História da Arte em meio à pandemia: a experiência do Campo Remoto e da Temporada HH nos bacharelados em Artes Visuais da EMBAP/UNESPAR

Autores

Palavras-chave:

Ensino de História da Arte, Ensino Emergencial Remoto, EMBAP, UNESPAR, covid-19.

Resumo

O presente texto relata e analisa a experiência de uma das etapas do projeto de ensino Campo Remoto, realizado durante os anos de 2020 e 2021, enquanto estratégia diante do Ensino Remoto Emergencial (ERE) desencadeado em virtude da covid-19. Intitulada HH, a atividade contemplou a adaptação do ensino de História da Arte a partir de perspectivas relacionadas à aspectos das Histórias Hegemônica, Herege, Hedionda e Heterogênea. Organizado a partir de 5 encontros, o sub-projeto HH foi constituí­do de apresentações de docentes, bem como de participações de alunos e de pesquisadores de pós-graduação. Tais atividades foram pensadas em consonância com os debates sobre os limites da história e da historiografia da arte em uma perspectiva relacionada à diferença, a divergência, bem como à decolonidade e aos debates identitários em oposição ao sistema de sexo/gênero.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ricardo Henrique Ayres Alves, Universidade Estadual do Paraná

Professor do Centro de Artes da EMBAP/UNESPAR. Doutor e Mestre em Artes Visuais pela UFRGS.

Lattes:http://lattes.cnpq.br/7515345224876748

Orcid: https://orcid.org/0000-0002-4021-9168

Isadora Buzo Mattiolli, UNESPAR

Professora no Bacharelado em Artes Visuais do Centro de Artes da UNESPAR, Campus Curitiba I - EMBAP e professora na Pós-Graduação de História e Curadoria na Escola de Belas Artes da PUCPR. Mestre em História, Teoria e Crí­tica de Arte pelo PPGAV - UFRGS na Linha de Pesquisa História, Teoria e Crí­tica de Arte. Curitiba – PR, Brasil

Katiucya Perigo, UNESPAR

Professora Adjunta de História da Arte nos Bacharelados em Artes Visuais e em Museologia da UNESPAR, Campus Curitiba I - EMBAP. Possui graduação em Educação Artí­stica (1999) e mestrado em História Social da Cultura (2003). Ambos foram cursados na UFPR (Universidade Federal do Paraná), onde também realizou o doutorado em História (2008). É membro associado da ANPAP (Associação Nacional dos Pesquisadores em Artes Plásticas) no Comitê de História, Teoria e Crí­tica de Arte.

História da Arte em meio í  pandemia: a experiência do Campo Remoto e da Temporada HH nos bacharelados em Artes Visuais da EMBAP/UNESPAR

Referências

ALIAGA, Gloria Cortés. (en)clave Masculino Colección MNBA In: MUSEO NACIONAL DE BELLAS ARTES. (en)clave Masculino. Santiago, Chile: MNBA, 2016. p. 17-51.

BAIGES, Maite Méndez. Camuflage. Engaño y ocultación en el arte contemporáneo. Madrid, España: Siruela, 2007.

LUGONES, M. Rumo a um feminismo descolonial. Estudos Feministas, Florianópolis, 22(3): 320, setembro-dezembro/2014.

ROCHA, João Cezar de Castro. O Brasil mí­tico de Marinetti. Folha de São Paulo, Caderno Mais. 12 mai. 2002.

SANTOS, Boaventura de Sousa. A cruel pedagogia do ví­rus. Coimbra, Portugal: Almedina, 2020.

MATTIOLLI, Isadora. O corpo como questão: relações entre feminismos e arte contemporânea no Brasil. Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) - Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2017.

SPENCER, Si et al. Corpos. Barueri: Panini Brasil, 2017.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Edição

Seção

Dossiê Campo Remoto