Do objeto real ao museu imaginário:a docência no ensino superior durante a pandemia do COVID-19

Autores

  • Ana Paula Peters UNESPAR- CAMPUS DE CURITITIBA I - EMBAP
  • Luana Caroline Damião UNESPAR- CAMPUS DE CURITIBA I - EMBAP
  • Vivian Letícia Busnardo Marques UNESPAR - CAMPUS DE CURITIBA I - EMBAP

Palavras-chave:

Objeto, Museu, pandemia COVID-19, Ensino superior

Resumo

Resumo: O presente artigo trata das possibilidades do ensino remoto emergencial devido à pandemia do COVID-19 para o curso de Bacharelado em Museologia da UNESPAR - Campus de Curitiba I/EMBAP. Através da possibilidade de integração virtual neste momento pandêmico, gerou-se um trabalho transdisciplinar entre as professoras das disciplinas de "Museu, Patrimônio, História e Memória" , "Documentação Museológica I" e "Administração Cultural e Marketing" , com o projeto e criação do módulo de ensino intitulado "Do objeto real ao museu imaginário" , ministrada para o segundo ano do curso de Bacharelado em Museologia. A problemática do presente projeto foi desenvolver uma aprendizagem significativa propondo que cada estudante buscasse um objeto expressivo em sua própria casa, onde encontrava-se em isolamento, para que o módulo se torne atraente e investigativo para o ensino remoto e aos temas essenciais de cada uma das disciplinas que compunham este trabalho. Os objetivos principais do módulo foram construir uma trajetória de ensino em volta do objeto, desde a análise e desenvolvimento da sua documentação museológica, suas caracterí­sticas patrimoniais e referenciais da memória, finalizando com a sua difusão. A atividade avaliativa dessa proposta foi apresentada nos encontros finais do módulo, quando esta metodologia foi aplicada na constituição de um museu imaginário.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Ana Paula Peters, UNESPAR- CAMPUS DE CURITITIBA I - EMBAP

Doutora em História. Mestre em Sociologia. Docente do Colegiado de Bacharelado em Museologia. UNESPAR.

Luana Caroline Damião, UNESPAR- CAMPUS DE CURITIBA I - EMBAP

Mestre em Comunicação e Museóloga. Docente do Colegiado de Bacharelado em Museologia. UNESPAR.

Vivian Letícia Busnardo Marques, UNESPAR - CAMPUS DE CURITIBA I - EMBAP

Doutoranda em Patrimônio Cultural e Sociedade. Mestre em Comunicção e linguagens Midiáticas.Docente do Colegiado em Museologia da UNESPAR- Campus de Curitiba I - Embap.

Referências

AUSUBEL, D. P.; NOVAK, J. D. e HANESIAN, H. Psicologia Educacional. Rio de Janeiro: Editora Interamericana, 2. ª edição,1980.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇíO. Educação Superior í Distância. Disponí­vel em: <http://portal.mec.gov.br/instituicoes-credenciadas/educacao-superior-a-distancia>. Acesso em 28 set. 2020.

BRASIL. MINISTÉRIO DA CULTURA. Polí­tica Nacional de Museus. MINC. IPHAN, Brasí­lia, 2007.

BRASIL. Lei nº 8.313, de 23 de dezembro de 1991. Restabelece princí­pios da Lei n° 7.505, de 2 de julho de 1986, institui o Programa Nacional de Apoio í Cultura (Pronac) e dá outras providências. Disponí­vel em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L8313compilada.htm >. Acesso em 29 abr. 2021.

BRASIL. MINISTÉRIO DA EDUCAÇíO. Portaria nº 343, de 17 de março de 2020. Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronaví­rus - COVID-19. Disponí­vel em: <https://www.in.gov.br/en/web/dou/-/portaria-n-343-de-17-de-marco-de-2020-248564376>. Acesso em 28 set. 2020.

CHAGAS, Mário de Souza. O Campo de Atuação da Museologia. In: Cadernos de Sociomuseologia, v.2, n. 2, 1994.

COMITÊ INTERNACIONAL DE DOCUMENTAÇíO (CIDOC). CONSELHO INTERNACIONAL DE MUSEUS (ICOM). Declaração dos princí­pios de documentação em museus e Diretrizes internacionais de informação sobre objetos: categorias de informação do CIDOC. São Paulo: Secretaria de Estado da Cultura de São Paulo; Associação de Amigos do Museu do Café; Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2014.

DELGADO, Lucilia de Almeida Neves. História oral: memória, tempo, identidades. Belo Horizonte: Autêntica, 2006.

FERREZ, Helena Dodd. Documentação Museológica: teoria para uma boa prática. In: IV Fórum de Museus do Nordeste. Recife, 1991.

NUNES, Patrí­cia Lavrador Teixeira. Elaboração de um plano de marketing cultural para o Museu da Marinha. Lisboa: Escola Superior de Comunicação Social, 2010.

OSTERMANN, F.; CAVALCANTI, C. J. de H. Teorias de Aprendizagem. Porto Alegre: Evangraf; UFRGS, 2011.

PADILHA, Renata Cardozo. Documentação Museológica e Gestão de Acervo. Florianópolis: FCC, 2014.

PELEGRINI, Sandra C. A. O patrimônio cultural e a materialização das memórias individuais e coletivas. Patrimônio e Memória. UNESP – FCLAs – CEDAP, v.3, n.1, 2007.

PINTO, Helena. Educação Patrimonial e Ensino de História: leituras do passado através do património cultural local. 2019. OPSIS (Online), Catalão-GO v. 19 (1), 1–21. ISSN: 2177-5648. https://doi.org/10.5216/o.v19i1.53435

SANTOS, Myriam Sepúlveda dos. A escrita do passado em museus históricos. Rio de Janeiro: Garamond, MinC, IPHAN, DEMU, 2006.

SOUSA, Juliane Gomes da; PINHO, Maria José de. Interdisciplinaridade e Transdisciplinaridade como fundamentos na ação pedagógica: aproximações teórico conceituais. Signos, Lajeado, ano 38, n. 2, p. 93-110, 2017.

Downloads

Publicado

2021-09-14

Edição

Seção

Artigos