16. Rumores de um comum: bases de um estar-junto na arte

Bruno Gomes de Almeida

Resumo


Sugerindo um instrumental teórico que ajude a fundamentar as bases conceituais mais essenciais das práticas artísticas contemporâneas pautadas em coletividade e convivialidade, o texto reflete sobre parte da herança conceitual de alguns dos principais filósofos que repensaram o conceito de comunidade. Sobretudo, a partir do pensamento de Jean-Luc Nancy, atentando-se para suas aproximações e distanciamentos às abordagens de nomes como: Martin Heidegger, Georges Bataille e Giorgio Agamben. Aproximações que contribuem para reflexões mais aprofundadas sobre a essência por trás do anseio de estar-junto de certa vertente da produção artística contemporânea.


Palavras-chave


Estar-junto. Comunidade. Arte contemporânea

Texto completo:

PDF/A

Referências


AGAMBEN, Giorgio. A comunidade que vem. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

BATAILLE, Georges. A experiência interior. Belo Horizonte: Editora Autêntica, 2016.

BLANCHOT, Maurice. A comunidade inconfessável. São Paulo: Lumme Editor, 2013.

NANCY, Jean-Luc. Being singular-plural. Stanford: Stanford University Press, 2000.

________. Corpus. Lisboa: Veja, 2000.

________. La comunidad inoperante. Santiago: LOM ediciones, 2000.

RANCIÈRE, Jacques. A comunidade estética. In: Revista Poiésis nº17. P.169-187. Julho de 2011.

TARIZZO, Davide. Filósofos em comunidade. In: O retorno da comunidade. Rio de Janeiro: Mauad X, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Interdisciplinar Internacional de Artes Visuais - Art&Sensorium

R. Sensorium, Curitiba, PR, Brasil, eISSN 2358-0437

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

INDEXAÇÕES:

DOAJ

MIAR

LATINDEX

DIADORIM

DOI