Levantamento etnobotânico do consumo de plantas medicinais utilizadas na cidade de Colorado, Paraná.

Autores

  • Franciele Zanardo Bohm UNESPAR, Paranavaí­
  • Yasmin de Oliveira Universidade Estadual do Paraná

Resumo

A utilização de plantas medicinais pelas populações humanas é descrita desde antigas civilizações, sendo o conhecimento sobre o uso terapêutico das plantas, muitas vezes, transmitido ao longo das gerações. A etnobotânica busca identificar a relação entre as plantas e comunidades de uma determinada região. O objetivo deste trabalho foi identificar as formas de obtenção e consumo das principais plantas medicinais utilizadas pela população do municí­pio de Colorado, Paraná e disseminar através da elaboração de uma cartilha, informações seguras que incentive o consumo das plantas medicinais. A metodologia empregada neste trabalho consistiu em uma pesquisa de campo aplicando-se um questionário do tipo quantitativo-qualitativo semi-estruturado. O perí­odo de coleta de dados foi de outubro a dezembro de 2020 e foram investigados 80 voluntários, maiores de 18 anos, que aceitaram participar da pesquisa. A análise dos dados obtidos, mostrou que 54 espécies são utilizadas pela população contra males diversos (dores, resfriados, cólicas, etc. Nota-se que a utilização de plantas medicinais é bastante diversificada entre os entrevistados, havendo grande importância de levar o conhecimento sobre uso adequado e grandiosidade do potencial terapêutico das plantas medicinais, bem como, possí­veis efeitos tóxicos, visto que, a população em sua maioria ainda os desconhecem ou acreditam que tais efeitos não existam por se tratar de produtos naturais.

Biografia do Autor

Franciele Zanardo Bohm, UNESPAR, Paranavaí­

Professora Adjunto D do colegiado de Ciências Biológicas do campus de Paranavaí­.

Doutora em Ciências Biológicas, com experiências nas áreas de Fisiologia Vegetal e Biologia Celular.

Yasmin de Oliveira, Universidade Estadual do Paraná

Acadêmica do quarto ano do curso de Ciências Biológicas. Aluna do Programa de Iniciação cientí­fica -PIC.

Referências

AGENDA 2030. Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Disponí­vel em . Acesso em 12 mai. 2021.

ALMEIDA, M.Z. Plantas Medicinais. 2. ed. - Salvador: EDUFBA, 2003.

ALMEIDA, M.Z. Plantas Medicinais [online]. 3rd ed. Salvador: EDUFBA, 2011, 221 p. ISBN 978- 85-232-1216-2. Available from SciELO Books.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria nº 971, de 3 de maio de 2006. Aprova a Polí­tica Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, n. 84, seção 1, 2006.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Polí­tica nacional de plantas medicinais e fitoterápicos / Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Assistência Farmacêutica. – Brasí­lia: Ministério da Saúde, 2006. 60 p

BRASIL. Ministério da Saúde. RENISUS. Relação nacional de plantas medicinais de interesse ao SUS. Espécies vegetais, 2009.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasí­lia: Ministério da Saúde, 2009.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopéia Brasileira / Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Brasí­lia: Anvisa, 2011. 126p.

BRAGA, C. M. Histórico da utilização de plantas medicinais. 24 f. Monografia (Licenciatura em Ciências Biológicas) - Consórcio Setentrional de Educação a Distância, Universidade de Brasí­lia, Universidade Estadual de Goiás, Brasí­lia, 2011.

CAMPOS, H. S. Gripe ou resfriado? Sinusite ou rinite? JBM. v. 102. n. 1. p. 41-50. 2014.

CONCEIÇíO, S. F. S. M. Efeitos do Gengibre, do Alho e do Funcho na Saúde. 2013. Tese de Doutorado. [sn].

CZELUSNIAK, K. E; BROCCO A; PEREIRA, D. F.; FREITAS, G. B. L. Farmacobotânica, fitoquí­mica e farmacologia do Guaco: revisão considerando Mikania glomerata Sprengel e Mikania laevigata Schulyz. Revista Brasileira de Plantas Medicinais [online]. vl.14. n.2. 2012.

COSTA, A. G.; CHAGAS, J. H.; PINTO, J. E. B. P.; BERTOLUCCI, S. K. Crescimento vegetativo e produção de óleo essencial de hortelã pimenta cultivada sob malhas. Pesquisa agropecuária brasileira, v. 47, p. 534-540, 2012.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatí­stica: Colorado, Paraná Brasil. 2017. Disponí­vel em . Acesso em 12 mai. 2021.

FIRMO, W. D. C. A.; DE MENEZES, V. D. J. M.; DE CASTRO PASSOS, C. E.; DIAS, C. N., ALVES, L. P. L.; DIAS, I. C. L.; OLEA, R. S. G. Contexto histórico, uso popular e concepção cientí­fica sobre plantas medicinais. Cadernos de pesquisa, 2012.

KINUPP, V. F. Plantas Alimentí­cias Não Convencionais (PANC) no Brasil: Guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas. Instituto Plantarum de Estudos da Flora, São Paulo, 2014.

KINUPP, V. F. Plantas alimentí­cias não-convencionais da região metropolitana de Porto Alegre, RS. Tese de doutorado. UFMG, Faculdade de Agronomia: 2007.

LINS, A. D. F.; OLIVEIRA, M. N.; FERNANDES, V. O.; ROCHA, A. P. T.; SOUSA, F. C.; MARTINS, A. N. A.; NUNES, E. N. Quantificação de compostos bioativos em erva cidreira (Melissa officinalis L.) e capim cidreira [Cymbopogon citratus (dc) Stapf.]. Gaia Scientia, v. 9, n. 1, p. 17-21, 2015.

LOCATELLI, L. Indicações geográficas: a proteção jurí­dica sob a perspectiva do desenvolvimento Econômico. Curitiba: Juruá, 2008.

LORENZI, H; MATOS, F. J A. Plantas Medicinais no Brasil: nativas e exóticas. Instituto Plantarum. 2. ed. Nova Odessa, SP: 2008.

MACIEL, M. A. M.; PINTO, A. C.; VEIGA JR, V. F.; GRYNBERG, N. F.; ECHEVARRIA, A. Plantas medicinais: a necessidade de estudos multidisciplinares. Quí­mica Nova, v. 25, n. 3, p. 429-438, 2002.

MATSUCHITA, H. L. P.; MATSUCHITA, A. S. P. A Contextualização da Fitoterapia na Saúde Pública. Uniciências, v. 19, n. 1, 2015.

MONTEIRO, S. D. C.; BRANDELLI, C. L. C. Farmacobotânica: Aspectos teóricos e aplicação. Porto Alegre: Artmed, 2017.

ROCHA, J. A.; BOSCOLO, H. O.; FERNANDES, L.R.R.M. Etnobotânica: um instrumento para valorização e identificação de potenciais de proteção do conhecimento tradicional. Interações (Campo Grande), v. 16, n. 1, p. 67-74, 2015.

SILVA, J.; MARTINS E. Medicine in ancient Mesopotamia-part 2. Acta Médica Portuguesa, v. 23, n. 1, p. 125-40, 2010.

SOUZA, M. R. D. M.; CORREA, E. J. A.; GUIMARíES, G.; PEREIRA, P. R. G. O Potencial do Ora-pro-Nóbis na Diversificação da Produção Agrí­cola Familiar. Revista Brasileira de Agroecologia. v. 4. n. 2. p. 3550-3554. 2009.

SOUZA, D. T. B.; DE MORAIS L. J.; ARAÚJO, A. S. Ansiedade e Alimentação: Uma análise interrelacional. II Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde (anais). Editora Realize: 2017.

VALE, N. B. A farmacobotânica, ainda tem lugar na moderna anestesiologia? Revista Brasileira de Anestesiologia, v. 52, n. 3, p. 368-380, 2002.

WORLD HEALTH ORGANIZATION. Traditional and alternative medicine. Geneva: WHO, 2002. (Fact Sheet, n. 271).

Downloads

Publicado

2022-04-08

Edição

Seção

Artigos