Utilização de Hortas Orgânicas Como Ferramenta Para Educação Ambiental

Autores

  • Franciele Zanardo Bohm UNESPAR, Paranavaí­
  • Paulo Alfredo Feitoza Böhm
  • Isabela Cristina Rodrigues
  • Marcelo Percílio Santana Júnior

Resumo

Resumo: Hortas orgânicas constituem um modo de produção de alimentos sustentável que respeita o meio ambiente e a saúde humana. Trata-se de uma importante ferramenta para se trabalhar educação ambiental com diferentes faixas etárias. A educação ambiental não se resume a um conceito, mas a um processo que envolve a formação de um cidadão justo, consciente com os recursos que utiliza e responsável por suas ações. O objetivo deste trabalho foi de ensinar o modelo orgânico de produção de hortaliças, assim como a importância deste sistema de produção. A metodologia empregada neste trabalho consistiu em visitas na horta orgânica da Unespar, campus de Paranavaí­, para conhecer as etapas para a construção de uma horta, aplicação de questionários e construção de pequenas hortas nas escolas de Paranavaí­ e região. Durante a visita e a construção das hortas discutiu-se a metodologia de produção de alimentos com a redução de lixo principalmente orgânico, o conceito de segurança alimentar, evidenciado pela qualidade do alimento produzido nas hortas orgânicas, que são livres de toxinas e a educação ambiental. O projeto proporcionou o suporte necessário tanto de materiais como técnico para que as hortas pudessem ser construí­das e mantidas. A execução deste trabalho foi importante para contribuir com a formação de cidadãos responsáveis com o meio ambiente onde estão inseridos. Disseminou a construção de novas hortas orgânicas nas escolas e foi um instrumento para educação ambiental. Os alunos cuidam do espaço da horta na escola e relatam que foi um estí­mulo para construção das hortas em suas casas. As hortas orgânicas produzem mais que alimentos, elas são um modelo para que novas hortas sejam construí­das.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Franciele Zanardo Bohm, UNESPAR, Paranavaí­

Colegiado de Ciências Biológicas. Área Fisiologia Vegetal

Referências

BANCO DE ALIMENTOS. Estatuto do bom samaritano. Disponí­vel em: . Acesso em: 15 jan. 2016.

BRASIL. Ministério de Educação e do Desporto. Referencial curricular nacional para educação infantil. Brasí­lia, DF: MEC, 1998.

BRASIL. Presidência da República, Decreto Federal No 7.794, de 20 de agosto de 2012, Institui a Polí­tica Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica. 2012.

CUNHA, B. S. da e GUERRA, A. J. T. Impactos Ambientais Urbanos no Brasil. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2001.

FAO. FAO Statistical Pocketbook 2015 world food and agriculture. Roma: Itália. 2015. 236p

GONDIM, J. A. M., MOURA, M de F. V, DANTAS, A. S. MEDEIROS, L.R.S. SANTOS, K.M. Centesimal composition and minerals in peels of fruits. Ciênc. Tecnol. Aliment., v. 25, n. 4, p. 825-827, Oct./Dec. 2005.

MAGALHíES, A. M. A horta como estratégia de educação alimentar em creche. 2003. 120 f. Dissertação (Mestrado em Agroecossistemas) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2003.

MERGULHíO, M. C.; VASAKI, B. N. G. Educando para a conservação da natureza: atividades práticas em educação ambiental. 2. ed. São Paulo: EDUC Editora da PUC, 2002.

MENDONÇA, R. Educação Ambiental vivencial. In: Encontros e Caminhos: Formação de Educadoras(es) Ambientais e Coletivos Educadores. Luiz Antonio Ferraro Júnior (org.). Brasí­lia: MMA, Diretoria de Educação Ambiental. Volume 2. 352 p. pág 116-129, 2007.

REIGOTA, Marcos. O que é educação ambiental. São Paulo, Brasiliense, 2006.

REIS, J. O caminho de um divulgador. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 34, n. 6, p. 800-816, 1982.

TURANO, W. A didática na educação nutricional. In: GOUVEIA, E. Nutrição Saúde e Comunidade. São Paulo: Revinter, 1990. 246 p.

Downloads

Publicado

03-01-2018

Edição

Seção

artigos usf