Experimentação em sala de aula no ensino fundamental I: o prazer pela descoberta

Autores

  • Débora Ignácio Pires Marques Fundação Santo André
  • Jacqueline Aliende Barbeli Alcalá Centro Universitário Fundação Santo André
  • Maria Lúcia Pedrozo Monte Forte Centro Universitário Fundação Santo André
  • Marli Vizim Centro Universitário Fundação Santo André

Palavras-chave:

PIBID, ciências, atividades práticas, alfabetização cientí­fica.

Resumo

O presente trabalho foi desenvolvido pelos alunos pibidianos juntos com a professora supervisora da educação básica, com o objetivo de demonstrar conceitos de ciências em atividades práticas. A alfabetização cientí­fica é um desafio nas práticas pedagógicas do ensino fundamental I exigindo a mediação do professor bem como, incentivos valorativos. No ensino das Ciências as questões de alfabetização e alfabetização cientí­fica devem considerar o contexto histórico e social da turma no desenvolvimento do trabalho pedagógico. Para tanto os alunos pibidianos realizaram um planejamento e prepararam materiais para desenvolver habilidades na Alfabetização Cientí­fica, em aulas de Ciências. Com base em estudos, esse trabalho teve como interlocutores teóricos Kamii e Drevies (1980), Carvalho (2010) e Sasseron (2008) entre outros, os quais auxiliaram na reflexão sobre a alfabetização cientí­fica no ensino de Ciências. Neste processo de ensino-aprendizagem o aluno do EFI assume um comportamento ativo agindo sobre o objeto de investigação, procurando assim, uma explicação dos fenômenos naturais, a partir de suas ações e interações com o outro e com o meio. Quanto ao professor supervisor de sala de aula foi possí­vel apropriar-se de diferentes práticas no ensino de ciência. Os pibidianos em referência tiveram a oportunidade de observar como o professor deve e precisa organizar seu trabalho pedagógico, bem como formas diferentes de lidar com as situações de aprendizagem em sala de aula relacionando-a com o social e o meio ambiente. Nesta relação entre pibidianos e os alunos do EFI envolvidos na pesquisa, houve avanços significativos na totalidade dos alunos quanto a participação e realização das atividades. Com relação à apropriação dos conceitos observou-se uma melhora significativa em mais da metade da classe e uma mudança no comportamento e no quesito responsabilidade profissional de forma generalizada em todos os alunos pibidianos envolvidos na pesquisa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Débora Ignácio Pires Marques, Fundação Santo André

Professora Supervisora do Pibid pela Fundação Santo André.

Atualmente Professora do 5º ano do Ensino Fundamental na Emeief "Carolina Maria de Jesus" da rede municipal de Santo André - SP

Jacqueline Aliende Barbeli Alcalá, Centro Universitário Fundação Santo André

Aluna Pibidiana do quarto ano do curso de Pedagogia do Centro Universitário Fundação Santo André

Maria Lúcia Pedrozo Monte Forte, Centro Universitário Fundação Santo André

Aluna Pibidiana do quarto ano do curso de Pedagogia do Centro Universitário Fundação Santo Andre

Marli Vizim, Centro Universitário Fundação Santo André

Professora Coordenadora do PIBID do Centro Universitário Fundação Santo André

Referências

BRASIL. Secretaria de Educação Fundamental. (1998). Parâmetros Curriculares Nacionais: ciências naturais. Secretaria de Educação Fundamental. Brasí­lia: MEC/SEF.

BRASIL. Ministério da Educação. (1996). Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, nº 9394 de 20 de dezembro de 1996. Brasí­lia, 1996.

CAPECCHI, M. C. V. M.; CARVALHO, A. M. P. (2000). Argumentação em uma aula de conhecimento fí­sico com crianças na faixa de oito a dez anos. Investigações em Ensino de Ciência . IENCI/UFRGS: Rio Grande do Sul, 5(3), 171-189.

CARVALHO, A. M. P. (Org.). (2004). Ensino de Ciências: unindo a pesquisa e a prática. São Paulo: Thomson.

CARVALHO, A. M. P. (2007). Habilidades de professores para promover a enculturação cientí­fica. Revista Contexto & Educação. Ed. Unijiú, ano 22, n. 77, 1-23.

CARVALHO, A. M. P. et al. (2010). Ciências no Ensino Fundamental: o conhecimento fí­sico. São Paulo: Scipione.

CARVALHO, A. M. P.; SASSERON, L. H (2009). Argumentação e ensino de ciências. Curitiba: CRV.

FREIRE, P.; MACEDO, D. (1990). Alfabetização: Leitura da Palavra Leitura do Mundo. Rio de Janeiro: Paz e Terra.

KAMII, C.; DREVIES, R. (1980). Jogos em grupo na educação infantil: implicações na Teoria de Piaget. São Paulo: Artmed.

OLIVEIRA, D. L. (Org.). (2002). Ciências nas salas de aula. Porto Alegre: Mediação.

SASSERON, L. H. (2008). Alfabetização Cientí­fica no Ensino Fundamental: Estrutura e Indicadores deste processo em sala de aula. Tese de Doutorado, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo: São Paulo.

SASSERON, L. H.; CARVALHO, A. M. P. D. ( 2011). Construindo argumentação na sala de aula: a presença do ciclo argumentativo, os indicadores de alfabetização cientí­fica e o padrão de Toulmin. Ciência & Educação. Bauru, v. 17, n. 1, 97-114.

SAVIANI, D. (2005). Escola e Democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre a educação polí­tica. 37ª ed., Campinas, SP: Autores Associados.

THIOLLENT, M. (2002). Construção do conhecimento e metodologia da extensão. Texto apresentado em mesa-redonda, coordenada pelo Prof. José Willington Germano (Pró-reitor de Extensão da UFRN), no I CBEU – Congresso Brasileiro de Extensão Universitária - João Pessoa – PB, em 10 de novembro de 2002. (texto xerocopiado)

VEIGA, I.P.A. (2001). Projeto Polí­tico-Pedagógico: novas trilhas para a escola. In: VEIGA, I.P.A.;FONSECA, M. (Orgs) As dimensões do projeto polí­tico-pedagógico. Campinas, SP: Papirus.

Bibliografia Complementar

BAZERMAN, C.; HOFFNAGEL, J. C.; DIONíSIO, A. P. (Orgs.). (2007). Escrita, Gênero e Interação Social. São Paulo: Cortez.

BIZZO, N. (2010). Ciências: fácil ou difí­cil? São Paulo: Biruta.

FURLANETTO, E. C.; MENESES, J. G. C.; PEREIRA, P. A. (2007). A escola e o aluno: relações entre o sujeito-aluno e o sujeito-professor. São Paulo: Avercamp.

LORENZETTI, L.; DELIZOICOV, D. (2001). Alfabetização Cientí­fica no contexto das séries iniciais. Ensaio – Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis: v.3. 1, 1-17.

MARQUES, D. I. P. (2011). A importância da Alfabetização Cientí­fica no Ensino Fundamental: o papel do professor mediador e as relações interpessoais em sala de aula. Trabalho de Conclusão de Curso, Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo.

MENDONÇA, D. H.; AGUIAR JÚNIOR, O. G. (2000). As reações dos estudantes frente ao discurso cientí­fico escolar: identificando demandas nas perguntas e comentários crí­ticos nas aulas de ciências. Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências. Florianópolis.

NASCIMENTO, S. S.; PLANTIN, C. (Orgs.). (2009). Análise do Discurso, Argumentação e Ensino de Ciências. São Paulo: CRV.

THIOLLENT, M. (1996). Metodologia da Pesquisa-ação. 7ª ed., São Paulo, Cortez.

Downloads

Publicado

2015-12-18

Edição

Seção

Documentos