Reflexões da Filosofia Moderna para a Geografia Física

Alyson Bueno Francisco

Resumo


Este artigo visa apresentar reflexões da epistemologia das ciências sobre a Geografia Física, através de pensamentos dos filósofos empiristas Francis Bacon e David Hume, o racionalismo do filósofo René Descartes e as contribuições de Kant sobre as categorias de espaço e tempo. O pluralismo metodológico é importante para a Geografia devido sua amplitude temática e este texto considera a busca pelos estudos empíricos e experimentais na “árvore” e na restauração do conhecimento com base na filosofia de Francis Bacon, e a crítica à causalidade das concepções restritamente teóricas através de Hume. Descartes contribui na busca por um método como um caminho a ser percorrido visando criticar as ideias adquiridas previamente e através dos efeitos das experiências deve-se começar o estudo científico por meio de fatos particulares diante da “potência” da natureza. Na filosofia de Kant, espaço e tempo são categorias a priori necessárias aos estudos geográficos sobre a natureza. Por fim, são apresentados exemplos de estudos geográficos e suas contribuições para a cientificidade da Geografia.


Texto completo:

75-85

Referências


AB’SÁBER, A. N. O que é ser geógrafo: memórias profissionais de Aziz Ab’Sáber. Rio de Janeiro: Record, 2007.

AMORIM, M. C. C. T.; SANT’ANNA NETO, J. L.; DUBREIL, V. Estrutura térmica identificada por transectos móveis e canal termal do Landsat 7 em cidade tropical. Revista de Geografia Norte Grande, n. 43, p. 65-80, 2009.

ARISTÓTELES. Metafísica. São Paulo: Loyola, 2002, tradução de Giovanni Reale.

BACON, F. A grande restauração. Curitiba: Segesta, 2015, tradução de Alessandro Rolim de Moura.

BACON, F. Novum Organum: ou verdadeiras indicações acerca da interpretação da natureza. 2.ed. São Paulo: Abril Cultural, 1979, tradução de José Aluysio Reis de Andrade.

BACON, F. O progresso do conhecimento. São Paulo: Editora da Universidade Estadual Paulista, 2007, tradução de Raul Fiker.

CARVALHO, W. A. (coord.) Levantamento semidetalhado dos solos da bacia do Rio Santo Anastácio-SP. Presidente Prudente: Faculdade de Ciências e Tecnologia, Boletim científico n. 02, 1997.

CASTRO, S. S.; COPPER, M.; SANTOS, M. C.; VIDAL-TORRADO, P. Micromorfologia do solo: bases e aplicações. Tópicos em Ciência do Solo, n. 03, p. 107-164, 2003.

DESCARTES, R. Discurso do método. 3.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2001, tradução de Maria Ermantina Galvão.

FEYERABEND, P. Contra o método. Rio de Janeiro: Livraria Francisco Alves, 1977.

GUERRA, A. J. T. Experimentos e monitoramentos em erosão de solos. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, n. 16, p. 32-37, 2005.

HUME, D. Um tratado da natureza humana. São Paulo: Paraula, 1995, tradução de Rachel Gutierrez e José Sotero Caio.

KANT, I. Crítica da razão pura. São Paulo: Nova Cultural, 1999, tradução de Valério Rohden.

KUHN, T. A estrutura das revoluções científicas. 5.ed. São Paulo: Perspectiva, 1998, tradução de Beatriz Vianna Boeira e Nelson Boeira.

ROCHA, P. C.; SOUZA FILHO, E. Erosão marginal e evolução hidrodinâmica no sistema rio-planície fluvial no Alto Paraná-Centro Sul do Brasil. In: NUNES, J. O. R.; ROCHA, P. C. (org.) Geomorfologia: aplicação e metodologias. São Paulo: Expressão Popular, p. 133-154, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.