A Filosofia no Ensino Médio em Moçambique: Uma perspectiva polí­tica

Autores

Resumo

O ensino de filosofia no ensino médio constitui uma realidade em Moçambique a partir da independência polí­tica e vem com propósito de contribuir para as soluções dos problemas que o paí­s estava a viver. Depois da independência em 1975, o paí­s conheceu momentos conflitantes, como a guerra civil, existência do monopartidarismo, a ausência da democracia e a liberdade de expressão. A inclusão da filosofia no currí­culo de ensino médio, a partir dos anos 90, tinha como finalidade contribuir para o desenvolvimento epistemológico, moral e polí­tico dos estudantes do ensino médio. Refira-se, segundo Ngoenha (1993), que a questão central da filosofia polí­tica é a liberdade como um esforço filosófico, o qual não pode deixar de se inscrever no quadro de um esforço africano mais global ligado ao nascimento da filosofia africana que, por seu turno, está intrinsecamente ligado à busca da identidade que caracteriza a visão africana. Portanto, a introdução da disciplina de filosofia no ensino médio alinha na necessidade de responder a uma causa comum de África em dotar os estudantes/cidadãos de uma visão africana que permitisse encontrar soluções dos problemas sociais de vária ordem assentes na indagação do mundo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valmir Flores Pinto, Universidade Federal do Amazonas

Doutor em Estudos em Ensino Superior pela Universidade de Aveiro, Portugal (2014) com Revalidação em DOUTORADO EM EDUCAÇÃO pela Universidade Federal do Amazonas (aprovado em 12/06/2016); Mestrado em Teologia Sistemática pela Pontifí­cia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (2005); Bacharel em Filosofia pela Universidade de Caxias do Sul (1990). Professor efetivo da Universidade Federal do Amazonas -Campus Humaitá; Coordenador do Mestrado Acadêmico em Ensino de Ciências e Humanidades (PPGECH) desde 2016; Atua na área de Filosofia, com ênfase em Filosofia, principalmente nos seguintes temas: cidadania, educação, filosofia da educação, filosofia polí­tica, marxismo, ética e ensino. Orienta mestrandos do PPGECH; Coordena projeto de pesquisa na área do Ensino com ênfase em filosofia no ensino médio; desenvolve projetos de extensão e pesquisa com estudantes de graduação; participa no Conselho Diretor (CONDIR) do Instituto de Educação, Agricultura e Ambiente (IEAA) da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), campus de Humaitá - AM; também em outros órgãos internos como Núcleos de Estudos; Núcleo de Desenvolvimento Estruturante; organização sindical e organizações sociais.

Referências

BUANAISSA, E. F.; PAREDES, M. de M. Severino Ngoenha: polí­tica e liberdade no Moçambique contemporâneo. Revista Opinião Filosófica, v. 09, n. 01, Porto Alegre, 2018.

CASTIANO, J. P. Referenciais da filosofia africana: em busca da intersubjetivação. Maputo: Sociedade Editorial, 2013, p.193.

CHAMBISSE, E. D. Ensino de filosofia em Moçambique: filosofia como potência para aprendizagem significativa. 2006, 142 f. Dissertação (Mestrado em Educação/Currí­culo) Faculdade de Educação PUC/SP. São Paulo, 2006.

CIPRIANO, A. Educação, modernidade e crise ética em Moçambique. Maputo: Dondza Editora. 2011.

FANON, F. Os Condenados da terra. Rio de Janeiro: ed. Civilização Brasileira S. A, 1968.

MACHEVO, G. G. Filosofia africana nos paí­ses lusófonos. SINTESE: Revista de Ciências Sociais e Filosóficas. Universidade Pedagógica, Moçambique, v. 1n. 10 (5). Disponí­vel em: https://www.revista.up.ac.mz/index.php/SINTESE/article/view/39/45. Acesso em: 25 mai.2020.

MOÇAMBIQUE. Decreto nº 7/2019. Maputo: Boletim da República – III Série "” Número 30. Quarta-feira, 15 de fevereiro de 2019.

MAYOR, F. Uma Escola de Liberdade. Livre-Filosofar, Ano VII, N.13, Curitiba, IFIL, março de 1996, p.4 a 6. Disponí­vel: https://tede2.pucsp.br/bitstream/handle/9949/1/Dissertacao%20%20ERNESTO%20DANIEL%20CHAMBISSE.pdf. Acesso em: 25 mai. 2020.

MENDES, A. B. da . Lições sobre o Ensino da Filosofia em Moçambique. Jusbrasil. 24 abril 2018. Disponí­vel em: https://publicaciencia.jusbrasil.com.br/artigos/575372254/licoes-sobre-o-ensino-da-filosofia-em-mocambique?ref=topic_feed. Acesso: 23 de ago2019.

MINED. Introdução í Filosofia. Programa do II Ciclo, Edição: ©INDE/MINED Moçambique, 2010.

NEWITT, M. História de Moçambique. Lisboa: Europa-América, 2012.

NGOENHA, S. E. Filosofia Africana. Das independências as liberdades. Porto (Portugal): Edições Paulinas, 1993.

NGOENHA, S. E.; BUANAISSA, E. F. Fronteiras da filosofia para a construção da democracia em Moçambique. SINTESE: Revista de Ciências Sociais e Filosóficas. Universidade Pedagógica, v. 1, n. 10 (5) 2015 Disponí­vel em: https://www.revista.up.ac.mz/index.php/SINTESE/article/view/44. Acesso em 18 ago 2019..

PIOVERSAN, A.; EIDT, C.; GARCIA, C. Boeira. Et Al. Filosofia e ensino em debate. Ijuí­ (RS): Unijui. 2002.

REALE, G.; ANTISERI, D. . Historia da Filosofia: Filosofia Pagã Antiga. 4ª. Ed. São Paulo: Paulus, 2009.

ZONTA, D. "Moçambique" no século XIX: do comércio de escravos ao comércio legí­timo. Dimensões, v. 28, p. 315-338. UFES – Programa de Pós-Graduação em História, 2012. Disponí­vel: file:///C:/Users/Valmir.Valmir-VAIO/Downloads/4320-Texto%20do%20artigo-7658-1-10-20121221%20(3).pdf. Acesso: 25 maio 2020.

Downloads

Publicado

2020-08-12