Processo colaborativo na obra Arengarôa (2017) – Uma performance para tororó, percussão e live electronics

Autores

  • Pedro Henrique Machado Freire Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Cleber da Silveira Campos Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Resumo

Este artigo discute aspectos práticos-interpretativos durante o processo de colaboração entre o autor (intérprete-compositor) e o compositor Caio Pierangeli, que resultou na obra Arengarôa (2017). A obra foi inspirada pela construção da performance de Microplastic PET (BURTNER, 2012). Em ambas as obras, a matéria prima composicional parte da utilização de objetos plásticos executados junto a instrumentos convencionais de percussão. Assim, descreve-se, neste artigo, as técnicas desenvolvidas e aplicadas a tais objetos, resultando numa performance para instrumentos de percussão e aparatos tecnológicos em tempo real. A metodologia se deu através da realização de oficinas de experimentação, compreendidas em três momentos: seleção dos objetos plásticos e construção das sonoridades; desenvolvimento das técnicas utilizadas e a criação da programação computacional utilizada no processamento sonoro no decorrer da obra. O resultado desta pesquisa se deu em dois aspectos concomitantes: a criação de um instrumento de percussão denominado por Tororó, desenvolvido exclusivamente para a interpretação da obra Arengarôa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Henrique Machado Freire, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Mestre pelo programa de pós-graduação em Música da UFRN e graduado em Percussão pela Universidade Federal da Paraí­ba. E-mail: pedrohenriquemfreire@gmail.com

Cleber da Silveira Campos, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Doutor e Mestre pelo NICS (UNICAMP) vem desenvolvendo sua pesquisa com ênfase na interação dos instrumentos de percussão e processos tecnológicos. Como intérprete, destacam concertos de âmbito nacional e internacional, tais como: USA, Cuba, Canadá, México, Croácia, Eslovênia, Portugal e Espanha. Atualmente é professor de Bateria e Percussão da UFRN e coordenador do Laboratório de Percussão e Performance mediada por Recursos Tecnológicos (LAPERME-UFRN). E-mail: cleberdasilveiracampos@gmail.com

Referências

AGUIAR, Danilo. Circos sobre uma Viagem Imaginária – Paisagem III (A cidade). Uberlândia, 2014. Partitura.

BEAL, T. J.; DOMENICI, C. L. A Colaboração Compositor-Intérprete: Concepções e Conceitos na Ótica de Compositores e Intérpretes. In: Salão de Iniciação Cientí­fica, 26. 2014, Porto Alegre. Resumos... Porto Alegre: UFRGS, 2014. Disponí­vel em: <http://hdl.handle.net/10183/113711>. Acesso em: 23 mar. 2017.

BITTENCOURT, Luí­s. O uso da água como fonte sonora percussiva: Análise da obra Water Music de Tan Dun. 2012. 207 f. Dissertação (Mestrado em Música) - Universidade de Aveiro, Aveiro, 2012.

BURTNER, Matthew. Broken Drum. Virginia, 2003. Partitura.

BURTNER, Matthew. Microplastic PET. Virginia, 2012. Partitura.

BURTNER, Matthew. Sxueak. Virginia, 2008. Partitura.

CAGE, John. Child of Tree. New York: Edition Peters, 1975. Partitura.

CAGE, John. First Construction (in Metal). New York: Edition Peters, 1939. Partitura.

CAGE, John. Radio Music. New York: Edition Peters, 1956. Partitura.

CAGE, John. Second Construction. New York: Edition Peters, 1940. Partitura.

CAGE, John. Silence: lectures and writings. [S.l.]: Wesleyan University Press, 1961.

CAGE, John. Water Music. New York: Edition Peters, 1952. Partitura.

CAMPOS, Cleber. Modelos de Recursividade Aplicados í Percussão com Suporte Tecnológicos. 2012. 183 f. Tese (Doutorado em Música) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2012.

CAMPOS, Cleber. Percussão Múltipla Mediada por Processos Tecnologicos. 2008. 157 f. Dissertação (Mestrado em Música) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2008.

CINTRA, Celso. Altar ou A Resposta dos Deuses. Uberlândia, 2010. Partitura.

DI SCIPIO, Agostino. "˜Sound is the interface"™: from interactive to ecosystemic signal processing. Organised Sound, v. 8, n. 3, p. 269-277, 2003.

DOMENICI, C. L. O Interprete em colaboracao com o compositor: uma pesquisa autoetnográfica. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇíO NACIONAL DE PESQUISA E PÓSGRADUAÇíO EM MÚSICA, 20. 2010, Florianópolis. Anais"¦ Florianópolis: Universidade do Estado de Santa Catarina, 2010. p. 1142-1147.

DUN, Tan. Water Music. New York: G. Schirmer, Inc., 2004. Partitura.

GARNETT, G. E. The aesthetics of interactive computer music. Computer Music Journal, v. 25, n. 1, p. 21-33, 2001.

GIOVANNINI, Saulo. Music Conretè Instrumentale: Técnicas Expandidas no Repertório para Percussão. 2016. 47 f. Dissertação (Mestrado em Música) - EMAE Politécnico do Porto, Porto, 2016.

IAZZETTA, Fernando. Música e mediação tecnológica. São Paulo: Perspectiva, 2009.

LABRADA, L. B. Possibilidades e categorias de exploração tí­mbrica: considerações sobre as relações intérprete-instrumento na performance. 2014. 85 f. Dissertação (Mestrado em Música) - Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, Instituto de Artes, São Paulo, 2014.

MEY, T. Silence Must be. Paris: Inédit, 2002. Partitura.

MORAIS, Augusto. A Colaboração Interprete-Compositor na Elaboração da Obra "Uma Lagrima" de Arthur Rinaldi. 2013. 45 f. Dissertação (Mestrado em Música) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2013.

RAY, Sônia. Colaborações compositor-performer no Século XXI: uma ideia de trajetória e algumas perspectivas. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇíO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇíO EM MÚSICA, 2010, Florianópolis. Anais... Florianópolis: ANPPOM, 2010. p. 13010-1314.

RIMOLDI, G.; MANZOLLI, J. Da Emergência da Sonoridade í s Sonoridades Emergentes: mediação tecnológica, emergentismo e criação sonora com suporte computacional. Revista Vórtex, Curitiba, v.5, n.1, 2017, p. 1-25.

RUSSOLO, L.; PRATELLA, F. B. The art of noise: futurist manifesto, 1913. [S.l.]: Something Else Press, 1967.

SEJOURNÈ, Emmanoell. Vous avez du feu?. Paris: Alfonce Production, 2007. Partitura.

SILVA, Catarina. Sete Obra Brasileiras Inéditas para Percussão: Concepção, Colaboração, e Processo de Criação de Solos para Instrumentos Marginalizados. 2014. 81 f. Dissertação (Mestrado em Música) - Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2014.

STASI, Carlos. Canção simples de Tambor. São Paulo, 1990. Partitura.

STENE, Hakon. This is not a Drum. [S.l.]: The Norwegian Academy of Music, 2014. 160 p.

TRALDI, César. Interpretação Mediada e Interfaces Tecnológicas para Percussão. 2007. 121 f. Dissertação (Mestrado em Música) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

TRALDI, César. Percussão e Interatividade Prisma: Um modelo de espaço instrumento auto-organizado. 2009. 157 f. Tese (Doutorado em Música) - Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2009.

TRALDI, C.; CAMPOS, C.; MANZOLLI, J. Os Gestos Incidentais e Cênicos na Interação entre Percussão e Recursos Visuais. In: XVII CONGRESSO DA ANPPOM, 2007, São Paulo. Anais eletrônicos... São Paulo: UNESP, 2007. Disponí­vel em: <http://antigo.anppom.com.br/anais/anaiscongresso_anppom_2007/praticas_interpretativas/pratint_CTraldi_CCampos_JManzolli.pdf >. Acesso em: 26 abr. 2017.

TRALDI, C; MANZOLLI, J. Gesto e Interpretação Mediada. In: SIMPÓSIO DE PESQUISA EM MÚSICA, 2006, Curitiba. Anais... Curitiba: Editora do Departamento de Artes da Universidade Federal do Paraná, 2006. p. 193-199.

WANDERLEY, Marcos. Instrumentos Musicais Digitais-Gestos, Sensores e Interfaces. Em Busca da Mente Musical, v. 60, p. 21, 2006.

WOLFF, Christian. Stones. Nova York, 1969. Partitura.

Downloads

Publicado

01.09.2018

Como Citar

Freire, P. H. M., & Campos, C. da S. (2018). Processo colaborativo na obra Arengarôa (2017) – Uma performance para tororó, percussão e live electronics. Revista Vórtex, 6(2). Recuperado de https://periodicos.unespar.edu.br/index.php/vortex/article/view/2611

Edição

Seção

Artigos