O uso experimental e inovador de tintas modernas pelo artista Ivan Serpa em obras do começo da década de 1950

João Henrique Ribeiro Barbosa

Resumo


Essa pesquisa reflete sobre o uso experimental e inovador de tintas modernas por Ivan Ferreira Serpa no começo da década de 1950. Três aspectos serão discutidos: a disponibilidade de tintas modernas com base alquídica no Brasil, o artista e seu método de criação e três pinturas produzidas até 1953. O emprego da tinta alquídica é inaugural pois embora esse produto estivesse disponível para uso comercial e industrial a sua apropriação na arte ainda não havia sido empregada. Os impactos visuais que esse material possibilitou, no entanto, interessaram o artista que até então utilizava a tinta à óleo artística. As fontes jornalísticas citadas nesse texto também são inéditas e expõem pensamentos pessoais de Ivan Serpa bem como a sua preocupação com o uso de novos materiais.


Palavras-chave


Tintas modernas; materiais e técnicas; Ivan Serpa; história das tintas no Brasil

Texto completo:

PDF/A

Referências


Abstracionismo e Ripolin na Casa de Serpa. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 17, 1952.

AULER, H. Atelier. Correio Brasiliense, Brasília, p. s/p., 19 abr. 1975.

BARBOSA, J. H. R.; SOUZA, L. A. C. S. Arte construtiva brasileira: o uso de materiais pictóricos industriais pelos artistas nas décadas de 1950 e 1960. 2015. Universidade Federal de Minas Gerais, [s. l.], 2015. Disponível em:

BARCINSKI, F. W.; SIQUEIRA, V. B.; FERREIRA, H. M. D. Ivan Serpa. Rio de Janeiro: Instituto Cultural The Axis, 2003.

DEL NEGRO, C. As cores. Revista de Química Industrial – RQI, Rio de Janeiro, p. 20, 1945.

Exposição de Ivan Serpa e pintura de crianças no EE. UU. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 11, 5 jun. 1954.

FERREIRA, H. M. D. O professor Ivan Serpa: importância das artes plásticas na educação. Rio de Janeiro.

GOTTSCHALLER, P.; LE BLANC, A. Making Art Concrete: Works from Argentina and Brazil in the Coleción Patricia Phelps de Cisneros. Los Angeles: Getty Conservation Institute and the Getty Research Institute, 2017.

GULLAR, F. 1- O Grupo de São Paulo. Jornal do Brasil - Suplemento Dominical, Rio de Janeiro, p. 9, 17 fev. 1957.

HERKENHOFF, P. Rio de Janeiro: A cidade necessária. In: GABRIEL PÉREZ-BARREIRO (Ed.). The Geometry of Hope: Latin American Abstract Art from the Patricia Phelps de Cisneros. Texas: The Blanton Museum of Art, 2007.

Ivan Serpa, concreto feliz entre as crianças. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 11, 1953.

LEARNER, T. Analysis of Modern Paints. Los Angeles: Getty Publications, 2004.

Lhote visita o museu de Arte Moderna. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p. 7, 23 jul. 1952.

LOBELLO, M. Renner Herrmann 70 anos: nas cores uma história. São Paulo: Prêmio, 1997.

MASSENA, L. E. Arte concreta brasileira em Veneza. Forma.n. 1., Rio de Janeiro, p. s/p., jun. 1954.

MORAIS, F. Ivan Serpa: pioneirismo e renovação. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 18 set. 1968.

MORAIS, F. Ivan Serpa: coerência sem dogmatismo. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 24 abr. 1973.

MUSEU DE ARTE MODERNA DO RIO DE JANEIRO. Restauração de parte da Coleção do Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro anterior a 1978. Rio de Janeiro: Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 2014.

NETO, A. P.; HERRMANN, H. F. Indústria de Tintas e Vernizes com Base de Óleos Vegetais no Rio Grande do Sul. Revista de Química Industrial – RQI, Rio de Janeiro, p. 22, 1953.

O progresso na Indústria de Plásticos e Resinas no Brasil. Revista de Química Industrial – RQI, Rio de Janeiro, p. 18, 1951.

OSTROWER, F. Criatividade e processos de criação. 2a Edição ed. Rio de Janeiro.

PEDROSA, M. O Salão Moderno. Tribuna da Imprensa, Rio de Janeiro, p. 8, maio. 1952.

RABELLO, M. Palavra puxa palavra. Conversa com Ivan Serpa. A voz da rua [Jornal infanto-juvenil], Rio de Janeiro, p. 7, 1955.

STANDEVEN, H. A. L. House Paints, 1900-1960: History and Use. Los Angeles: Getty Conservation Institute, 2011.

TINTAS CORAL. Manual de tintas da Coral. São Paulo.

Tintas e Vernizes – Óleos secativos. Revista de Química Industrial – RQI, Rio de Janeiro, p. 25–26, 1946.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.



R. Sensorium, Curitiba, PR, Brasil, eISSN 2358-0437

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

INDEXAÇÕES: DOAJ - MIAR - LATINDEX - DIADORIM