Exposição Fotográfica "Campo" : A Construção das Narrativas do Quintal Agroecológico da EFA Cocais e dos Saberes dos Camponeses dos Cocais de São João do Arraial-PI

Autores

  • Josenildo de Souza e Silva Universidade Federal do Delta do Parnaí­ba (UFDPar)
  • sarah jamille pacheco rocha Universidade Federal Delta do Parnaí­ba (UFDPar)

Palavras-chave:

Juventudes rurais, Quintal Agroecológico, Camponeses, Território.

Resumo

A agricultura familiar é caracterizada pela multiculturalidade e os elementos de resistência camponesa, papel fundamental no enfrentamento a exclusão, êxodo e a insustentabilidade no campo. Entretanto o processo histórico tem evidenciado perdas de memórias do que fazer camponês, dificuldade de acesso à informação e recentemente a pandemia de Covid-19 tem contribuí­do com os problemas que enfrenta a profissionalização das juventudes rurais. A museologia social tem registrado experiências de inserção de jovens rurais em espaços de diálogos e de pertencimento territorial nos campos de luta e lití­gios do campesinato. Contudo a presença de museus ocorre de forma desigual nas regiões brasileiras, o Nordeste é a terceira região em quantitativo e o Piauí­ figura com um dos estados com o menor número de museus do paí­s. Diante desse contexto, o trabalho optou pela integração da pesquisa-ação participativa com a etnografia, envolvendo juventudes rurais e as tecnologias socioambientais da unidade técnico-pedagógica do Quintal Agroecológico da EFA Cocais - PI, utilizou-se instrumentos de inventário e oficina participativas para resgatar as memórias, histórias orais, mediações pedagógicas, experimentações da museologia social e dos elementos do patrimônio cultural, para propor a construção participativa de um museu de referência da identidade cultural dos saberes do ofí­cio dos camponeses do território dos Cocais. Dentre os resultados estão a Exposição "Campo" que através do instrumento fotográfico dos jovens, dos camponeses e das tecnologias do Quintal agroecológico, promovendo intercâmbio, trocas de experiências, saberes, memórias e histórias geracionais. Tais achados subsidiaram a proposta de criação do museu de território na EFA Cocais como um instrumento de inserção social e resgate da cultura camponesa. Conclui-se que a relevância histórica e cultural do Território dos Cocais, o entrelace das juventudes rurais, o ambiente do Quintal Agroecológico e o encontro de saberes dos camponeses, contribuí­ram com a valorização e preservação do patrimônio cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Josenildo de Souza e Silva, Universidade Federal do Delta do Parnaí­ba (UFDPar)

Pós Doutor em Bioeconomia de la producción Acuí­cola pela Universidad Marista de Mérida/México, Doutor em Administración y gestión de los recursos aquí­colas y pesqueros, pela Facultad de Economí­a de la Universidad Nacional de Missiones (UNAM) AR e Universidade Federal do Rio de Janeiro – UFRJ, Graduado em Engenharia de Pesca e Licenciatura em Ciências Agrárias pela Universidade Federal Rural de Pernambuco (UFRPE), Professor da Universidade Federal do Delta do Parnaí­ba (UFDPar), no curso de Engenharia de Pesca, atua como Coordenador do Programa de Pós-graduação em Artes, patrimônio e Museologia (UFDPar). : https://orcid.org/0000-0002-7285-8909

sarah jamille pacheco rocha, Universidade Federal Delta do Parnaí­ba (UFDPar)

Mestranda em Artes, Patrimônio e Museologia da Universidade Federal do Delta do Parnaí­ba Piauí­ (UFDPar), Especialista em Patrimônio Cultural na Universidade Estadual do Piauí­ (UESPI), Graduada em Licenciatura em Educação Artí­stica com habilidade em Artes Plástica na Universidade Federal do Piauí­ (UFPI), Professora da Secretária Municipal de Educação (SEMED) Timon-MA. Orcid: https://orcid.org/0000-0003-2438-9703

Referências

ALBERTI, Verena. Manual de história oral. Editora FGV, 3ª ed., Rio de janeiro, 2013. 386 p.

BARBOSA, Ana Mae Tavares. A imagem no ensino da arte: anos 80 e novos tempo. São Paulo: Perspectiva, 2014.

BRANDÃO, Carlos Rodrigues. Pesquisa participante: a partilha do saber. In: BRANDÃO, Carlos Rodrigues, STRECK, Danilo Romeu (Org.). A pesquisa participante e a participação da pesquisa: Um olhar entre tempos e espaços a partir da América Latina.. Aparecida-SP: Ideias & Letras, 2006. p. 21-54.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasí­lia, DF: Senado Federal: Centro Gráfico, 1988.

BRASIL, Lei nº 11.904, de 14 de janeiro de 2009. Institui o Estatuto de Museus. Disponí­vel em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/lei/l11904.htm> Acesso em: 12 jan 2022.

BRULON, Bruno. Descolonizar o pensamento museológico: reintegrando a matéria para re-pensar os museus. Anais do Museu Paulista: História e Cultura Material, [S. l.], v. 28, 2020. p. 1-30. Disponí­vel em: https://www.revistas.usp.br/anaismp/article/view/155323 > Acesso em: 09 jan 2022.

CASTELLS, Manuel. O poder da identidade. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2000.

CEPRO, Fundação. Piauí­ em números. 10.ed. Teresina, 2013.

CHAGAS, Mário, PRIMO, Judite, STORINO, Cláudia, ASSUNÇÃO, Paula. A museologia e a construção de sua dimensão social: olhares e caminhos. Cadernos De Sociomuseologia, 55(11), 2018. Disponí­vel em: https://revistas.ulusofona.pt/index.php/cadernosociomuseologia/article/view/6364> Acesso em: 09 jan 2022.

FONSECA, Cláudia. (1999). Quando cada caso NÃO é um caso: pesquisa etnográfica e educação. Revista Brasileira de Educação, v.10, 1999. P. 58-78. Disponí­vel em: http://educa.fcc.org.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24781999000100005&lng=pt&tlng=pt> Acesso em: 12 jan 2022.

IBRAM, Instituto Brasileiro de Museus. Caminhos da memória: para fazer uma exposição. Brasí­lia, DF, 2017.

IBRAM, Instituto Brasileiro de Museus. Curso de Inventário Participativo. Saber Museus, Brasí­lia, DF,2020.

IPHAN, Instituto do Patrimônio Histórico e Artí­stico Nacional. Inventário nacional de referências culturais: manual de aplicação. Brasí­lia, 2000.

IPHAN, Instituto do Patrimônio Histórico e Artí­stico Nacional. Educação Patrimonial: Inventário Participativo. Brasí­lia, DF, 2016.

LE GOFF, Jacques. História e memória. 7ª ed. Campinas, SP: Editora da Unicamp, 2013.

MINAYO, Maria Cecí­lia de Souza. Pesquisa Social: Teoria, método e criatividade. v. 21. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

PIRES, Vladimir Sibylla. A museologia social, o comum e o perspectivismo da luta. Lugar Comum – Estudos de mí­dia, cultura e democracia. v. 56, 2021. p. 97-112. Disponí­vel em: https://revistas.ufrj.br/index.php/lc/article/view/41599/22556> Acesso em: 09 jan 2022.

SAQUET, Marcos Aurelio. Abordagens e Concepções de Território. 2ª Edição. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 200p.

SAQUET, Marcos Aurelio; SANTOS, Roseli Alves dos. Geografia Agrária, Território e Desenvolvimento. 1ª Edição. São Paulo: Expressão Popular, 2010. 256p.

SILVA, Josenildo Souza de. Quintais agroecológicos. Editora universitária – Edufpi, ISBN: 978-85-509-0183-1, Teresina, 2017.

THIOLLENT, Michel. Metodologia da Pesquisa-Ação.18. ed., São Paulo: Cortez, 2011.

VARINE, Hugues de. As raí­zes do futuro: O patrimônio a serviço do desenvolvimento local. Porto Alegre: Medianiz, 2013.

Downloads

Publicado

2022-06-28 — Atualizado em 2022-07-11

Versões

Edição

Seção

Artigos