Processos de Criação de Oficinas de Arte para Crianças

Autores

  • Patrícia Marchesoni Quilici Instituto de Arte Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Palavras-chave:

Oficinas de arte, Crianças, Processos de criação, Educação não formal

Resumo

Pretende-se, neste artigo, investigar processos de criação de oficinas de arte para crianças que acontecem em instituições culturais, concebidas por arte/educadores e arte/educadoras que atuam de forma autônoma. O recorte delimitado é de oficinas que envolvem um fazer artí­stico, privilegiam processos criativos e possuem um caráter experimental. São práticas que acontecem dentro do tempo livre dos participantes, em um único encontro e promovem uma interação entre as crianças e seus pais ou responsáveis adultos. Situadas na esfera da educação não formal, as oficinas são contratadas de forma pontual pelas instituições culturais de maneira que fica a cargo de proponentes a definição dos elementos que as compõem, tais como: temas, linguagens, técnicas e metodologias, culminando em um conjunto de caracterí­sticas permeado pela ausência de predeterminação. O interesse do presente trabalho é inquirir sobre como se dão os processos de criação das oficinas nesse contexto de indeterminação em um território hí­brido entre a arte e a educação. Para tanto, a fundamentação teórica propõe um encontro entre o campo de investigação dos processos de criação da arte (MARINA, 1995; SALLES, 2007), da educação pela experiência (DEWEY, 1976) e da educação não formal (TRILLA, 2008).

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Patrícia Marchesoni Quilici, Instituto de Arte Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Patrí­cia Marchesoni Quilici é mestra em Arte e Educação pelo Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista "Júlio De Mesquita Filho" (UNESP) com especialização em Curadoria e Educação em Museus de Arte (USP) e graduação em Educação Artí­stica (FAAP). Investiga atividades de arte para crianças no âmbito da educação não formal. Já coordenou o Programa Educativo do Centro Cultural Banco do Brasil S.P., do Paço das Artes, e as visitas mediadas do Centro Cultural São Paulo. Desde 2014 atua como arte/educadora e artista independente, desenvolvendo uma série de projetos artí­stico-pedagógicos para crianças, adultos, intervenções artí­stico-lúdicas, formação para educadores, projetos socioculturais e desenvolvimento de materiais, entre outros, já tendo prestado serviços para mais de trinta instituições culturais.

Referências

BARBOSA, Ana Mae (Org.). Arte/Educação contemporânea: consonâncias internacionais. São Paulo: Cortez, 2005.

DEWEY, John. Experiência e educação. 2ª edição. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1976.

HOLM, Anna Marie. Fazer e pensar arte. São Paulo: Museu de Arte Moderna, 2005.

MARINA, José Antonio. Teoria da inteligência criadora. Lisboa: Editorial Caminho, 1995.

MICHAELIS Dicionário Brasileiro da Lí­ngua Portuguesa. São Paulo: Editora Melhoramentos, 2015. Disponí­vel em: <https://michaelis.uol.com.br/moderno-portugues/>. Acesso em: 20 jan. 2021.

QUILICI, Patrí­cia M. Oficinas de arte para crianças: semeando processos criativos. Dissertação (Mestrado em Arte e Educação). Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista "Júlio de Mesquita Filho" , São Paulo, 2021.

SALLES, Cecilia Almeida. Gesto inacabado: processo de criação artí­stica. 3ª edição. São Paulo: FAPESP; Annablume, 2007.

TRILLA, Jaume. A educação não-formal. In: TRILLA, Jaume; GHANEM, Elie; ARANTES, Valéria Amorim (Org.). Educação formal e não-formal. São Paulo: Summus, 2008. p. 15-58.

Downloads

Publicado

2022-06-28 — Atualizado em 2022-07-11

Versões

Edição

Seção

Artigos