A influência do horário do arraçoamento no desempenho produtivo de alevinos de Tilápia

Autores

  • Alessandro Mateus Sloty Universidade Estadual do Paraná-UNESPAR
  • Viviane Demetrio do Nascimento Universidade Estadual do Paraná-UNESPAR
  • Rafael Bueno Noleto Universidade Estadual do Paraná-UNESPAR
  • Renan Gargiel de Oliveira Universidade Estadual do Paraná-UNESPAR
  • Marcos Otávio Ribeiro Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) campus União da Vitória-PR

Resumo

A tilápia é considerada uma das espécies mais promissoras na piscicultura. Sua produção aumentou significativamente na última década ocasionada pela sua capacidade de adaptar-se a diversos tipos de ambiente, rápido crescimento e hábito alimentar oní­voro. Todavia um dos principais desafios enfrentados na tilapicultura brasileira é referente à alimentação, que compreende um dos maiores custos de produção. Assim, constantes inovações nas técnicas de criação se fazem necessárias na busca do aperfeiçoamento e expansão da produção resultando em melhor custo-benefí­cio. O estudo objetivou avaliar se o perí­odo em que os alevinos de tilápia são alimentados pode influenciar no seu desempenho. Para isso foram utilizados seis tanques de alvenaria medindo 10m3, com 70 alevinos para cada unidade experimental, totalizando 420 alevinos com médias de 10g (+1) e 8cm (+1) cada indiví­duo. Foram testados dois tipos de tratamentos com tréplicas para cada: em um tratamento os alevinos foram alimentados no perí­odo da manhã às 9 horas e no outro tratamento no perí­odo da tarde, às 16 horas. Foi utilizado ração do tipo comercial extrusada com 32% de proteí­na bruta. A quantidade de ração fornecida inicialmente foi de 8% do peso médio e após 15 dias reduzida para 5%. Os resultados obtidos apontaram diferenças de rendimento no crescimento dos alevinos entre os tratamentos. Contrariando as expectativas demonstradas na literatura, o grupo alimentado pela manhã teve melhores indicadores de ganho de peso diário, ganho de peso relativo e conversão alimentar aparente, porém não foi uma diferença significativa

Biografia do Autor

Marcos Otávio Ribeiro, Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR) campus União da Vitória-PR

Graduado em ciências biológicas (UENSPAR) campus União da Vitória-PR. Mestre em biologia celular e molecular (UEM). Doutor em biologia celular e molecular (UEM) Atualmente desenvolve pesquisas nas áreas de citogenética de peixes e piscicultura.

Referências

BALDISSEROTTO, B. Fisiologia de peixes aplicada á piscicultura. 2° ed. UFSM, 2009.

BARBOSA, A. C. A. A criação de tilápias em gaiolas. EMPARN - Empresa de Pesquisa Agropecuária do Grande do Norte, Editoração eletrônica: Giovanni Cavalcanti Barros, Lagoa Nova, 2009.

BOLGER, T.; CONNOLLY, P. L. The selection of suitable indices for the measurement and analysis of fish condition. Journal of Fish Biology, Dunscore, v. 34, p. 171-182, 1989.

BARROSO R. M.; PIZARRO MUÑOZ A. E.; TAHIM, E. F.; WEBBER, D.C.; ALBUQUERQUE FILHO, A. C.; PEDROSA FILHO, M. X.; TENÓRIO, R. A.; JESUS DO CARMO, F.; Sí BARRETO, L. E. G.; MUEHLMANN, L. D.; MULLER SILVA, F. M.; HEIN, G. Diagnóstico da cadeia de valor da tilapicultura no Brasil, Brasí­lia,: Embrapa, 2018.

CASTELLANI, D.; ABIMORAD, E. G.; SCORVO-FILHO, J. D.; FRASCí-SCORVO, C. M. D.; MASOCATTO, C. O. Dinâmica do Oxigênio Dissolvido em Piscicultura de Tanques Rede de Grande Volume no Reservatório de ígua Vermelha. Recip, p. 40-50, 2019.

DIAS KOBERSTEIN, T.C.R.; NETO, A.G.; DE STÉFANI, M.V.; MALHEIROS, E.B.; ZANARDI, M.F.; SANTOS, M.A. dos. Reversão sexual de larvas de tilapia do nilo (Oreochromis niloticus) por meio de banhos de imersão em diferentes dosagens hormonais. Revista Acadêmica, v.5, p.391 395, 2007.

FAO - Food and Agriculture Organization of the United Nations. The state of world fisheries and aquaculture: opportunities and challenges. Rome, 2014.

GELLER, I. V.; NOLETO, R. B.; CAMPOS, C. & RIBEIRO, M. O. O efeito da restrição alimentar no desempenho da Tilápia (Oreochromis niloticus). Luminária, v. 12, n.3, p. 797-813, jul./set. 2019.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatí­stica. Produção da Pecuária Municipal. Rio de Janeiro, Edição: Centro de Documentação e Disseminação de Informações. v 43, 2015.

LIMA, V. T. A.; CAMPECHE, D. F. B.; PAULINO, R. V.; SANTOS JÚNIOR, D. D.,VASCONCELLOS, E. B. de C. Efeito da temperatura e do oxigênio dissolvido em água salobra no cultivo de tilápia, Embrapa, 415-421, 2011.

LIMA-JÚNIOR, S. E.; CARDONE, I. B.; GOITEIN, R. Determination of a method for calculation of allometric condition factor of fish. Acta Scientiarum, Rio Claro SP. v. 24, n. 2, p. 397-400, 2002.

MACIEL, L. M. Reprodução, Larvicultura e Alevinagem: Estratégias de reprodução em ambiente natural. In: SILVA, G. F.; MACIEL, L. M.; DALMASS, M. V.; GONÇALVES, M. T. TILíPIA-DO-NILO: Criação e cultivo em viveiros no estado do Paraná. Curitiba: GIA, 2015. cap. 7, p. 182-186. Disponí­vel em: https://gia.org.br/portal/wp-content/uploads/2017/12/Livro-pronto.pdf. Acesso em: 31 out. 2020.

MAGALHíES, G. Controle da ígua na Aquicultura, Fator Preponderante Para o Sucesso. Stilo, AQUA FEED, p. única, 29 maio 2019. Disponí­vel em: https://www.editorastilo.com.br/colunistas/controle-de-agua-naaquicultura. Acesso em: 26 out. 2020.

MANRIQUE , C. H. E. Modelos não lineares, alometria e dinâmica de macromoléculas para analisar o crescimento do Acará bandeira (Pterophyllum scalare): Dissertação. Unesp, UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA CENTRO DE AQUICULTURA DA UNESP CAMPUS DE JABOTICABAL, p. 01 - 93, 2012. Disponí­vel em: https://repositorio.unesp.br/bitstream/handle/11449/86667/espitiamanrique_ch_me_jabo.pdf?sequence=1&isAllowed=y. Acesso em: 16 nov. 2020.

MELO, D. C.; OLIVEIRA, D. A. A.; MELO, M. M.; JÚNIOR, D. V.; TEIXEIRA, E. A.; GUIMARíES, S. R. Perfil proteico de tilápia nilótica chitralada (Oreochromis niloticus), submetida ao estresse crônico por hipóxia. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec., Belo Horizonte, MG, v. 61, ed. 5, p. 1183-1190, abril 2009.

MERCANTE, C. T. J.; CARMO, C. F.; RODRIGUES, C. J.; OSTI, J. A. S.; MAINARDES PINTO, C. S.; VAZ-DOS-SANTO.; A. M.; TUCCI, A.; DIGENARO, A. C. Limnologia de viveiro de criação de tilápias do nilo: avaliação diurna visando boas práticas de manejo. Bol. Inst. Pesca, São Paulo, 37(1): 73 84, 2011.

MEURER, F.; HAYASHI, C.; BOSCOLO, W. R.; SCHAMBER, C. R.; BOMBARDELLI, R. A. Fontes protéicas suplementadas com aminoácidos e minerais para tilápia do nilo durante a reversão sexual. Revista Brasileira de Zootecnia, Viçosa, v. 34, n. 1, p. 1-6, 2005.

NASCIMENTO, J. R. S. LAGOAS DE ALTA TAXA DE PRODUÇíO DE ALGAS PARA PÓS-TRATAMENTO DE EFLUENTES DE REATORES ANAERÓBIOS. Dissertação (Pós-Graduação) - Engenharia de Recursos Hí­dricos e Saneamento Ambiental da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2001. Disponí­vel em: http://rigeo.cprm.gov.br/jspui/bitstream/doc/223/1/diss_jean_nascimento.pdf. Acesso em: 2 nov. 2020.

ONO, E. A.; KUBITZA, F. Planejamento, seleção das áreas, fontes de água, demanda hí­drica e propriedades dos solos: Construção de viveiros e de estruturas hidráulicas para o cultivo de peixes – Parte 1. Panorama da Aquicultura, [S. l.], p. 1 - 1, 28 maio 2019. Disponí­vel em: https://panoramadaaquicultura.com.br/construcao-de-viveiros-e-de-estruturas-hidraulicas-para-o-cultivo-de-peixes-1/. Acesso em: 2 nov. 2020.

ONU. População mundial atingiu 7,6 bilhões de habitantes. ONU News: Eleutério Guevane, Nova Iorque, 21 jun. 2017. Disponí­vel em: https://news.un.org/pt/story/2017/06/1589091-populacao-mundial-atingiu-76-bilhoes-de-habitantes. Acesso em: 25 out. 2020.

OLIVEIRA, R. P. C.; SILVA, P. C.; BRITO, P. P.; GOMES, J. P, SILVA, F.; FILHO, P. R. S.; ROQUE, R. S. Variáveis hidrológicas fí­sico-quí­micas na criação da tilápia-do-nilo no sistema raceway com diferentes renovações de água. Ci. Anim. Bras., Goiânia, v. 11, n. 3, p. 482-487, jul./set. 2010.

PEREIRA, A. C.; SILVA, R. F. Produção de Tilápias: Programa Rio Rural Secretaria de Estado de Agricultura e Pecuária Superintendência de Desenvolvimento Sustentável. Manual técnico,NiteróRJ,2012.Disponí­velem:http://www.pesagro.rj.gov.br/downloads/riorural/31_Producao_de_Tilapias.pdf. Acesso em: 30 out. 2020.

RIBEIRO P. A. P.; MELO, D. C.; COSTA, L. S.; TEIXEIRA, E. A. Manejo nutricional e alimentar de peixes de água doce. Belo Horizonte: [s. n.], 2012.

SANCHES, F. H. C.; BARRETO, R. E. Resposta de Estresse í Substância de Alarme na TilápiadoNilo. UNESP,[s.l.],p.0124,2013.Disponí­velem:https://www2.ibb.unesp.br/posgrad/teses/zoologia_me_2013_fabio_sanches.pdf. Acesso em: 16 nov. 2020.

SCHULTER, E. P.; VIEIRA-FILHO, J. E. R. Evolução da piscicultura no Brasil: diagnóstico e desenvolvimento da cadeia produtiva de tilápia. Rio de Janeiro, Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA, 2017.

SEBRAE - Serviço de apoio í s micro e pequenas empresas. Criação de tilápias em tanques escavados.Natal:Sebrae,2014.Disponí­velem:http://www.bibliotecas.sebrae.com.br/chronus/Arquivos_Chronus/bds/bds.nsf/8f207413cf7a8402b142400d385397ad/$File/5203.pdf.Acess em: 15 nov. 2020.

SEBRAE - Serviço de apoio í s micro e pequenas empresas. Aquicultura no Brasil. Série estudos Mercadológicos. Brasí­lia: Sebrae, 2015.

SENAR, SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM RURAL. Piscicultura: manejo da água. ColeçãoSENAR,[s.l.],p.1828,2019.Disponí­velem:https://www.cnabrasil.org.br/assets/arquivos/262 Piscicultura-Manejo-da-qualidade-da-agua.pdf. Acesso em: 29 out. 2020.

SILVA, R. O. Descrição Das Diferenças Anatômicas, Externas e Internas, Observadas Entre Machos e Fêmeas da ilápia (Oreochromis niloticus). Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia, MACAU-RN, p. 01 - 19, JAN. 2019. Disponí­vel em: http://recursospesqueiros.mc.ifrn.edu.br/wp-content/uploads/2019/03/SILVA-Renata-Acesso em: 1 nov. 2020.

TUNDISI, J. G.; TUNDISI, T. M. 2008. Limnologia, Oficina de Textos. [S. l.: s. n.], 2008.

VAZZOLER, A. E. A. M. Biologia da reprodução de peixes teleósteos: teoria e prática. Maringá: EDUEM, 1996.

Downloads

Publicado

2022-04-18

Edição

Seção

Artigos