini, Luciana Calabró

Resumo


O presente artigo objetivou caracterizar a produção científica dos Gestores de Pesquisa e de Extensão dos Institutos Federais com CI 4. É de grande importância retratar o perfil desses gestores que assumem o papel de zelar pelo cumprimento da missão institucional e pelas políticas e ações institucionais de pesquisa e extensão dentro de uma proposta singular de Educação Profissional e Tecnológica, que está em plena expansão e visa à consolidação de sua estrutura. Trata-se de uma pesquisa descritiva, de abordagem quantitativa. Esta investigação se pautou da análise do cenário institucional, das características do perfil dos gestores, tais como: gênero, instituição de doutoramento e função institucional. Traçamos um percurso metodológico alicerçado no conceito de Cientometria, e constatamos que com titulação acadêmica mais elevada os gestores de Pesquisa possuem produção científica maior do que os gestores de Extensão.


Texto completo:

121-135

Referências


BARROS, A. J. P.; LEHFELD, N. A. S. Fundamentos de Metodologia: um guia para a iniciação científica. São Paulo: McGraw-Hill, 1986.

BERTI, L. C., et al. Produção científica e formação de recursos humanos na área de Bioquímica em instituições federais do Rio Grande do Sul: fomento estadual. Química Nova, v. 33, n. 3, p. 765-771, 2010.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Diário Oficial da União, 1988.

BRASIL. Lei nº 10.861, de 14 de abril de 2004. Disponível em: http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/_Ato2004-2006/2004/Lei/L10.861.htm. Acesso em: 17 abr. 2019.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Brasília: Diário Oficial da União, 2008.

BRASIL. Um novo modelo em Educação Profissional e Tecnológica concepções e diretrizes. Brasília, 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_n&view=download&alias=6691concepcaoediretrizes&category_slug=setembro20 10-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 21 out. 2017.

DEMO, P. A Nova LDB: ranços e avanços. 3. ed. Campinas: Papirus, 1997.

FERNANDES, F. C. M. Gestão dos institutos federais: o desafio do centenário da Rede Federal de Educação Profissional e Tecnológica. Holos, Fortaleza, a. 25, v. 2, p. 3-9, 2009.

FÓRUM DE PRÓ-REITORES DE EXTENSÃO DAS UNIVERSIDADES PÚBLICAS BRASILEIRAS (FORPROEX). Política Nacional de Extensão Universitária. Manaus, 2012. Disponível em: http://www.renex.org.br/documentos/2012-07-13-Politica-Nacional-de-Extensao.pdf. Acesso em: 10 out. 2017.

FUJITA, M. S. L. Aspectos evolutivos das bibliotecas universitárias em ambiente digital na perspectiva da rede de bibliotecas da UNESP. Informação & Sociedade: Estudos, João Pessoa, v. 15, n. 2, p. 97-112, jul./dez. 2005.

GALIAZZI, M. C. et al. Objetivos das atividades experimentais no ensino médio: a pesquisa coletiva como modo de formação de professores de ciências. Ciência e Educação, v. 7, n. 2, p. 249-263, 2001.

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisa. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2002.

JACOBS, D. Demystification of bibliometrics, scientometrics, informetrics and webometrics. In: DIS ANNUAL CONFERENCE., 11, 2010. Conferences […]. Richardsbay: University of Zululand, 2010. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/266877235_Demystification_ of_Bibliometrics_Scientometrics_Informetrics_and_Webometrics. Acesso em: 6 jun. 2017.

KUNZE, N. C.; CONCIANI, W. Ensino, pesquisa e extensão: uma relação possível a favor da moradia. Cadernos Temáticos, Ministério da Educação, Brasília, v. 14, p. 23-30, fev. 2007.

MEADOWS, A. J. A comunicação científica. Brasília: Briquet de Lemos, 1999.

MORAES FILHO, W. B.; SILVEIRA, H. E. Extensão na formação profissional: desafios e possibilidades. Uberlândia: EDUFU, 2011. Disponível em: https://curricularizacaoda extensao.ifsc.edu.br/files/2016/06/5_Extensao_na_Forma cao_Profissional_Desafios_e_Possibilidades.pdf. Acesso em: 10 out. 2017.

OKUBO, Y. Bibliometric Indicators and analysis of reaserchsytems: methods and examples. Paris: OECD, 1997.

SANTOS, R. N. M.; KOBASHI, N. Y. Bibliometria, cientometria, infometria: conceitos e aplicações. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, Brasília, v. 2, n. 1, p. 155-172, jan./dez. 2009.

SAVIANI, D. Tendências e correntes da educação no Brasil. In: MENDES, D. T. (coord.). Filosofia da educação brasileira. 3 ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1987. p. 19-47.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.