03. De spectator a espectador: repensando a interface entre a emancipação nas artes e na educação

Vinicius Vicenzi

Resumo


Este artigo busca repensar a interface entre a emancipação nas artes e na educação a partir da análise do conceito de espectador. Revisita a origem latina de spectator, mostrando as diferenças frente ao theorós grego. Promove, assim, uma espécie de genealogia do conceito na tentativa de repensar o estatuto de passividade frente ao agir e ao conhecer. Para isso, apoia–se na análise que Jacques Rancière faz em O espectador emancipado sobre os modelos de eficácia da arte, traçando paralelos entre aquilo que o filósofo define como mediações pedagógicas nas artes para pensar sua interface com o universo da educação, redefinindo, também, um certo lugar para a filosofia da educação. Tais razões ganham consistência no seio das partilhas do sensível que delimitam uma certa relação de oposição entre o olhar e o conhecer, o olhar e o agir, partilhas que incidem também, por consequência, no modo de ser aluno. Pensar a emancipação em sintonia com o universo estético e, também, da filosofia política, no sentido de uma emancipação intelectual, permitem, assim, propor junto com Rancière um paralelismo entre o espectador emancipado e o aluno emancipado. Não mais nos termos de lugares de passividade e que, para tanto, necessitariam ser reformados. A reforma do teatro via espectador ou a reforma de escola via aluno são faces de um mesmo dispositivo de poder, de uma mesma partilha do sensível. Repensar a interface entre a emancipação nos contextos das artes e da educação pode nos permitir um novo olhar sobre estas figuras, tradicionalmente encerradas em utopias políticas que as viam apenas como dispositivos em potência, jamais em ato, ensejando uma nova forma de compreendermos o lugar da educação como questão filosófico–política e estética.

Palavras-chave


espectador; emancipação; partilha do sensível; aluno; filosofia da educação

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARTAUD A. O teatro e seu duplo. São Paulo: Martins Fontes, 1999

CASSIN, B. O efeito sofístico: sofística, filosofia, retórica, literatura. São Paulo: Ed. 34, 2005.

CICERO De haruspicum responsis (11,22) In: PERSEUS DIGITAL LIBRARY. Disponível em: http://www.perseus.tufts.edu/hopper. Acesso em: 10 nov. 2019.

________ De Natura deorum librii In: PERSEUS DIGITAL LIBRARY. Disponível em: http://www.perseus.tufts.edu/hopper. Acesso em: 10 nov. 2019.

________ De officis (2, 7, 26) In: PERSEUS DIGITAL LIBRARY. Disponível em: http://www.perseus.tufts.edu/hopper. Acesso em: 10 nov. 2019.

_________ De oratore (1, 24, 112) In: PERSEUS DIGITAL LIBRARY. Disponível em: http://www.perseus.tufts.edu/hopper. Acesso em: 10 nov. 2019.

DEBORD, G. La société du spectacle. Paris: Éditions Buchet-Chastel

ERNOUT, A.; MEILLET, A. Dictionnaire étymologique de la langue latine. Histoire des mots. Paris: Librairie C. Klincksieck, 1959.

FREIRE. P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1982.

GODZICH, W. Prefácio In: DE MAN, P. A resistência à teoria, Lisboa: Edições 70, 1989.

HAMIDI-KIM, B. Le spectateur émancipé ou la mort du théâtre critique. Propositions critiques sur Jacques Rancière In: JDEY, A. Politiques de l'image. Questions pour Jacques Rancière. Bruxelles: La lettre volée, 2013

KANT, I. O conflito das faculdades Covilhã: Universidade da Beira Interior, 2008.

MASSCHELEIN, M.; SIMONS, M. A pedagogia, a democracia, a escola. Belo Horizonte: Autêntica, 2014.

MONTAIGNE, M. Ensaios. São Paulo: Abril cultural, 1972.

PLAUTO. Anfitrião In: PLAUTO. Comédias. Lisboa: INCM, 2006.

________ Cistellaria. Paris: Les Belles Lettres, 2003.

________ Pseudolus. Paris: Les Belles Lettres, 1957.

________ Stichus. Paris: Les Belles Lettres, 1962.

PLATÃO. As leis, ou da legislação e epinomis. São Paulo: Edipro, 2010.

RANCIÈRE, J. Aisthesis: Scènes du régime esthétique de l’art. Paris: Galilée, 2011.

_____________ A noite dos proletários. Arquivos do sonho operário. Lisboa: Antígona, 2012.

_____________ A partilha do sensível. Estética e política. Porto: Dafne editora, 2010a.

____________ Bela Tarr, le temps d’après. Nantes: Capricci Éditions, 1996.

____________ École, production, égalité In: RENOU, X. L'école de la démocratie. Paris: Edilig, Fondation Diderot, 1988.

____________ Et tant pis pour les gens fatigués. Entretiens. Paris: Éditions Amsterdam, 2009.

____________ La chair des mots. Politique de l´écriture. Paris: Galilée, 1998a.

____________ La fable cinématographique. Paris: Seuil, 2001.

____________ La methode de l’égalité: Entretien avec Laurent Jeanpierre et Dork Zabunyan.

Paris: Bayard, 2012.

_____________La mésentente. Paris: Galilée, 1995.

_____________ La parole muette. Essai sur les contradictions de la littérature. Paris: Hachette Littérature, 1998b.

_____________La philosophie deplacée. Autour de Jacques Rancière. Actes du colloque de Cerisy. Paris: Horlieu, 2006.

_____________ Le destin des images. Paris: La Fabrique, 2003.

____________Le maître ignorant: Cinq leçons sur l'émancipation intellectuelle. Paris: Fayard, 1987.

_____________Le partage du sensible: Esthétique et politique. Paris: La Fabrique, 2000.

_____________ Les écarts du cinema. Paris: La Fabrique, 2011.

_____________Le spectateur émancipé. Paris: La Fabrique, 2008.

_____________ Les scènes du peuple. Les , 1975-1985. Paris: Horlieu, 2003.

_____________ Malaise dans l’esthétique. Paris: Galilée, 2004.

_____________ Mallarmé: La polique de la sirene. Paris: Hachette Littérature, 1996.

_____________ Moments politiques – Interventions 1977-2009. Paris: La Fabrique, 2009.

_____________ O destino das imagens. Lisboa: Orfeu negro, 2011.

_____________ O mestre ignorante. Cinco lições sobre a emancipação intelectual. Belo Horizonte: Autêntica, 2005.

_____________ O espectador emancipado. Lisboa: Orfeu negro, 2010b.

RANCIÈRE, J. ; FAURE, A. La parole ouvrière. Paris: La Fabrique, 2007.

REY, A. (org.) Dictionnaire historique de la langue française. Paris: Le Robert, 1992.

TITO-LÍVIO Ab urbe condita libri In: PERSEUS DIGITAL LIBRARY. Disponível em: http://www.perseus.tufts.edu/hopper. Acesso em 20 nov. 2019.

VILLACÈQUE, N. Spectateurs de paroles! Déliberation démocratique et théâtre à Athènes à l’époque classique. Rennes: Presses Universitaires de Rennes, 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2020 Revista Interdisciplinar Internacional de Artes Visuais - Art&Sensorium

R. Sensorium, Curitiba, PR, Brasil, eISSN 2358-0437

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

INDEXAÇÕES:

DOAJ

MIAR

LATINDEX

DIADORIM

DOI