Arte, jogo e ludicidade: uma experiência emergencial de ensino e extensão remotos

Autores

Palavras-chave:

Ensino de arte, Jogos, Estética

Resumo

Este artigo se dedica a expor algumas reflexões acerca das relações entre arte e jogo surgidas a partir da experiência de ensino remoto emergencial intitulada Jogos, Poéticas, Estratégias e Gameficação JPEG, como parte do Campo Remoto, atividade remota emergencial desenvolvida no âmbito dos cursos de artes visuais da Universidade Estadual do Paraná – Campus Curitiba I, no ano de 2020, em razão da pandemia da Covid-19. Dessa experiência surgiu um projeto de extensão universitária chamado Fabrica Ludi, cujo objetivo é desenvolver jogos que têm por tema o universo das artes visuais. Tomando como ponto de partida as teorizações de Johann Huizinga (Homo ludens) e Roger Caillois (Os jogos e os homens) sobre os jogos, são estabelecidos paralelos com o conceito filosófico da autonomia da arte e com a presença da noção de jogo em pensadores como Friedrich Schelling e Ludwig Wittgenstein. A partir desse arcabouço teórico, são apresentados e discutidos dois jogos criados pela equipe do projeto Fabrica Ludi: The Artworld e Gira-gira da arte, em que os conceitos de "mundo da arte" de Arthur Danto e o de ironia como tropo formativo da historiografia, de Hayden White, são empregados para estabelecer situações de ludicidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fabricio Vaz Nunes, Universidade Estadual do Paraná - Campus Curitiba I - Escola de Música e Belas Artes do Paraná

Professor adjunto da Universidade Estadual do Paraná, Campus I (Escola de Música e Belas Artes do Paraná). Mestre em História da Arte pela Universidade Estadual de Campinas e Doutor em Letras pela Universidade Federal do Paraná. Atualmente desenvolve pesquisas sobre as relações entre arte e literatura, com ênfase na literatura fantástica latino-americana. Curitiba/PR, Brasil. Link para o Currí­culo Lattes: http://lattes.cnpq.br/9474013624820606.

Anderson Bogéa, Universidade Estadual do Paraná - Campus Curitiba I - Escola de Música e Belas Artes do Paraná e Campus Curitiba II - Faculdade de Artes do Paraná

Atualmente eÌ professor de EsteÌtica, Filosofia e Teoria da Arte na Universidade Estadual do ParanaÌ, em Curitiba, no Campus I (Escola de Belas-Artes do ParanaÌ) e no Campus II (Faculdade de Artes do ParanaÌ). Mestre em Filosofia pela UFPB e Doutor em Filosofia pela UFPR. EÌ membro do Núcleo de Estudos Discursivos em Arte e Design (NEDAD), e do NuÌcleo de Artes Visuais (NAVIS). Link para o Currí­culo Lattes: http://lattes.cnpq.br/5690969862394264.

Luiz Carlos Sereza, Universidade Estadual do Paraná - Campus Curitiba I - Escola de Música e Belas Artes do Paraná

Atualmente é professor de História da Arte na Universidade Estadual do Paraná, Campus I (Escola de Música e Belas Artes do Paraná). Doutor em História pela Universidade Federal do Paraná (UFPR - 2015), Mestre em História pela Universidade Federal do Paraná (UFPR - 2008). É pesquisador vinculado ao Núcleo de Artes Visuais (NAVIS). Desenvolve pesquisas nas áreas de História com ênfase em História e Cinema, História da Arte, Ficção Policial e Crime. Link para o Currí­culo Lattes http://lattes.cnpq.br/3787622957343646.

Referências

BÜRGER, P. Teoria da vanguarda. Tradução: José Pedro Antunes. São Paulo: Cosac & Naify, 2012.

CAILLOIS, R. Os jogos e os homens: a máscara e a vertigem. Tradução: Maria Ferreira. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

DANTO, A. O mundo da arte. Tradução: Rodrigo Duarte. Artefilosofia, Ouro Preto, n. 1, p. 13-25, jul. 2006.

DICKIE, G. The myth of aesthetic attitude. American Philosophical Quarterly, Champaign, IL, vol. 1, n. 1, p. 56-65, jan. 1964.

ESPAÑOL, S.; PÉREZ, D. Los juegos, los contrastes y las artes. Boletí­n de Estética, San Martí­n, no. 33, ano XI, primavera 2015.

GUYER, P. As origens da estética moderna: 1711-35. In: KIVY, Peter (org.). Estética: fundamentos e questões de filosofia da arte. Tradução: Euclides Luiz Calloni. São Paulo: Paulus, 2008. p. 27-61.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. Tradução: João Paulo Monteiro. São Paulo: Perspectiva, 2010.

KRISTELLER, P. O. O sistema moderno das artes: um estudo em história da estética. I. Tradução: Anderson Bogéa. Artefilosofia, Revista do Programa de PoÌs-Graduação em Filosofia da UFOP, n. 27, dez. 2019, p. 2-26.

KRISTELLER, P. O. O sistema moderno das artes: um estudo em história da estética. II. Tradução: Anderson Bogéa. Artefilosofia, Revista do Programa de PoÌs-Graduação em Filosofia da UFOP, n. 30, jan-dez. 2021, p. 2-24.

LONGHI, R. Caravaggio. Tradução: Denise Bottmann. São Paulo: Cosac & Naify, 2012.

NUNES, F.V.; SEREZA, L.C.; BOGÉA, A.; POSSARI, J. V.; BODNAR, T.; SANTIAGO, J., ANTUNES, D.; CASTRO, M. P. The Artworld "’ versão preliminar de teste. Curitiba, 2020. Disponí­vel em: <https://sites.google.com/view/fabricaludi/jogos?authuser=4>. Acesso em 28 set. 2021.

NUNES, F. V.; BOGÉA, A.; SEREZA, L. C.; BODNAR, T.; POSSARI, J. V.; PAULA, B.; STRAPASSON, K. Gira-gira da arte "’ regras do jogo. Curitiba, 2021. Disponí­vel em <https://sites.google.com/view/fabricaludi/jogos?authuser=4>. Acesso em 28 set. 2021.

SCHILLER, F. A educação estética do homem: numa série de cartas. Tradução: Roberto Schwarz e Marcio Suzuki. 10ª reimp. São Paulo: Iluminuras, 2017. (Biblioteca Pólen).

ROSENSTONE, R. A história nos filmes, os filmes na história. Tradução: Marcello Lino. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

WITTGENSTEIN, L. Investigações filosóficas. Tradução: Marcos G. Montagnoli. 6ª ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

WHITE, H. Meta-História: a imaginação histórica do século XIX. Tradução: José Laurênio de Melo. 2a. ed. São Paulo: EDUSP, 2008.

WHITE, H. Trópicos do discurso: ensaios sobre a crí­tica da cultura. Tradução: Alí­pio Correia de Franca Neto. 2a. ed. São Paulo: EDUSP, 2014.

WHITE, H. (2018). O passado prático. Artcultura, Uberlândia, v. 20, n.37, p. 9 - 19, jul.-dez. 2018.

Downloads

Publicado

2021-10-01

Edição

Seção

Dossiê Campo Remoto