Paisagens Invisíveis na Cidade: Escultura Pública Contemporânea em Curitiba

Rosanny Morais Teixeira

Resumo


Este artigo traz a ideia de paisagem urbana levando em conta a velocidade, o tempo, a mobilidade e os aspectos da memória, ou do esquecimento, como fatores de transformação da visualidade da cidade, partindo de Peixoto, Pesavento e Brescianni. O processo de invisibilidade ocorre na combinação desses fatores, afetando, consequentemente a memória e o imaginário coletivos. O foco temporal desta reflexão é o Projeto Esculturas Públicas, no qual ocorreram palestras e encontros entre historiadores e teóricos da arte contemporânea, artistas e público, e a instalação de obras públicas na cidade de Curitiba, no ano de 1992. O artigo destaca a produção das artistas Eliane Prolik, Denise Bandeira e Laura Miranda, e sua posterior invisibilidade, ao serem retiradas e/ou esquecidas nos locais de exposição. Ao considerar a memória, destacada em Lynch, Certeau e Kohlsdorf, como um dos elementos integradores na construção do imaginário urbano, pretende-se enfatizar a complexidade da cidade contemporânea e abordar variantes presentes nesta construção, e em possíveis interações com o espaço urbano. A partir de Derrida e Canclini, partilha-se a ideia de memória como arquivo aberto, na resistência do esquecimento ou da invisibilidade da arte na cidade, e fundamentais na construção do imaginário dos seus habitantes.


Palavras-chave


Paisagem Urbana; Projeto Escultura Pública; Curitiba; Arte Contemporânea; Invisibilidade.

Texto completo:

PDF/A

Referências


ARAÚJO, Adalice. Revolucionário projeto de escultura pública desafia a crise. Gazeta do Povo. Curitiba, 10. Maio. 1992. Cultura G, p. 07.

Artes na Web. Escultura Pública. Disponível em: http://www.artesnaweb.com.br/index.php?pagina=home&abrir=arte&acervo=1365 Acesso em 27 de julho de 2018.

BANDEIRA, Denise. Esclarecimentos sobre o Projeto Escultura Pública de 1992. Curitiba. 11 jul. 2017. Comunicação oral.

BARCELONA. Carta das Cidades Educadoras. 1990. Disponível em: http://cidadeseducadoras.org.br/wp-content/uploads/2016/06/carta-cidades-educadoras-barcelona.pdf . Acesso em 20 de março de 2018.

BARCELLOS, Carmen. Quando a Arte Vira Estropício. Veja Paraná. Curitiba, julho-agosto, 1992, p. 6-8.

BRESCIANI, Mª Stela. Cidade, cidadania e imaginário. In: SOUZA, Célia Ferraz de; PESAVENTO, Sandra J. (orgs.) Imagens urbanas: os diversos olhares do imaginário urbano. Porto Alegre: Ed. da Universidade/UFRGS, 1997.

CALVINO, Ítalo. Cidades invisíveis. 2.ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2012.

CANCLINI, Nestor G. Imaginários culturais da cidade: conhecimento/espetáculo/desconhecimento. In: COELHO, Teixeira (org.). A cultura pela cidade. São Paulo: Iluminuras, 2008.

CERTEAU, Michel de. A invenção do cotidiano: 1 Artes do fazer. 9. ed. Petrópolis: Vozes, 1994.

DERRIDA, Jacques. Mal de arquivo: uma impressão freudiana. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 2001.

FREIRE, Cristina. Além dos mapas: os monumentos no imaginário urbano contemporâneo. São Paulo: SESC: Annablume, 1997.

GARCÍA, Fernanda Ester S. Curitiba anos 90: a imagem urbana revisitada. In: SOUZA, Célia Ferraz de; PESAVENTO, Sandra J. (orgs.) Imagens urbanas: os diversos olhares do imaginário urbano. Porto Alegre: Ed. da Universidade/UFRGS, 1997.

GOMES, Renato Cordeiro. Todas as cidades, a cidade: literatura e experiência urbana. Rio de Janeiro: Rocco, 1994.

KOHLSDORF, Mª Elaine. A apreensão da forma da cidade. Brasília: Editora da UNB, 1996.

LOPES, Adélia Maria. Esculturas florescem no traçado urbano. O Estado do Paraná. Curitiba, 17. maio.1992. Almanaque, s/p.

LYNCH, Kevin. A imagem da cidade. Lisboa: Edições 70, 1996.

MAKOWIECKY, Sandra. Introdução. A obra de arte é uma obra de arte (não um objeto histórico qualquer) e a fascinante realidade da ambiguidade visual. In: MAKOWIECKY, Sandra; CHEREM, Rosângela. Pensatas sobre arte e tempo, imagem e arquivo. Florianópolis: AAESC, 2016.

MARTINS, Joseane Esculturas geram indagações. O Estado do Paraná. Curitiba, 20 maio. 1992. s/p.

MUSEU VIRTUAL DE ARTES PLÁSTICAS. MUVI. Disponível em: http://muvi.advant.com.br/ Acesso em: 11 jul. 2018.

OLIVEIRA, Luiz Claudio. Esculturas polêmicas: artistas curitibanos rebatem críticas da revista Veja sobre as esculturas públicas. Folha de Londrina. Londrina, 1. Agosto. 1992. p. 6.

PEIXOTO, Nelson Brissac. Paisagens urbanas. 2. ed. São Paulo: Editora SENAC São Paulo/Editora Marca D’Água. 1998.

PESAVENTO, Sandra J. O imaginário da cidade: visões literárias sobre o urbano – Paris, Rio de Janeiro, Porto Alegre. 2. Ed. Porto Alegre: Ed. Universidade UFRGS, 2002.

PROLIK, Eliane. Noutro lugar. Texto de Paulo Herkenhoff. Ivo Mesquita (org.). Curitiba: Cromos editora e indústria gráfica, 2005.

SANTANNA, Mônica. Greca enfrenta a ira dos artistas. Folha de Londrina. Sucursal de Curitiba, 14. Fev. 1993. p.16.

ZUGMAN, David; BANDEIRA, Denise; PROLIK, Eliane; MIRANDA, Laura; GUIMARÃES, Rossana. Escultura ou Trambolho? Uma Proposta de Debate. O Estado do Paraná, Curitiba, 2 ago. 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.



R. Sensorium, Curitiba, PR, Brasil, eISSN 2358-0437

Licença Creative Commons
Esta obra foi licenciada com uma Licença Creative Commons - Atribuição 3.0 Não Adaptada.

INDEXAÇÕES: DOAJ - MIAR - LATINDEX - DIADORIM