A "Odisseia" de Ai Weiwei: fórmulas antigas entre o épico e o trágico na arte contemporânea

Autores

  • Sandra Makowiecky Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Artes Departamento de Artes Visuais
  • Luana Maribele Wedekin Professora adjunta da Universidade do Estado de Santa Catarina. Teoria e História da arte. Centro de Artes Departamento de Arts Visuais

Palavras-chave:

Ai Weiwei, Pathosformeln, Aby Warburg e arte contemporânea, Épico na arte contemporânea, Trágico na arte contemporânea.

Resumo

Na mostra "Raiz" (2018), de Ai Weiwei na Oca, São Paulo, o visitante podia contemplar um grande mural estampado em adesivo viní­lico que cobria um elemento arquitetônico da edificação. Tratava-se da obra "Odisseia" (2017), cujo tema central é a crise contemporânea de refugiados. Consiste numa sequência de figuras, tratadas em preto e branco como silhuetas bidimensionais que lembram as antigas pinturas em cerâmica gregas, nas quais vemos cenas de guerra, ruí­nas, viagem, travessia marí­tima, campos de refugiados e manifestações. Para o argumento deste artigo, aproximamos Ai Weiwei de Aby Warburg. Podemos identificar nas silhuetas de "Odisseia" diversas fórmulas depathos(pathosformeln): a agressão e a defesa; o gesto da proteção (anjo e criança); a ninfa canéfora; o herói morto e as formas de luto. Parece-nos pertinente, então, retornar à questão perseguida por Warburg durante sua vida sobre a restituição do antigo, dessa vez no contemporâneo. Como e por que essas formas/fórmulas antigas retornam? A pertinência do problema de Warburg toca uma concepção de história da arte que se debruça sobre as experiências da comoção humana. O ativismo deWeiwei é pensado à luz das categorias de épico e trágico como descritas por George Steiner acerca de Tolstói e Dostoiévski.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sandra Makowiecky, Universidade do Estado de Santa Catarina Centro de Artes Departamento de Artes Visuais

Professora titular da Universidade do Estado de Santa Catarina. Teoria e História da arte.Centro de ArtesDepartamento de ArtDesigns Visuais

Luana Maribele Wedekin, Professora adjunta da Universidade do Estado de Santa Catarina. Teoria e História da arte. Centro de Artes Departamento de Arts Visuais

Professora adjunta da Universidade do Estado de Santa Catarina. Teoria e História da arte. Centro de Artes Departamento de Design

Referências

AGAMBEN, G. O que resta de Auschwitz: o arquivo e a testemunha. São Paulo: Boitempo, 2008.

AI WEIWEI: AT SEA. Disponí­vel em https://vimeo.com/470501346. Acesso em: 22 out. 2020. Ví­deo.

DANTAS, M. (org.). Raiz Weiwei. São Paulo: Ubu Editora, 2018.

DIDI-HUBERMAN, G. Que emoção! Que emoção? São Paulo: Editora 34, 2016.

DIDI-HUBERMAN, G. (org.). Levantes. São Paulo: Edições Sesc São Paulo, 2017.

DIDI-HUBERMAN, G. Imagens apesar de tudo. São Paulo: Editora 34, 2020.

DUARTE, P. O que faz de uma obra um clássico? Revista Poiésis, Niterói, n. 11, p.191-196, nov. 2008.

HOMERO. Odisseia. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2011.

HURTTIG, M. A. Introduction. In: HURTTIG, Marcus Andrew (org.). Antiquity Unleashed: Aby Warburg, Dürer and Mantegna. London: The Courtauld Gallery, 2013. p. 13-22.

MULLER, S. Deslocamentos humanos: a Odisseia de Ai Weiwei. Ide (São Paulo), São Paulo, v. 40, n. 66, p. 71-74, dez. 2018. Disponí­vel em:

http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-31062018000200007&lng=pt&nrm=iso. Acesso em: 25 out. 2020.

OBRIST, H. U. Prefácio. In: WEIWEI, A. Ai Weiwei: Entrevistado por Hans Ulrich Obrist. Rio de Janeiro: Cobogó, 2018. p. 11-14.

ODYSSEY. Disponí­vel em: https://vimeo.com/470932544. Acesso em: 22 out.2020. Ví­deo.

ODYSSEY: Ai Weiwei a Palermo - ZAC Cantieri Culturali della Zisa (Slide show). Disponí­vel em: https://www.youtube.com/watch?v=ah1rxUFENd4. Acesso em: 22 out. 2020. Ví­deo.

PROUST, M. À sombra das raparigas em flor. Rio de Janeiro: Editora Globo, 1988.

STEINER, G. Tolstói ou Dostoiévski: um ensaio sobre o velho criticismo. São Paulo: Perspectiva, 2006.

SOCIAL SCULPTURE. Art Term: Tate. Disponí­vel em: https://www.tate.org.uk/art/art-terms/s/social-sculpture Acesso em: 02 nov. 2020.

WARBURG, A. Dürer e a Antiguidade italiana (1905). In: WARBURG, A. A Renovação da Antiguidade Pagã. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013. p. 435-445.

WARBURG, A. Mnemosyne. O Atlas das imagens. Introdução. In: WARBURG, A. A presença do antigo. Campinas: UNICAMP, 2018. p. 217-229.

WEIWEI, A. Ai Weiwei: Entrevistado por Hans Ulrich Obrist. Rio de Janeiro: Cobogó, 2018.

WINCKELMANN, J. J. Réflexions sur l"™imitation des oeuvres grecques en pinture et en sculpture. Paris: Aubier, 1990.

Downloads

Publicado

2021-05-25

Edição

Seção

Artigos