Espinho-vivo: a caminho de uma poética contemporânea

Autores

  • Sandro Bottene Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Palavras-chave:

Poética contemporânea, corpo, dor, espinho, cacto.

Resumo

Este artigo, composto por três partes, aborda o fazer e o pensar da prática contemporânea. Por meio de um caminho í­ntimo e subjetivo, o discurso apresenta a poética do Garoto-cacto – uma identidade imaginada na arte – e como a materialidade rí­spida dos espinhos se torna potente e, especialmente, sensí­vel no trabalho. As ações ou os atos performáticos, por sua vez, são delineados pelo pensamento, pela superfí­cie do corpo como suporte visual e, em sua narrativa, atravessados pelo reflexo da pandemia do coronaví­rus. A pesquisa que se encontra em andamento, em suma, aborda o processo de pensar dores pessoais a partir do corpo e da estética da dor.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandro Bottene, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM

Doutorando em Artes Visuais pelo PPGART/UFSM, Linha de Pesquisa Arte e Transversalidade, com ênfase em Poéticas Visuais, Bolsista CAPES. Mestre em Artes Visuais/UFSM (2015), Linha de Pesquisa Arte e Visualidade, com ênfase em Poéticas Visuais, Bolsista CAPES. Especialista em Artes Visuais: Cultura e Criação/SENAC-Porto Alegre (2011). Bacharel em Artes Visuais/UNIJUÍ (2012), Bolsista PIBIC/UNIJUÍ. Licenciado em Artes Visuais/UNIJUÍ (2009). Possui experiência na área de Artes, subárea de Artes Visuais, com ênfase em Poéticas Visuais, atuando, principalmente, nas seguintes poéticas: Instalação, Intervenção, Livro de Artista, Performance e Pintura Experimental. Artista visual, cacticultor e pesquisador, é integrante do Grupo de Pesquisa Laboratório de Arte e Subjetividades/LASUB - UFSM/CNPq. Participou de Residências Artí­sticas (2014-2017) promovidas pelo Grupo de Pesquisa em Artes: Momentos Especí­ficos - UFSM/CNPq.E-mail: sandro.bottene@gmail.com – ORCID: https://orcid.org/0000-0001-5979-3138

Referências

Livros

BADIOU, Alain. Em busca do real perdido. Belo Horizonte: Autêntica, 2017. 61 p. (Coleção Filô)

BOURRIAUD, Nicolas. Radicante: por uma estética da globalização. São Paulo: Martins Martins Fontes, 2011. 192 p.

CHIARELLI, Tadeu. Arte internacional brasileira. 2. ed. São Paulo: Lemos Editorial, 2002. 311 p.

CHNAIDERMAN, Miriam. Inventando corpos e/ou desvelando o erótico em inquietante devassidão: o encantamento dolorido. In: PACHECO, Nazareth. Nazareth Pacheco. São Paulo: D&Z, 2003. 96 p.

HAN, Byung-Chul. Sociedade paliativa: a dor hoje. Petrópolis, RJ: Vozes, 2021. 115 p.

LE BRETON, David. Antropologia da dor. São Paulo: Fap-Unifesp, 2013. 245 p.

LÉVY, Pierre. O que é o virtual? São Paulo: Editora 34, 2011. 160 p.

TOMKINS, Calvin. As vidas dos artistas. São Paulo: BEI Comunicação, 2009. 274 p.

Artigos e/ou matéria de jornais em meio eletrônico

GULLAR, Ferreira. Dor e Arte. Folha de São Paulo, São Paulo, 7 mai. 1995. Disponí­vel em: <https://www1.folha.uol.com.br/fsp/1995/5/07/mais!/16.html>. Acesso em: 26 ago. 2021.

MENDES, Tatyane. Entenda o Shibari: método japonês de amarração do parceiro por prazer. Metrópoles, 20 out. 2018. Disponí­vel em: <https://www.metropoles.com/colunas/pouca-vergonha/entenda-o-shibari-metodo-japones-de-amarracao-do-parceiro-por-prazer>. Acesso em: 26 ago. 2021.

Downloads

Publicado

2021-10-25

Edição

Seção

Artigos em Poéticas