No Banzo da Negra, a Penca de Balangandãs

Anderson Diego Almeida, Eduardo Ferreira Veras

Resumo


No banzo, a saudade da terra natal; na cintura, o símbolo de sua existência. Como um signo pictórico pode denunciar a identidade e a transformação social de uma negra? Esta é a perspectiva da narrativa que propomos neste artigo. A análise surge da aquarela de Jean Baptiste Debret, Uma Negra Tatuada Vendendo Caju, de 1827, que traz a penca de balangandãs em sua cintura. Dessa joia de crioula, buscaremos discorrer sobre sua pathosformel a partir da gravura Malencolia I, produzida por Albrecht Dürer em 1514, e percorrer outros contextos visuais e históricos. Assim, compreender o sentido da peça, seu significado social e a função dentro e fora da obra em que ela se encontra, será nosso objetivo.


Palavras-chave


Penca de balangandãs; Debret; Dürer; Pathosformel

Texto completo:

PDF/A

Referências


AMEIDA, Anderson Diego da S. Memórias silenciadas: a mnemosyne de Aby Warburg no etnodesign da Coleção Perseverança. In: Anais do III Seminário de estética e crítica de arte. São Paulo : FFLCH/USP, 2017. pp. 55-66. Disponível em:< http://filosofia.fflch.usp.br/sites/filosofia.fflch.usp.br/files/publicacoes/Anais/Anais%20do%20III%20Semin%C3%A1rio%20de%20Est%C3%A9tica%20e%20Cr%C3%ADtica%20de%20Arte.pdf> Acesso em: 25 ago. 2019.

ASHLEY. EDC history: chatelaines. 2013. Disponível em: . Acesso em: 2 ago. 2019.

BENJAMIN, Walter. Passagens. TIEDEMANN, Rolf; BOLLE, Willi; MATOS, Olgária Chaim Feres (Org.). Trad. Irene Aron e Cleonice P. B. Mourão. Belo Horizonte: UFMG/Imprensa Oficial de São Paulo, 2006.

CARYBÉ; AMADO, Jorge; VERGER, Pierre; REGO, Waldeloir. Iconografia dos deuses africanos no candomblé da Bahia. São Paulo: Raízes Artes Gráficas, 1981.

CLAIR, Jean (Org.). Mèlancolie, génie et folie em occident. Paris: Réunion des Musées Nationaux, Galimmard, 2005.

CUNHA, Laura; MILZ, Thomas. Joias de crioula. São Paulo: Editora Terceiro Nome, 2011.

DANZIGER, Leila. Banzo e preguiça: notas sobre a melancolia tropical. In: Anais do XXVIII Colóquio do Comitê Brasileiro de História da Arte. 2008. Disponível em:< http://leiladanziger.tempsite.ws/text/23banzo.pdf>. Acesso em 06 Jul. 2019.

DEBRET, Jean Baptiste. Viagem Pitoresca e Histórica ao Brasil. Sérgio Milliet (Trad.), tomo I (volume I e II), 3ª. Edição, São Paulo: Livraria Martins Fontes, 1954.

DE PINHO, Rubim. Aspectos Históricos da psiquiatria folclórica no Brasil. In: Universitas. n. 29, 1982. Disponível em: . Acesso em 6 Jul. 2019.

DIDI-HUBERMAN, Georges. A imagem sobrevivente: história da arte e tempo dos fantasmas segundo Aby Warburg. Rio de Janeiro: Contraponto, 2013.

ERMAKOFF, George. O negro na fotografia brasileira do século XIX. Rio de Janeiro: Casa Editorial, 2004.

HALL, Stuart. Cultura e representação. Daniel Miranda; William Oliveira (Trad.). Rio de Janeiro: Ed. PUC-Rio, 2016.

KLIBANSKY, Raymond; PANOFSKY, Erwin; SAXL, Fritz. Saturne et la mélancolie. In: Études historiques et philosophiques: nature, religion, médecine et art. Paris: Gallimard, 1989.

LODY, Raul. Pencas de balangandãs da Bahia: um estudo etnográfico das joias-amuletos. Salvador: Museu Carlos Costa Pinto/Instituto nacional do Folclore, 1988.

NAVES, Rodrigo. A forma difícil. São Paulo: Martins Fontes, 1996.

PAULA, Marcos Ferreira de. Pode o conhecimento dar alguma alegria? Uma interpretação da Melancolia I, de Albrecht Dürer, a partir da ética de Espinoza. In: Kriterion: revista de filosofia. Dez. 2014. Disponível em:< http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0100-512X2014000200009>. Acesso em: 20 Out. 2019.

SCHUSTER, Peter Klaus. Melancolia I, Dürer et sa posterité. CLAIR, Jean (Org.). In: Mélancolie, génie et folie en Occident. Paris: Réunion des Musées Nationaux/Galimmard, 2005.

SILVA, Simone Trindade Vicente da. Referencialidade e representação: um resgate do modo de construção de sentido nas pencas de balangandãs a partir da coleção Museu Carlos Costa Pinto. Dissertação (Mestrado em Belas Artes) – Universidade Federal da Bahia, Bahia, 2005.

YATES, F. The Occult Philosophy in the Elizabethan Age. London/NY: Routledge, 2010.

SILVA, Renato Araújo da. Balangandãs, barangandã, berenguendens. São Paulo: Museu Afro Brasil 2012. (artigo mimeografado).

THOMPSON, Robert Farris. Flash of the spirit: arte e filosofia Africana e afro-amaricana. Tuca Magalhães (trad.). São Paulo: Afro Brasi, 2011.

TURAZZI, Maria Inês. Marc Ferrez. São Paulo: Cosac & Naify, 2000.

VERGER, Pierre. Orixás: deuses iorubás na África e no centro do mundo. Salvador – BA: Fundação Pierre Verger, 2018.

WARBURG, A. Histórias de fantasmas para gente grande: escritos, esboços e conferências. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

YATES, Frances. The occult philosophy in the Elizabethan Age. London/NY: Routledge, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.



R. Sensorium, Curitiba, PR, Brasil, eISSN 2358-0437

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

INDEXAÇÕES: DOAJ - MIAR - LATINDEX - DIADORIM