02. Quando a performance começa?: uma poética edificada sobre a afetividade e a cibercultura

Marcella Nunes Rodrigues, Gisela Reis Biancalana

Resumo


O artigo apresenta o estudo, elaboração e execução de uma ação performativa transversal que parte de uma pesquisa em Poéticas Visuais na Arte Contemporânea. O objetivo do estudo se constituiu da criação de uma Performance que discute a entrada da tecnologia nos relacionamentos afetivos. A Performance Arte tem atraído inúmeros artistas pela potência do corpo em estado de arte. Por outro lado, nos últimos tempos, a convivência com ambientes virtuais tornou-se uma constante na vida humana. Aqui, a Performace busca abranger arte, corpo e comunicação. As teóricas Goldberg e Taylor sustentaram e fortaleceram as ações performativas nos seus aspectos teórico-práticos, sobretudo no que tange à imersão nessas questões sociais latentes e manifestas. No que diz respeito aos relacionamentos afetivos e suas transformações no mundo contemporâneo, Bauman sedimentou a pesquisa com sua abordagem do mundo líquido aqui vislumbrado nas relações afetivas cruzadas pelos contatos no mundo virtual. Nesse contexto, as relações afetivas foram estudadas a partir de sua nova configuração calcada no uso de dispositivos tecnológicos que constroem o que Santaella chama de cibercultura. Os procedimentos metodológicos buscaram dialogar com a antropologia no que tange à pesquisa de campo, subsidiada por um viés autoetnográfico discutido a partir das autoras Fortin e Versiani. Finalmente, o texto aborda a Performance Quando começa uma Performance? cujos processos criadores são expostos ao longo desta escrita reflexiva sobre a ação.

 


Palavras-chave


Performance Arte; Relações afetivas; Cibercultura; Autoetnografia;

Texto completo:

PDF/A

Referências


BASMAUN, Ricardo. “E agora?”. Colaboração. s/v, p. 84-93, 1995.

BAUMAN, Zygmunt. A cultura no mundo líquido moderno. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2011.

FORTIN, Sylvie. Contribuições possíveis da Etnografia e da auto-etnografia para a pesquisa na prática artística. Revista Cena, n. 7, 2009.

FRIEDAN, Betty. A mística feminina. Petrópolis: Editora Vozes, 1971.

GOLDBERG. RoseLee. A arte da performance: do futurismo ao presente. São Paulo: Martins Fontes, 2006.

HALL, Stuart. A centralidade da cultura: notas sobre as revoluções de nosso tempo. Educação & Realidade, v. 22, n. 2, p. 15-46, 1997.

MELIM, Regina. Performance nas Artes Visuais. Rio de Janeiro: Editora Jorge Zahar, 2008.

NICOLESCU, Basarab. UM NOVO TIPO DE CONHECIMENTO – TRANSDISICPLINARIDADE. Anais do 1o Encontro Catalisador do CETRANS – Escola do Futuro – USP. Itatiba, São Paulo – Brasil: abril de 1999.

SANTAELLA, Lucia. Culturas e Artes do Pós Humano: da cultura das mídias à cibercultura. São Paulo: Paulus, 2003.

TAYLOR, Diana. Introducción Performance, teoria y práctica. In: TAYLOR, Diana; FUENTES, Marcela (Edits.). Estudios avanzados de performance. México: Fondo de Cultura Económica, 2011.

VERSIANI, Daniela Beccaccia. Autoetnografia: uma alternativa conceitual. Porto Alegre: Letras, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Interdisciplinar Internacional de Artes Visuais - Art&Sensorium

R. Sensorium, Curitiba, PR, Brasil, eISSN 2358-0437

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

INDEXAÇÕES:

DOAJ

MIAR

LATINDEX

DIADORIM

DOI