Levantamento etnobotânico do consumo de plantas medicinais utilizadas na cidade de Colorado, Paraná.

Autores

  • Franciele Zanardo Bohm UNESPAR, Paranavaí­
  • Yasmin de Oliveira Universidade Estadual do Paraná

Resumo

A utilização de plantas medicinais pelas populações humanas é descrita desde antigas civilizações, sendo o conhecimento sobre o uso terapêutico das plantas, muitas vezes, transmitido ao longo das gerações. A etnobotânica busca identificar a relação entre as plantas e comunidades de uma determinada região. O objetivo deste trabalho foi identificar as formas de obtenção e consumo das principais plantas medicinais utilizadas pela população do municí­pio de Colorado, Paraná e disseminar através da elaboração de uma cartilha, informações seguras que incentive o consumo das plantas medicinais. A metodologia empregada neste trabalho consistiu em uma pesquisa de campo aplicando-se um questionário do tipo quantitativo-qualitativo semi-estruturado. O perí­odo de coleta de dados foi de outubro a dezembro de 2020 e foram investigados 80 voluntários, maiores de 18 anos, que aceitaram participar da pesquisa. A análise dos dados obtidos, mostrou que 54 espécies são utilizadas pela população contra males diversos (dores, resfriados, cólicas, etc. Nota-se que a utilização de plantas medicinais é bastante diversificada entre os entrevistados, havendo grande importância de levar o conhecimento sobre uso adequado e grandiosidade do potencial terapêutico das plantas medicinais, bem como, possí­veis efeitos tóxicos, visto que, a população em sua maioria ainda os desconhecem ou acreditam que tais efeitos não existam por se tratar de produtos naturais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Franciele Zanardo Bohm, UNESPAR, Paranavaí­

Professora Adjunto D do colegiado de Ciências Biológicas do campus de Paranavaí­.

Doutora em Ciências Biológicas, com experiências nas áreas de Fisiologia Vegetal e Biologia Celular.

Yasmin de Oliveira, Universidade Estadual do Paraná

Acadêmica do quarto ano do curso de Ciências Biológicas. Aluna do Programa de Iniciação cientí­fica -PIC.

Referências

AGENDA 2030. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Disponí­vel em . Acesso em 12 mai. 2021.

ALMEIDA, M.Z. Plantas Medicinais. 2. ed. - Salvador: EDUFBA, 2003.

ALMEIDA, M.Z. Plantas Medicinais [online]. 3rd ed. Salvador: EDUFBA, 2011, 221 p. ISBN 978- 85-232-1216-2. Available from SciELO Books.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 971, de 3 de maio de 2006. Aprova a Polí­tica Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, n. 84, seção 1, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Polí­tica nacional de plantas medicinais e fitoterápicos / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica. – Brasí­lia: Ministério da Saúde, 2006. 60 p

BRASIL. Ministério da Saúde. RENISUS. Relação nacional de plantas medicinais de interesse ao SUS. Espécies vegetais, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasí­lia: Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira / Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasí­lia: Anvisa, 2011. 126p.

BRAGA, C. M. Histórico da utilização de plantas medicinais. 24 f. Monografia (Licenciatura em Ciências Biológicas) - Consórcio Setentrional de Educação a Distância, Universidade de Brasí­lia, Universidade Estadual de Goiás, Brasí­lia, 2011.

CAMPOS, H. S. Gripe ou resfriado? Sinusite ou rinite? JBM. v. 102. n. 1. p. 41-50. 2014.

CONCEIÇíO, S. F. S. M. Efeitos do Gengibre, do Alho e do Funcho na Saúde. 2013. Tese de Doutorado. [sn].

CZELUSNIAK, K. E; BROCCO A; PEREIRA, D. F.; FREITAS, G. B. L. Farmacobotânica, fitoquí­mica e farmacologia do Guaco: revisão considerando Mikania glomerata Sprengel e Mikania laevigata Schulyz. Revista Brasileira de Plantas Medicinais [online]. vl.14. n.2. 2012.

COSTA, A. G.; CHAGAS, J. H.; PINTO, J. E. B. P.; BERTOLUCCI, S. K. Crescimento vegetativo e produção de óleo essencial de hortelã pimenta cultivada sob malhas. Pesquisa agropecuária brasileira, v. 47, p. 534-540, 2012.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatí­stica: Colorado, Paraná Brasil. 2017. Disponí­vel em . Acesso em 12 mai. 2021.

FIRMO, W. D. C. A.; DE MENEZES, V. D. J. M.; DE CASTRO PASSOS, C. E.; DIAS, C. N., ALVES, L. P. L.; DIAS, I. C. L.; OLEA, R. S. G. Contexto histórico, uso popular e concepção cientí­fica sobre plantas medicinais. Cadernos de pesquisa, 2012.

KINUPP, V. F. Plantas Alimentí­cias Não Convencionais (PANC) no Brasil: Guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. Instituto Plantarum de Estudos da Flora, São Paulo, 2014.

KINUPP, V. F. Plantas alimentí­cias não-convencionais da região metropolitana de Porto Alegre, RS. Tese de doutorado. UFMG, Faculdade de Agronomia: 2007.

LINS, A. D. F.; OLIVEIRA, M. N.; FERNANDES, V. O.; ROCHA, A. P. T.; SOUSA, F. C.; MARTINS, A. N. A.; NUNES, E. N. Quantificação de compostos bioativos em erva cidreira (Melissa officinalis L.) e capim cidreira [Cymbopogon citratus (dc) Stapf.]. Gaia Scientia, v. 9, n. 1, p. 17-21, 2015.

LOCATELLI, L. Indicações geográficas: a proteção jurí­dica sob a perspectiva do desenvolvimento Econômico. Curitiba: Juruá, 2008.

LORENZI, H; MATOS, F. J A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Instituto Plantarum. 2. ed. Nova Odessa, SP: 2008.

MACIEL, M. A. M.; PINTO, A. C.; VEIGA JR, V. F.; GRYNBERG, N. F.; ECHEVARRIA, A. Plantas medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Quí­mica Nova, v. 25, n. 3, p. 429-438, 2002.

MATSUCHITA, H. L. P.; MATSUCHITA, A. S. P. A Contextualização da Fitoterapia na Saúde Pública. Uniciências, v. 19, n. 1, 2015.

MONTEIRO, S. D. C.; BRANDELLI, C. L. C. Farmacobotânica: Aspectos teóricos e aplicação. Porto Alegre: Artmed, 2017.

ROCHA, J. A.; BOSCOLO, H. O.; FERNANDES, L.R.R.M. Etnobotânica: um instrumento para valorização e identificação de potenciais de proteção do conhecimento tradicional. Interações (Campo Grande), v. 16, n. 1, p. 67-74, 2015.

SILVA, J.; MARTINS E. Medicine in ancient Mesopotamia-part 2. Acta Médica Portuguesa, v. 23, n. 1, p. 125-40, 2010.

SOUZA, M. R. D. M.; CORREA, E. J. A.; GUIMARíES, G.; PEREIRA, P. R. G. O Potencial do Ora-pro-Nóbis na Diversificação da Produção Agrí­cola Familiar. Revista Brasileira de Agroecologia. v. 4. n. 2. p. 3550-3554. 2009.

SOUZA, D. T. B.; DE MORAIS L. J.; ARAÚJO, A. S. Ansiedade e Alimentação: Uma análise interrelacional. II Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde (anais). Editora Realize: 2017.

VALE, N. B. A farmacobotânica, ainda tem lugar na moderna anestesiologia? Revista Brasileira de Anestesiologia, v. 52, n. 3, p. 368-380, 2002.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Traditional and alternative medicine. Geneva: WHO, 2002. (Fact Sheet, n. 271).

Downloads

Publicado

08-04-2022

Edição

Seção

Artigos