Ninfas e Monstros: o Pós-Vida de Criaturas Fantásticas na Imaginação Humana

Autores

  • Felipe Lima Rodrigues Universidade Federal do Ceará
  • Gabriela Frota Reinaldo Universidade Federal do Ceará

Palavras-chave:

Monstro, Nachleben, Pathosformeln

Resumo

Este ensaio busca vasculhar as trevas pelas quais os monstros transitam a fim decompreender como esses seres se relacionam com as ninfas discutidas pelo historiador da arte e estudioso das imagens Aby Warburg. Ninfas e monstros compartilham caracterí­sticas como a eterealidadede seus corpos, o estranhamento causado por suas figuras e o deslocamentotemporal de suas presenças. Para Warburg, as imagens das ninfas na arte renascentistas são manifestações depathosformeln antigas, heranças do passado, engramas no sistema nervoso dos indiví­duos. Os monstros, por sua vez, trazeminscritos em seus corpos advertências ancestrais (Cohen, 2000).Mais que isso, vampiros, medusas e demônios persistem na cultura, em processo denachleben – termo caro a Aby Warburg – um processo transmissão, recepção e polarização. Assim, embora simbolicamente se situem em polos distintos, ninfas e monstros se encontram na dimensão do inesperado, do imprevisto, do acidental: enquanto as ninfas deWarburg pairam misteriosamente, flutuando imprudentemente nas obras do Quattrocento italiano como persistência do paganismo nocenário cristão, as bestas deformadas da imaginação humana espreitam nassombras prontas para saltar sobre os que cruzam os seus caminhos. O encontro com ninfas ou monstros é irreparável – dele, não saí­mos ilesos/as.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Felipe Lima Rodrigues, Universidade Federal do Ceará

Doutorando em Comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação da Universidade Federal do Ceará, Mestre em Comunicação Social pela Universidade Federal do Ceará (2018), e pós-graduação lato sensu em Artes Visuais: Cultura e Criação pelo Senac, MBA em Gestão de Marketing pela Fundação Getúlio Vargas, e em Teorias da Comunicação e da Imagem pela Universidade Federal do Ceará (2008), graduação em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade Federal do Ceará (2004) , e jornalista do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Estado do Ceará. Desenvolve projetos de Pesquisa e de Extensão nas áreas das Histórias em Quadrinhos. Lattes: http://lattes.cnpq.br/1870338414302204. Orcid: https://orcid.org/0000-0001-8583-989X . E-mail: felipelima2005@gmail.com.

Gabriela Frota Reinaldo, Universidade Federal do Ceará

Doutora em Comunicação e Semiótica pela Pontifí­cia Universidade Católica de São Paulo (Bolsista Fapesp 1998 - 2002), Gabriela Reinaldo é professora do Instituto de Cultura e Arte, o ICA, da Universidade Federal do Ceará (UFC), onde é professora na graduação e Programa de Pós-Graduação em Comunicação e coordena o Imago - laboratório de estudos de estética e imagem (http://dgp.cnpq.br/dgp/espelhogrupo/3220389528083591), que abriga, entre outros projetos de pesquisa, os projetos "Tradução Intersemiótica: a relação palavra e imagem" e "As faces do rosto". Realizou doutorado sanduí­che na Université Paris X (1998) e estágio pos-doutoral sênior na condição de professora visitante no Departamento de História da Arte da Universidade de Cambridge - UK, onde investigou as representações do Brasil feitas pelos artistas cientistas do século XIX, especialmente C.F.P von Martius (projeto intitulado "O olhar naturalista e o seu legado para a ciência e para a ficção", Estágio Sênior no exterior, Bolsa Capes - agosto de 2013 a agosto de 2014). Neste perí­odo, também pesquisou e participou de eventos no The Warburg Institute, ligado í  Universidade de Londres. Tem experiência na área de Semiótica, com ênfase em Comunicação Social atuando principalmente nos seguintes temas: Semiótica peirceana, Semiótica da Cultura, Mito, Tradução Intersemiótica e entre culturas, Literatura, Vilém Flusser e João Guimarães Rosa. Currí­culo Lattes: http://lattes.cnpq.br/3885064446506872. Orcid: https://orcid.org/0000-0003-3663-0314. E- mail: gabriela.reinaldo@gmail.com.

Referências

AGAMBEN, G. Aby Warburg e a ciência sem nome. In: BARHOLOMEU, C. (org.). Dossiê Aby Warburg. Revista Arte e Ensaios. Rio de Janeiro, n. 19, p. 132-143, jan. 2010.

AGAMBEN, G. Signatura rerum: sobre el método. Barcelona: Anagrama, 2010a.

AGAMBEN, Giorgio. Ninfas. São Paulo, Hedra, 2012.

BURKE, E. A Philosophical Enquiry into the Origin of Our Ideas of the Sublime and Beautiful. Oxford, Oxford UK, 1998.

COHEN, J. J. A cultura dos monstros: sete teses. In: SILVA, T. (org.). Pedagogia dos monstros: os prazeres e os perigos da confusão de fronteiras. Belo Horizonte: Autêntica, 2000.

DIDI-HUBERMAN, G. Diante da imagem: questão colocada aos fins de uma história da arte. São Paulo: Editora 34, 2013.

HANAFI, Z. The Monster in the Machine: Magic, Medicine and the Marvelous in the Time of the Scientific Revolution. Durham: Duke University Press, 2000.

JOHNSON, C. D. Mnemosyne - meanderings through Aby Warburg´s Atlas: a biographical fragment. A Biographical Fragment. 2013-2016. Disponí­vel em: <https://warburg.library. cornell.edu/about/aby-warburg>. Acesso em: 01 jan. 2021.

JOHNSON, C. D. Ten panels from the Mnemosyne Atlas: browse themes sequence 3 (2 of 2). Browse themes sequence 3 (2 of 2). 2013-2016. Disponí­vel em: <https://warburg.library.cornell.edu/image-group/panel-79-sequence-3-2-2>. Acesso em: 01 jan. 2021.

KANT, I. Crí­tica da Faculdade do Juí­zo. São Paulo, Forense Universitária, 2012.

LOVECRAFT, H. P. O caso de Charles Dexter Ward. In: DOLHNIKOFF, Luis (org.). Os melhores contos de H. P. Lovecraft. São Paulo: Editora Hedra, 2014.

SHELLEY, M. Frankenstein. Traduc?a?o: Me?cio Araujo Jorge Honkins. Porto Alegre: L&PM, 1997.

STEVENSON, R. L. O Médico e o Monstro. São Paulo: Martin Claret, 2000.

STOKER, B. Dracula. Cupertino: Apple Books Classic, 2020. E-Book. Acesso em 16 out 2020.

TEIXEIRA, F. C. Aby Warburg e a pós-vida das Pathosformeln antigas. História da Historiografia: International Journal of Theory and History of Historiography, v. 3, n. 5, p. 134-147, 13 de setembro de 2010.

WARBURG, A. Dürer e a arte italiana. In: WAIZBORT, Leopoldo (org.). História de fantasma para gente grande: escritos, esboços e conferências. Tradução de Lenin Bicudo Bárbara. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

WARBURG, A. L´art du portrait. Essais Florentins. Paris: Klincksieck, 2003.

WARBURG, A. A ninfa: uma troca de correspondências entre André Jolles e Aby Warburg. A presença do antigo – escritos inéditos – volume 1. Campinas, editora da Uncamp, 2018 [essas correspondências também podem ser acessadas no projeto

WARBURG, A. Ninfa Fiorentina: Fragmentos de um projecto sobre Ninfas, trad. A. Morão, Lisboa: KKYM, 2012. Disponí­vel em <https://proymago.pt/Warburg-Txt-3>. Acesso em 29 mai 2020].

Downloads

Publicado

2021-11-19

Edição

Seção

Ensaios